Geral

Artilheiro do Águia Negra leva com bom humor ‘gol feito’ perdido em partida

Perder gols não é exatamente o que esperam os atacantes quando estão próximos à meta adversária. Perder o chamado “gol feito”então e ver o time fora da sequência da competição – não por causa do lance, diga-se -, acaba com o humor de qualquer um. Não é o caso do atacante Guilherme, do Águia Negra. […]

Arquivo Publicado em 29/03/2013, às 15h06

None
886529461.jpg

Perder gols não é exatamente o que esperam os atacantes quando estão próximos à meta adversária. Perder o chamado “gol feito”então e ver o time fora da sequência da competição – não por causa do lance, diga-se -, acaba com o humor de qualquer um. Não é o caso do atacante Guilherme, do Águia Negra. Mais novo integrante do Inacreditável Futebol Clube, quadro do Globo Esporte que brinca com as oportunidades de gol desperdiçadas pelos jogadores de todo o Brasil, Guilherme encara a situação com normalidade. A entrega da camisa do seu novo time foi feita na tarde desta quinta-feira (28) durante o treino da tarde e foi marcada pelo bom humor e a participação dos jogadores do elenco.

O lance que valeu a indicação do jogador ao prêmio aconteceu já no segundo tempo na partida contra o Corumbaense, vencida pelo Águia Negra por 1 a 0, gol de Cí minutos antes. Tardelli puxou o contra-ataque pela esquerda e cruzou, a bola passou pelo goleiro Alex e Guilherme, sem marcação e de frente para o gol vazio, bateu por cima. Sem fugir da responsabilidade, o atacante do Águia não procura desculpas para o lance perdido. “Eu estava absoluto no lance, era só marcar. Acho que por isso perdi a concentração e peguei mal na bola que acabou tocando acima do tornozelo”, detalha.

Sobre vestir a camisa do Inacreditável FC, Guilherme se espelha em grandes nomes do futebol nacional que já passaram pela mesma situação. “O Seedorf e o Vágner Love já vestiram essa camisa, porque eu não iria vestir?”, questiona, mantendo o alto astral. “Quando vejo o gol perdido fico pensando que não é possível perder um lance assim, com o gol aberto”, disse, falando que os companheiros do time ainda deram os parabéns durante os treinos da semana.

Artilheiro e Campeão

Mas a curta e vitoriosa carreira de Guilherme não é marcada por gols perdidos, pelo contrário. Lançado no time profissional do Águia Negra em 2011 pelo técnico Cláudio Roberto, o atacante, então com 17 anos, jogou oito jogos mas não chegou a balançar as redes adversárias.

Em 2012, Guilherme até começou fora de alguns jogos por causa de uma contusão muscular durante a pré-temporada, mas depois que entrou no time, não saiu mais até a conquista do título estadual. Marcou oito gols e terminou como vice-artilheiro da competição, atrás apenas de Tardelli, com 12 pelo Sete de Dourados e hoje seu companheiro de ataque no Águia Negra. Após o campeonato, uma transferência para o Vitória-BA chegou a ser ventilada, mas as negociações não prosperaram. Assim, junto com outros jogadores campeões, disputou a Série B pelo Corumbaense no segundo semestre, garantindo o acesso do Carijó.

Antes de voltar à Rio Brilhante, defendeu, junto com o meia Cí, o Guaicurus na Copa São Paulo 2013, marcando três gols, um deles contra o São Paulo FC. No Águia, acabou sofrendo com as contusões e passou parte da primeira fase no Departamento Médico, voltando justamente na partida do último domingo contra o Corumbaense. “Infelizmente não apenas eu, mas outros jogadores também se contundiram e isso prejudicou de mais a campanha do time que acabou fora da próxima fase, infelizmente”, lamenta o atacante.

Plenamente recuperado, Guilherme agora trabalha junto com o elenco do Águia Negra de olho nos confrontos contra o Bragantino-SP pela Copa do Brasil nos dias 10 e 17 de abril. Depois, caso a classificação para a próxima fase não aconteça, o grupo deve ganhar uma folga enquanto a Diretoria e Comissão Técnica planejam a participação do clube na Série D do Campeonato Brasileiro que começa no final de maio.

Jornal Midiamax