Geral

Rua 25 de Março registra movimento intenso na véspera do Natal

Na manhã de hoje (24), véspera do Natal, as lojas da Rua 25 de Março, maior centro de comércio popular da capital paulista, tinham movimento intenso de pessoas que deixaram as compras para a última hora. De acordo com os lojistas, o movimento nos finais de semana deste mês ficou em torno de 1,5 milhão […]

Arquivo Publicado em 24/12/2012, às 18h15

None

Na manhã de hoje (24), véspera do Natal, as lojas da Rua 25 de Março, maior centro de comércio popular da capital paulista, tinham movimento intenso de pessoas que deixaram as compras para a última hora. De acordo com os lojistas, o movimento nos finais de semana deste mês ficou em torno de 1,5 milhão de pessoas por dia.

Segundo Laerte de Souza, gerente de uma loja de artigos natalinos, a procura pelos produtos já caiu um pouco, mas mesmo assim ainda era grande. Ele contou que ontem (23) o movimento ainda foi maior. “Hoje são os mais atrasadinhos que vêm comprar e são muitas pessoas que deixam para a última hora. O artigo mais procurado aqui são s embalagens para presente, que já estão esgotadas”.

A gerente de uma loja de bijuterias, Amanda Farias, disse que apesar de todos os anos observar que as pessoas deixam as comprar para a última hora, neste ano o movimento está maior. “Tem bastante gente comprando. Nos últimos dias aumentaram bastante as vendas. Como sempre, os brasileiros deixam para comprar os presentes na última hora”.

A professora Lidiane Andrea Filane, deixou para comprar hoje o presente de uma sobrinha porque não teve tempo para adiantar as compras. “Como é um presente só, acho que é fácil comprar no último dia. E eu não tive como vir antes. Até achei que o movimento iria estar pior”. Ela percorria os corredores de uma das maiores lojas da 25 de Março e contou que prefere comprar ali por causa dos preços mais baixos e da variedade de produtos.

A cozinheira Erenilda Maria Silva Santos, disse que prefere deixar as compras para o último momento porque gosta do clima de Natal no comércio popular. “Vim comprar bonecas para três crianças. Eu costumo mesmo deixar para última hora. Gosto da agitação, me dá mais ânimo para comprar”.

Jornal Midiamax