Geral

Dia de Finados leva mais de 70 mil fiéis aos cemitérios públicos de Campo Grande

O Dia de Finados, comemorado neste sábado (2), levou mais de 70 mil pessoas aos cemitérios de Campo Grande. No cemitério São Sebastião, no bairro Cruzeiro, região norte da Capital, o número de visitantes chegava a 10 mil, até o fim da tarde. No cemitério Santo Amaro, região oeste da Capital, a expectativa da administração […]

Arquivo Publicado em 02/11/2013, às 21h26

None
938914366.jpg

O Dia de Finados, comemorado neste sábado (2), levou mais de 70 mil pessoas aos cemitérios de Campo Grande. No cemitério São Sebastião, no bairro Cruzeiro, região norte da Capital, o número de visitantes chegava a 10 mil, até o fim da tarde. No cemitério Santo Amaro, região oeste da Capital, a expectativa da administração era de receber 60 mil fiéis.


Conforme o servidor, Manuel da Silva Vargas, responsável pela administração do São Sebastião, a intenção é deixar os portões abertos até as 19h30, devido ao movimento intenso de pessoas. “As 5h30 da manhã já havia gente esperando aqui na frente para realizar as homenagens”, afirma.


Com 25 800 sepulturas, o cemitério recebeu principalmente famílias neste feriado, como a Escobar. Irmãs e mãe comparecem todos os anos ao local para prestar as homenagens aos mortos. “Tenho meu marido e um cunhado enterrados aqui”, afirma a doméstica, Edmar Escobar, 49 anos.


Apesar de não ter nenhum parente enterrado no local, a dona de casa, Cida Escobar, 41 anos, acompanha a família. “Meus parentes estão enterrados em cemitérios distantes. Mas aproveito que venho aqui e acendo velas e já faço uma oração para todos os falecidos”, afirma.


A aposentada, Nicola Escobar, 63 anos, diz que prefere ir ao cemitério no horário da tarde, pois o clima é mais fresco e o movimento um pouco menor do que pela manhã. “É sempre cheio deste jeito, porém de manhã é pior”, explica.


Além de visitantes, o local contava com inúmeros vendedores ambulantes e organizações religiosas. De acordo com o fiscal da Semadur (Secretaria Municipal de Meio Ambiente),  Antonio Celso, os ambulantes respeitaram as a regras estabelecidas  e as vendas correram tranquilamente sem atrapalhar a entrada pelos portões principais.


Não só as paróquias de comunidades católicas aproveitaram o dia para falar de fé. O cerca de 10 membros do grupo Aventureiros da Igreja Adventista entregaram folhetos e entoaram canções em frente ao cemitério. “Apesar de não ser celebrada em nossa religião, aproveitamos por ser um dia em que as pessoas estão mais acessíveis a Deus, para falar de fé”, explica a Mírian Ferraz, membro do grupo.


Até a amanhã deste sábado, cerca de 35 mil pessoas haviam passado peço cemitério Santo Amaro, região oeste da Capital. A expectativa era de que 60 mil pessoas passassem pelo local até o final do dia, conforme a administração.


A Agetran (Agência Municipal de Transporte e Trânsito) estava presente nas vias no entorno dos cemitérios para garantir que o trânsito fluísse tranquilamente.  A entrada de carros dentro dos locais também foi restrita, dando preferência apenas a pessoas com dificuldades de locomoção.

Jornal Midiamax