Geral

Em dez anos 2.373 jovens morreram em Mato Grosso do Sul e taxa de homicídio sobe 7,9%

A taxa de homicídios de jovens aumentou 7,9% nos últimos dez anos em Mato Grosso do Sul. De acordo com o Mapa da Violência 2013, com dados de 2001 a 2011, na última década 2.373 jovens foram mortos. O ápice da década foi em 2009, quando 250 jovens foram mortos. O número caiu nos dois […]

Arquivo Publicado em 18/07/2013, às 18h52

None

A taxa de homicídios de jovens aumentou 7,9% nos últimos dez anos em Mato Grosso do Sul. De acordo com o Mapa da Violência 2013, com dados de 2001 a 2011, na última década 2.373 jovens foram mortos.

O ápice da década foi em 2009, quando 250 jovens foram mortos. O número caiu nos dois anos seguintes com 191 mortes cada. O ano de 2001 é apontado com o menor número com 177 jovens mortos.

No Centro Oeste houve uma vertiginosa elevação de 32,1% no número de casos, com Goiás no topo da lista com 761 mortes só em 2011.

Em todo o Brasil, o Mapa mostra que de 2001 a 2011 morreram vítimas de assassinatos um total de 203.225 jovens. Aproximadamente, 18% de toda a população brasileira é considerada jovem, ou seja, que está entre a faixa etária de 15 a 24 anos de idade, considerou a pesquisa.

Possibilidades

No entendimento do secretário estadual de Justiça e Segurança Pública, Wantuir Jacini, o aumento de homicídios em que jovens estejam envolvidos se dá por dois principais motivos: desestruturação familiar e facilitação ao acesso às drogas.

“Esse aumento foi em quase todo o Brasil e percebemos que a maioria dos jovens envolvidos em crimes no Estado provém de famílias desestruturadas, que não tiveram no seio familiar um ‘controle’ social, com o ensinamento de limites”, afirmou Jacini.

Para o secretário o outro motivo seria a política de descriminalização das drogas, que facilitou o contato e facilitou o envolvimento dos jovens com o mundo do crime.

“Os jovens não tem mais medo de serem presos com drogas e com isso mais usam e mais fácil é o envolvimento no mundo do crime para conseguir manter o vício”, concluiu o secretário em entrevista ao Midiamax, nesta quinta-feira (18).

Jornal Midiamax