Geral

Projeto do Instituto Arara Azul conquista prêmio nacional de inovação

Iniciativa apoiada pela Anhanguera-Uniderp concorreu com 12 finalistas da região Centro-Oeste ao prêmio FINEP. Vencedor foi revelado ontem (10), em Cuiabá, MT

Arquivo Publicado em 12/10/2012, às 15h56

None

Iniciativa apoiada pela Anhanguera-Uniderp concorreu com 12 finalistas da região Centro-Oeste ao prêmio FINEP. Vencedor foi revelado ontem (10), em Cuiabá, MT

A implantação de um sistema de coleta seletiva de lixo na cidade de Aquidauana representada pelo Projeto Arte de Fazer e Reciclar, do Instituto Arara Azul conquistou a segunda colocação na etapa regional do prêmio FINEP de Inovação 2012. O prêmio considerado o mais importante instrumento de estímulo e reconhecimento à inovação no País existe desde 1998, e foi criado para reconhecer e divulgar esforços inovadores realizados por empresas, instituições sem fins lucrativos e inventores brasileiros.


Desde 2006 o Arte de Fazer vem trabalhando para melhorar a vida dos moradores de Aquidauana e região. Na primeira etapa do projeto, um grupo de catadores independentes foi organizado. Participaram de oficinas de capacitação para o trabalho cooperativo e solidário, além de gestão do negócio. Atualmente, entre 4 e 5 toneladas de materiais deixam de ir para o aterro sanitário todos os meses, gerando renda para as famílias dos catadores.


“Estamos muito felizes, pois conquistar o reconhecimento de pesquisadores renomados na área em um premio tão importante nacionalmente é um indicativo de que estamos no caminho certo, contribuindo para um mundo sustentável por meio da melhora da relação entre homem e preservação da natureza”, explica a coordenadora do projeto, Neiliane Corrêa.


O projeto propicia ainda a realização de oficinas de artesanato que, a partir da utilização de materiais recicláveis, contribui para aumento da renda dos catadores e de outras pessoas que participam da iniciativa. O núcleo de artesãos produz materiais com resíduos de couro, como bolsas, cintos e carteiras. Há também um núcleo de produção de sabões e sabonetes artesanais, líquidos e sólidos, utilizando como matéria prima o óleo usado de cozinha. Outro produto de sucesso é o puff de garrafas pet. Os grupos de artesãos realizam compras e vendas de forma coletiva, participando de feiras e eventos.


Presidente do Instituto Arara Azul, a pesquisadora e professora do Mestrado da Anhanguera-Uniderp, Neiva Guedes diz que ser finalista do prêmio FINEP já uma vitória. “Fomos avaliados por outros pesquisadores e estar concorrendo na fase final já é por sim só uma forma de sermos premiados. O Arte de Fazer e Reciclar é um filhote do projeto Arara Azul e, para nós, é muito prazeroso ver que esses frutos estão no caminho certo, tendo sua qualidade reconhecida pelos nossos pares”, contribuiu a pesquisadora.


Instituto Arara Azul – Arte de Fazer e Reciclar: Criado em setembro de 2003 o Instituto Arara Azul é uma instituição sem fins lucrativos, que surgiu com o objetivo principal de respaldar o Projeto Arara Azul (que atua desde 1990), realizando os estudos e manejos para a conservação dessa ave. Em mais de 20 anos de trabalho, um dos principais resultados é a expansão da população de Arara-azul que dobrou na área monitorada. Desde 2006 o Instituto Arara Azul executa o Projeto Arte de Fazer e Reciclar como uma ferramenta para envolver as comunidades urbanas com as causas ambientais, fomentando a cultura da conservação ambiental. Desde seu início, cerca de 600 pessoas já participaram do projeto, nas oficinas de artesanato com aproveitamento de resíduos.


O projeto é patrocinado pelo Programa Petrobras Desenvolvimento e Cidadania e tem como parceiros a Fundação Toyota do Brasil, Governo Municipal de Aquidauana, Universidade Anhanguera-Uniderp, Fundação Manoel de Barros, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS), Centro de Pesquisas do Pantanal (CPP), Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul (UEMS) e Fundação Municipal de Cultura (Fundaq).

Jornal Midiamax