Geral

Venda de carros teve recorde de 400 mil unidades em agosto, diz Mantega

A venda de carros no Brasil deve bater recorde para o mês de agosto, atingindo cerca de 400 mil veículos negociados. A informação foi antecipada pelo ministro da Fazenda, Guido Mantega, segundo dados da Agência Brasil, órgão que divulga notícias do governo federal. Mantega disse acreditar na recuperação da indústria por meio dos estímulos de […]

Arquivo Publicado em 31/08/2012, às 20h26

None

A venda de carros no Brasil deve bater recorde para o mês de agosto, atingindo cerca de 400 mil veículos negociados. A informação foi antecipada pelo ministro da Fazenda, Guido Mantega, segundo dados da Agência Brasil, órgão que divulga notícias do governo federal.


Mantega disse acreditar na recuperação da indústria por meio dos estímulos de redução do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI), que, de acordo com ele, estão surtindo efeito. “No caso da indústria automobilística, ainda não foi anunciado, mas houve vendas recordes para o mês de agosto, em torno de 400 mil unidades. Os estímulos passam a fazer efeito e vão nos levar para uma trajetória melhor no segundo semestre”, declarou.


O resultado do Produto Interno Bruto (PIB) do segundo trimestre foi divulgado nesta sexta-feira (31) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). A economia brasileira cresceu 0,4% no segundo trimestre em relação aos três primeiros meses do ano.


Em relação ao segundo trimestre do ano passado, o crescimento foi de 0,5%.


Mantega culpou a crise global e as exportações mais fracas pelo mau desempenho da produção industrial, que recuou em 2,5%. De acordo com o ministro, o principal fator a prejudicar a indústria foram as exportações, que ficaram atrás das importações.


Mantega disse que o governo tem tomado medidas para melhorar o desempenho da economia, mas que ainda não tiveram impacto porque a crise econômica internacional está retardando esses efeitos.


“A redução da taxa de juros foi bastante forte, mas ainda não fez efeito porque demora de seis a nove meses para ter resultados. A indústria vai melhorar porque o câmbio já há alguns meses está em patamar mais favorável para a produção nacional.”


O ministro reforçou que o governo está criando condições para que a economia brasileira cresça, apesar da crise econômica internacional. Ele lembrou que a geração de empregos continua elevada e que, embora haja demissões, as admissões continuam em elevação. “Temos que garantir que o mercado interno seja utilizado pelas empresas brasileiras.  Estamos criando condições para elas produzirem a preços menores”.


Mantega evitou dar previsões do PIB para o ano e ressaltou que o governo faz revisões bimensais e prefere olhar para frente. “Tivemos uma desaceleração maior do que o esperado neste início de ano e agora vamos atrás da recuperação. O que posso garantir é que a economia já está em aceleração gradual. Não é nada espetacular, mas a aceleração gradual já está ocorrendo neste momento da economia”.


Ao analisar o crescimento de 0,4% no segundo trimestre, Mantega disse que quer se assegurar de que, no segundo semestre, o país volte ao patamar de crescimento de 4%.


Jornal Midiamax