Geral

Dicas para evitar a dengue: conheça e previna-se

Passar repelente, limpar a casa com citronela, acender velas, usar mosquiteiros são medidas paliativas para evitar a doença. A solução mesmo é evitar que o mosquito se prolifere

Arquivo Publicado em 24/01/2013, às 10h52

None
1117485989.jpg

Passar repelente, limpar a casa com citronela, acender velas, usar mosquiteiros são medidas paliativas para evitar a doença. A solução mesmo é evitar que o mosquito se prolifere

Diante da maior epidemia de dengue que Campo Grande enfrenta nos últimos 6 anos, saber como a doença se manifesta e evitar que continue crescendo é essencial para combatê-la. Coordenador municipal de Controle de Vetores do CCZ (Centro de Controle de Zoonoze), Alcides Ferreira, explica que passar repelente, limpar a casa com citronela, acender velas, usar mosquiteiros são medidas paliativas para evitar a doença. Segundo ele, o que resolve é evitar que o mosquito se prolifere.

O especialista aponta que a única forma de acabar com a doença é não deixar que haja criadouros. “Não adianta passar inseticida, dedetizar, se o principal, que é evitar criadouros – água parada – continuar acontecendo”.

Ferreira diz que todos precisam colaborar e ensina como evitar os criadouros. “Tem que ver se a caixa d’água está bem tampada, limpar as calhas com frequência, ainda mais nessa época de chuvas. Tampar ralos, cuidar da piscina, e todos os lugares que podem ter acúmulo de água. Plantas só na terra, nada de vasinho acumulando água”, diz.

Gisele Morgado Correa, pediatra, concorda. Acostumada com o entra e sai de pais e crianças em seu consultório, preocupados com a situação, ela diz que antes de tomar medidas para evitar os mosquitos é preciso agir para que eles não se desenvolvam. “Não pode deixar desenvolver criadouros. Essa é a única maneira de combater a dengue. Mas, com esse quadro é importante tomar alguns cuidados para não ser picado”, diz.

A médica lembra que o uso de repelentes ajuda e orienta quanto ao uso: na hora de passar o produto tem que tomar cuidado com a região dos olhos, e no caso das crianças, com as mãos, já que o tempo todos elas as levam a boca. Ela explica que braços e pernas, por ficarem mais expostas, costumam ser os lugares mais picados, assim repelente nessas áreas vai bem.

O horário crítico, segundo a médica, é entre o fim da tarde e o inicio da manhã, já que é neste intervalo que os mosquitos costumam picar mais.

Morgado ainda revela que os cuidados com as crianças devem ser redobrados porque elas estão mais expostas que os adultos e não tem a mesma defesa. “As crianças ainda não tiveram o contato com a doença como os adultos, por isso estão mais sensíveis. Não têm a mesma imunidade”, explica.

A médica lembra que nas crianças as reações podem reagir diferente, assim se não quiserem comer e tiverem dificuldade para urinar leve ao médico para fazer os exames e verificar porque pode ser dengue.

Sintomas

Febre alta (39° a 40°C) acompanhada de dor de cabeça, dor atrás dos olhos, dores musculares, nas juntas, prostração e vermelhidão no corpo (não precisa ter todos os sintomas) fique de olho. Pode ser dengue.

Se após o terceiro ou quarto dia de evolução da doença, surgirem hemorragias em virtude do sangramento de pequenos vasos na pele e nos órgãos internos. Cuidado, pode ser dengue hemorrágica. Se não tratada com rapidez, pode levar à morte.

Jornal Midiamax