Geral

Em “Amor à Vida”, Patrícia e Michel disputam quarto de motel com Guto e Sílvia

O chumbo trocado entre os casais Patrícia e Michel/Guto e Sílvia continua rendendo assunto em “Amor à Vida”. Por pouco, os quatro não se encontram no motel e ainda disputam a mesma suíte. A cena está prevista para ir ao ar no dia 18 de novembro. Ao chegarem no motel, Patrícia e Michel descobrem que […]

Arquivo Publicado em 02/11/2013, às 13h25

None
1958396574.jpg

O chumbo trocado entre os casais Patrícia e Michel/Guto e Sílvia continua rendendo assunto em “Amor à Vida”. Por pouco, os quatro não se encontram no motel e ainda disputam a mesma suíte. A cena está prevista para ir ao ar no dia 18 de novembro.


Ao chegarem no motel, Patrícia e Michel descobrem que a suíte presidencial já foi ocupada por outro casal, que chegou minutos antes deles. Para piorar a decepção, eles descobrem que os dois pediram a única champagne francesa que havia no local. Sem saber que se trata de Guto e Sílvia, Patrícia sugere que os dois batam na porta do quarto para pedir uma taça da bebida.


Veja o que acontece a seguir:


Michel — Você não vai bater na porta de suíte nenhuma, Pat. A etiqueta de motel impede que você faça isso.


Patrícia — O que é etiqueta de motel?


Michel — A vida moderna exige um guia de boas maneiras também pra motel. Por exemplo, se você tá saindo do motel e vê, no carro de trás, a noiva do seu melhor amigo com outro cara, você não conta, porque tudo que rola aqui dentro é segredo de confessionário. Se você chega num motel e vê o seu melhor amigo entrando com outro cara, você finge que não viu e continua fingindo que ele é hétero.


Patrícia — Continua, estou muito interessada.


Michel — Se você tá num motel e vê o seu pai com uma loirona, não conta pra sua mãe.


Patrícia — Se eu encontrasse o meu pai com uma periguete no motel, eu fazia um escândalo.


Michel — E a etiqueta, onde fica nessa história?


Patrícia— Dane-se a etiqueta! Eu tenho vontade de bater na suíte máster e pedir uma taça de champagne francês.


Michel — Mais uma regra do guia de boas maneiras do motel. Se você bate numa suíte já ocupada, não é pra pedir champagne. Mas para se oferecer para uma orgia.


Patrícia — Eu não quero fazer orgia. Um só, ainda mais você, Michel, é suficiente. E olhe lá, porque eu fico com problema de consciência por causa do meu marido.


Michel — Deixa de bancar a chapeuzinho vermelho, Pat. Você acha que, com esse corpo, esse rostinho, se você bater na suíte do outro casal eles vão te deixar falar? Eles te puxam pra dentro e te botam na roda.


Patrícia — Tá bom, desisti. Mas é por essas e outras que eu nunca gostei de motel! Porque as coisas especiais, como champagne francês, sempre acabam no estoque!


Michel — Pat, foco. O especial aqui sou eu.


Enquanto Patrícia e Michel discutem sobre a “etiqueta de motel”, Guto e Sílvia trocam declarações e confessam que o interesse entre eles aumenta a cada encontro. Apesar disso, Sílvia aconselha Guto a não se apaixonar e declara que não pensa em se separar de Michel.


Silvia — Sabe, quando a gente saiu a primeira vez, eu achava que era só pra dar o troco na Patrícia, que quase me roubou o Michel. Mas agora… eu tou gostando cada vez mais de sair com você.


Guto — Eu também, gata. E eu me amarrei no que cê disse.


Silvia — Eu nem tenho tanta vontade de ficar com o Michel. Às vezes, quando ele chega, eu fico estudando os meus casos até ele dormir. Só aí eu vou deitar.


Guto — Casamento é complicado. A gente cai na rotina e aquela surpresa de toda vez… acaba. Eu vou te dizer, eu tou quase apaixonado por você, Silvia.


Silvia — Para, não vai se apaixonar.


Guto — Que tem se eu me apaixonar?


Silvia — Eu nunca considerei a possibilidade de largar do Michel. Quando a gente separou, eu sofri muito.


Guto — Mas se o lance de vocês esfriou, é o caso de separar.


Silvia — Eu não posso separar do Michel. Quando eu tive câncer, ele ficou do meu lado, me deu a maior força. Quando eu mais precisei, ele tava lá. Agora que tou bem, vou separar? Ele ia sofrer demais.


Em outro quarto, Patrícia e Michel acabam de transar e têm uma conversa parecida com a de Sílvia e Guto.


Patrícia — Tudo bem, eu preferia estar no meu apê, mas motel também é legal. Só que eu tenho medo da gente continuar saindo, você se envolver e querer largar da Silvia.


Michel — Envolvido por você eu já tou, Pat, mas eu não posso largar da Silvia. A Silvia teve câncer. Já tá boa, superou tudo que aconteceu. Mas mesmo assim, ela ainda precisa de mim, do meu apoio…


Patrícia — Eu te dou toda razão. Eu imagino como é difícil pra uma mulher ter câncer no seio, sempre deve dar uma insegurança. Eu me sentiria péssima se cê largasse da Silvia por mim.


Michel — Você sempre defende a Silvia, né?


Patrícia — Eu sou mulher, eu sei como às vezes é difícil manter a auto-estima.


Michel — É por isso que eu continuo com a Silvia. Mas pra ser sincero, Pat, eu nem tenho vontade de ficar com ela. Quando eu chego em casa, vou deitar logo, digo que tou cansado… e aí ela fica trabalhando. Quando ela vai deitar, eu já tou dormindo. Ou finjo que tou.


Patrícia— O que vale é que a gente tá aqui agora.


Michel — Vamos aproveitar. Topa repetir?

Jornal Midiamax