Geral

Sudeste africano alerta para a passagem do Ciclone Irina

Ventos de até 170 quilômetros por hora são esperados para a madrugada deste domingo (3) no Sudeste do continente africano. O ciclone Irina, considerado de categoria 3 (forte) está sobre o Oceano Índico e deve chegar nas próximas horas ao litoral da África do Sul e de Moçambique, região que inclui a capital Maputo e […]

Arquivo Publicado em 03/03/2012, às 13h44

None

Ventos de até 170 quilômetros por hora são esperados para a madrugada deste domingo (3) no Sudeste do continente africano. O ciclone Irina, considerado de categoria 3 (forte) está sobre o Oceano Índico e deve chegar nas próximas horas ao litoral da África do Sul e de Moçambique, região que inclui a capital Maputo e outros 27 distritos vizinhos. Em algumas áreas, o volume de chuva esperado pode chegar a 200 milímetros.


O Conselho Técnico de Gestão de Calamidades, formado por autoridades e especialistas de vários órgãos do governo moçambicano, decidiu acionar o alerta máximo para o ciclone. Isso inclui o envio de funcionários treinados para a mobilização dos moradores e a divulgação de mensagens em vários idiomas nas rádios comunitárias de pequenas aldeias e distritos litorâneos, pois apenas 25% dos moçambicanos falam português.


Segundo o meteorologista Sérgio Buque, do Instituto Nacional de Meteorologia de Moçambique, os prejuízos podem ser grandes e há risco para a população que vive perto do mar e de grandes rios da região.


“Já choveu muito este ano e o solo perdeu parte da capacidade de absorver mais água. Pode haver enchentes”, disse Buque. O governo pede que as pessoas evitem viajar, pois nas estradas pode haver quedas de barreiras e os materiais arrancados de telhados e de construções próximas podem atingir os automóveis e provocar acidentes, além da própria dificuldade de dirigir com chuvas e ventos intensos.


No período das monções do Índico, que vai de dezembro a abril, é comum a formação dos ciclones sobre o mar. Os mais fortes chegam à terra. Em 2012, dois outros ciclones provocaram destruições e enchentes, matando ao menos 40 pessoas e deixando 500 salas de aula de regiões rurais destruídas – cerca de 20 mil crianças ficaram sem aulas.

Jornal Midiamax