Geral

CRM aguarda parecer do MPE e pode suspender Adalberto Siufi e José Carlos Dorsa

O CRM (Conselho Regional de Medicina) de Mato Grosso do Sul abriu sindicâncias para investigar a conduta ética de Adalberto Siufi e José Carlos Dorsa. O órgão aguarda apenas parecer final do Ministério Público Estadual sobre a Operação Sangue Frio para abrir processo contra os médicos. Como conselho de classe, o CRM analisa a conduta […]

Arquivo Publicado em 03/07/2013, às 13h07

None
2092614570.jpg

O CRM (Conselho Regional de Medicina) de Mato Grosso do Sul abriu sindicâncias para investigar a conduta ética de Adalberto Siufi e José Carlos Dorsa. O órgão aguarda apenas parecer final do Ministério Público Estadual sobre a Operação Sangue Frio para abrir processo contra os médicos.


Como conselho de classe, o CRM analisa a conduta de Siufi, ex-diretor do Hospital do Câncer e dono da Neorad, e do ex-diretor do Hospital Universitário da UFMS (Universidade Federal de Mato Grosso do Sul). A conduta dos profissionais foi colocada em xeque pelas escutas gravadas pela polícia federal.


“Na sindicância analisamos as condutas referentes ao exercício da medicina, e não outras suspeitas, como peculato”, explicou Luiz Henrique Mascarenhas, presidente do CRM regional. Segundo ele, a denúncia mais grave diz respeito à dosagem menor do que o recomendado de remédios para pacientes.


O CRM aguarda parecer do MPE para proceder, ou não, com a abertura de processo ético contra Siufi e Dorsa. Se o Ministério Público confirmar as denúncias que vieram à tona com a Operação Sangue Frio, os dois médicos devem enfrentar o Conselho de Ética profissional.


Segundo Mascarenhas, as sindicâncias já estão sendo realizadas, e devem durar até seis meses. Se os processos forem abertos, duram em média um ano e meio, e podem resultar até na suspensão definitiva da autorização de exercício de profissão de Dorsa e Siufi, que ficariam impedidos de trabalhar como médicos.


“Todo o processo demora em média um ano e meio, e dá o direito à ampla defesa dos profissionais. Eles são julgados por 20 conselheiros do Pleno do Conselho de Ética do CRM”, comentou Mascarenhas.

Jornal Midiamax