CPI da Saúde ouve novo diretor do HU sobre a paralisação de serviços de oncologia

A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Saúde da Câmara, que investiga possíveis irregularidades no Hospital do Câncer “Alfredo Abrão” e no Hospital Universitário “Maria Aparecida Pedrossian”, está ouvindo nesta segunda-feira (3) o novo diretor do HU, o ortopedista Claudio Wanderley Luz Saab. Ele foi escolhido pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS) para subs...
| 03/06/2013
- 17:47
CPI da Saúde ouve novo diretor do HU sobre a paralisação de serviços de oncologia

A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Saúde da Câmara, que investiga possíveis irregularidades no Hospital do Câncer “Alfredo Abrão” e no Hospital Universitário “Maria Aparecida Pedrossian”, está ouvindo nesta segunda-feira (3) o novo diretor do HU, o ortopedista Claudio Wanderley Luz Saab. Ele foi escolhido pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS) para substituir José Carlos Dorsa, afastado após o envolvimento nas denúncias apuradas pela Operação Sangue Frio.

A reunião segue a portas fechadas desde às 8h dentro do hospital. “A reunião é para saber o que aconteceu para que o setor de Oncologia do HU fosse desativado”, explicou o vereador Alex do PT. Segundo ele, também serão questionados sobre a recusa do aparelho para o setor e por que o corpo docente não está mais atendendo na Oncologia.

“A princípio temos informações extra-oficiais que o corpo docente teria sido cedido e que estaria atendendo no Hospital do Câncer e consequentemente na clínica particular Neorad”, disse Alex.

O parlamentar disse que, por enquanto, este fato está sendo negado pelos envolvidos e que a CPI também está investigando o corpo clínico. “Vamos olhar a origem e a cedência de cada um, para onde foram”, afirmou Alex. Nos próximos 15 dias os vereadores devem reunir os documentos para fazer o relatório conclusivo.

Dorsa alegou na última quarta-feira (29), em que foi ouvido pela CPI da Saúde, que demorou três anos para reconstruir a radioterapia do hospital sendo que uma semana depois que ele saiu do cargo, o setor voltou a funcionar.

“Por que a Neorad teve condições de operar e a União não oferecia as condições?” questionou Alex emendando que na sua visão o ex-diretor do Hospital do Câncer, Adalberto Siufi, tem a chave desta resposta. Os vereadores ainda não decidiram quando Siufi será ouvido e também não há previsão para as oitivas do ex-prefeito Nelsinho Trad (PMDB) e os ex-secretários municipais de Saúde e Luiz Henrique Mandetta (DEM), este, atualmente deputado federal.

“Não queria falar sobre as oitivas com o Nelsinho ou os ex-secretários, porque este é um ponto muito polêmico e será decido mais para frente, no momento certo a partir do trabalho da comissão”, concluiu Alex.

Últimas notícias