Geral

Decisão unânime no TRE livrou presidente da Câmara da cassação por compra de votos

O Tribunal Regional Eleitoral de Mato Grosso do Sul absolveu o presidente da Câmara de Campo Grande, vereador Mário César (PMDB), do processo que respondia por suposta compra de votos na tarde de ontem (7). A votação foi unânime. O vereador que estava no cargo por meio de uma liminar, conta que sente aliviado. “Importante […]

Arquivo Publicado em 08/10/2013, às 11h12

None
1876165045.jpg

O Tribunal Regional Eleitoral de Mato Grosso do Sul absolveu o presidente da Câmara de Campo Grande, vereador Mário César (PMDB), do processo que respondia por suposta compra de votos na tarde de ontem (7). A votação foi unânime.

O vereador que estava no cargo por meio de uma liminar, conta que sente aliviado. “Importante é que foram cinco votos à zero. Na época que saiu o processo fiquei atônito, porque não cometi nenhuma irregularidade, mas, a juíza entendeu daquela maneira, enfrentamos o processo todo e saímos vencedor, até porque não cometemos nenhuma infringência”, enfatizou.

Apesar do processo, o vereador ressaltou que estava trabalhando normalmente e que ‘seus pares’ na Câmara sempre o respeitaram e acreditaram em seu trabalho e inocência. “Estava bem tranquilo, até por questões de consciência e os pares me respeitaram, mesmo sob liminar”.

O processo

A representação eleitoral n° 727.86.2012.6.12.0036 dizia que o vereador teria comprado votos por meio de distribuição de combustível nas eleições de 2012. Mário César foi condenado a perda imediata do mandato, a ficar inelegível por oito anos e pagar multa de 50 mil UFIR (R$ 53 mil).

Conforme a sentença, ficou comprovado por meio de investigação da Polícia Federal, que Mário César pagou R$ 55,00, o equivalente a 20 litros de gasolina, para o auxiliar de departamento pessoal, André Cabanha Paniago Almada, colocar o adesivo grande do candidato no Fiat Palio.

A investigação começou a partir de uma denúncia anônima ao Disque Denúncia da Justiça Eleitoral sobre a distribuição de gasolina pelo candidato a vereador Alceu Bueno (PSL).

No entanto, ao chegar ao Posto Trokar, na Rua José Antônio, os policiais federais constataram que Almada entregou um ticket do candidato do PMDB para colocar 20 litros de gasolina. Ele foi detido em flagrante e encaminhado para a Delegacia da Polícia Federal.

Em depoimento ao delegado, contou que foi indicado por um amigo para ir até o comitê do candidato, na Rua 14 de Julho, 363, para pegar o ticket no valor de R$ 55,00 e abastecer 20 litros de gasolina no Posto Trokar. Em troca do combustível, ele deveria colocar o adesivo de Mário César no seu carro e distribuir panfletos para os amigos.

Jornal Midiamax