Geral

Trânsito de Campo Grande mata oito pessoas por mês, aponta levantamento

Mais da metade das vítimas são motociclistas. Nesse período, foram lavrados 16 mil autos de infrações e 375 condutores foram flagrados dirigindo bêbados

Arquivo Publicado em 23/07/2012, às 19h22

None
893600432.jpg

Mais da metade das vítimas são motociclistas. Nesse período, foram lavrados 16 mil autos de infrações e 375 condutores foram flagrados dirigindo bêbados

Cinquenta e sete pessoas morreram, vítimas de acidente de trânsito em Campo Grande, de janeiro até agora, de acordo com estatísticas da Companhia Independente de Policiamento de Trânsito (Ciptran).

O número de vítimas fatais até o mês de junho é de 51 pessoas, o que dá uma infeliz estatísca de 8 pessoas por mês no primeiro semestre, sem contar com as seis pessoas que vieram a óbito só neste mês de julho.

Mais da metade, num total de 26 dessas vítimas são motociclistas, seguido de 11 pedestres, seis ciclistas, quatro motoristas e quatro passageiros de carro e moto. Esses dados também são até o mês de junho.

Esse é o total de óbitos no local do acidente e no hospital.

Mesmo com esse número expressivo, a quantidade é 42,6% menor de autores indiciados por homicídio culposo, se comparado com o primeiro semestre do ano passado.

Em 2012 são 39 homicídios em relação aos 68 de 2011, no mesmo período.

No ano passado, 132 pessoas morreram por causa de acidentes.

Até junho, a Polícia de Trânsito fez 16.587 autos de infrações e removeu 3.343 veículos entre motos, carros, bicicletas e outros. Nesse mesmo período 375 condutores foram flagrados dirigindo bêbados, sendo desses, 108 encaminhadas à delegacia.

Cinco mil oitocentos e cinquenta acidentes foram registrados nos primeiros meses. De acordo com o tenente-coronel Alírio Villasanti, o serviço de inteligência da Ciptran tem aproximadamente 30 pontos mapeados, locais onde motoristas cometem infrações, como consumir bebida alcoólica e dirigir.

O problema é que mesmo com a fiscalização, esses condutores infratores migram de local. O tenente-coronel também ressalta outros trabalhos da polícia, como a fiscalização ostensiva, campanhas e cursos de capacitação.

“Tem uma grande incidência de acidentes que ocorrem com não habilitados que não tem conhecimento nem técnica”, que segundo Villasanti, aliado com alta velocidade e bebida alcoólica contribuem com a triste estatística.

O total de condutores não habilitados flagrados foram de 2.698. Hoje a Companhia de Trânsito conta com um efetivo de 140 policiais e um total de 62 veículos, entre motos, viaturas e outros.

Jornal Midiamax