Geral

Demanda em alta mantêm empresários otimistas

Apesar de o estudo “Sondagem Industrial”, divulgado nesta quinta-feira pela Confederação Nacional da Indústria (CNI), indicar que o setor registrou queda na produção em fevereiro de 2013, vigora o otimismo entre os empresários consultados. Com dados relativos a março, os indicadores de expectativas para os próximos seis meses sobre o desempenho da demanda, das exportações […]

Arquivo Publicado em 28/03/2013, às 14h50

None

Apesar de o estudo “Sondagem Industrial”, divulgado nesta quinta-feira pela Confederação Nacional da Indústria (CNI), indicar que o setor registrou queda na produção em fevereiro de 2013, vigora o otimismo entre os empresários consultados. Com dados relativos a março, os indicadores de expectativas para os próximos seis meses sobre o desempenho da demanda, das exportações e da compra de matérias-primas melhoraram em relação a fevereiro.

O indicador de demanda alcançou 60,7 pontos em março, ante 59,8 pontos em fevereiro. O indicador de compra de matérias-primas subiu para 58,4 pontos (57,6 pontos em fevereiro) e o de número de empregados alcançou 53,3 pontos (53,5 pontos, no mês passado). Esses valores referem-se às expectativas dos empresários industriais para os próximos seis meses.

A CNI destaca que o indicador de expectativa em relação à exportação ficou em 54,6 pontos em março, o maior valor desde junho de 2012 (55,3 pontos). O otimismo é maior entre as grandes empresas, onde o indicador de expectativa de exportações subiu 2,5 pontos porcentuais e alcançou 56,4 pontos.

Os indicadores de expectativa variam de zero a cem. Acima de 50 pontos indicam otimismo. A Sondagem Industrial foi feita entre 1º e 13 de março com 1.818 empresas de todo o país, das quais 664 são pequenas, 694 médias e 460 de grande porte.

“Apesar do fraco desempenho de fevereiro na comparação com janeiro, o destaque é o otimismo com relação às exportações para os próximos seis meses, que indica retomada das exportações de manufaturados, o que seria um estímulo adicional e importante para a recuperação da indústria no primeiro semestre do ano”, afirma o gerente executivo da Unidade de Pesquisa e Competitividade da CNI, Renato da Fonseca.

Jornal Midiamax