Geral

Viagens de fim de ano geram conflitos entre idosos e empresas de Dourados

As viagens de fim de ano têm gerado polêmicas entre os idosos e as empresas de ônibus, que acabam virando reclamações constantes no Procon. As queixas de ambas as partes ocorrem por conta dos conflitos relacionados às vagas destinadas a quem pode viajar de graça. Cada idoso tem direito a uma poltrona em todos os […]

Arquivo Publicado em 18/12/2012, às 12h05

None
2047914310.jpg

As viagens de fim de ano têm gerado polêmicas entre os idosos e as empresas de ônibus, que acabam virando reclamações constantes no Procon. As queixas de ambas as partes ocorrem por conta dos conflitos relacionados às vagas destinadas a quem pode viajar de graça. Cada idoso tem direito a uma poltrona em todos os ônibus que reservam duas delas para eles. Mas o número é pequeno e pode ser reservado com até 30 dias de antecedência.


Para as viagens dentro do Estado, duas vagas são destinadas gratuitamente para pessoas com idade acima de 60 anos e renda igual ou inferior a dois salários mínimos. Outras duas vagas têm desconto de 50% no valor, mas para adquirir esse benefício a pessoa deve ir no dia que for realizar a viagem. Caso a pessoa exija o direito de viajar de graça, a empresa tem até 30 dias para fornecer a vaga para o idoso.


Para as viagens nacionais com rota para fora do Estado, os critérios são outros. Para todos os ônibus há desconto de 50% para os idosos, que concorrem com a disponibilidade de poltronas com os demais que não possuem descontos.


Para os destinos com distância de até 500 quilômetros, o idoso tem que fazer a solicitação com até 6 horas de antecedência da saída do ônibus do Terminal Rodoviário. Para viagens com distância acima de 500 quilômetros, o tempo máximo para exigir o desconto é de 12 horas de antecedência.


Para as viagens nacionais, também há as duas poltronas gratuitas para os idosos, que podem ser solicitadas com até 30 dias de antecedência.


As empresas só podem oferecer as vagas para o idoso em ônibus que oferece serviço convencional. Com isso, a empresa não é obrigada a fornecer vagas em veículos de leito e também com características de ônibus executivo.


Francisco Cruz, representante de vendas de uma empresa de ônibus na cidade que possui 16 veículos, explica que em Dourados são atendidos nos veículos cerca de 50 passageiros que utilizam benefícios para viajar. “É uma lei que o governo criou e que não beneficia em nada as empresas de transporte humano, não há nenhuma reposição e nem contrapartida para as empresas. Somente estas vagas para os idosos, utilizam poltranas de um ônibus inteiro por dia. São mais de 30 lugares diariamente e muitas vezes acaba gerando transtornos por conta dos idosos não saberem como o benefício funciona”, enfatizou o representante de vendas.


Para evitar problemas, Francisco explica que os idosos que quiserem viajar utilizando o benefício devem procurar as empresas com antecedência. “Se desta vez o idoso não conseguir a vaga para a data que ele quiser, numa outra oportunidade ele vai se antecipar a compra da passagem”, concluiu.


E foi isso que Francisco Alencar Mendes e Floriana Mendes, ambos de 65 anos, fizeram. Os aposentados anteciparam a compra da passagens para Campinas, em novembro. “Conseguimos metade de desconto no ano passado; este ano vamos viajar totalmente de graça, por conta de nos anteciparmos na hora de fazer a reserva das vagas”, enfatizou o aposentado.

Jornal Midiamax