Geral

Programa melhora rebanho bovino nos assentamentos de Corumbá

Melhoramento do rebanho bovino em menor tempo e a um baixo custo com utilização de sêmen de reprodutores selecionados. É isto que busca um grupo de 17 pequenos produtores rurais de Corumbá que aderiu a um programa de apoio à bacia leiteira, iniciado esta semana na região do Assentamento Taquaral, por meio dos projetos Vaca […]

Arquivo Publicado em 30/08/2012, às 12h43

None
960154914.bmp

Melhoramento do rebanho bovino em menor tempo e a um baixo custo com utilização de sêmen de reprodutores selecionados. É isto que busca um grupo de 17 pequenos produtores rurais de Corumbá que aderiu a um programa de apoio à bacia leiteira, iniciado esta semana na região do Assentamento Taquaral, por meio dos projetos Vaca Móvel, Rufião e Agromóvel, desenvolvido pelo IBS (Instituto BioSistêmico), de São Paulo, por meio de uma parceria envolvendo a Prefeitura Municipal e o Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Mato Grosso do Sul (Sebrae-MS).


O programa foi apresentado em junho aos produtores e, esta semana, passou ser desenvolvido em 17 pequenas propriedades rurais pertencentes a criadores de gado, interessados em melhorar o rebanho, com ganho direto na produção leiteira. Neste primeiro momento, está sendo executado o projeto Rufião, que permite um diagnostico de gestação e manejo sanitário do rebanhp, visando obter um maior índice de fertilidade com menor intervalo entre partos.


O trabalho está sendo realizado pelo médico veterinário Carlos Leite Junior, contratado pelo IBS que, por meio da ultrassonografia, está repassando aos produtores, um diagnóstico de gestação das vacas, “programando o gado para a inseminação artificial, apurando a qualidade genética do gado, ára melhorar a produção leiteira”, destacou.


Com a utilização de um aparelho de ultrassom, o médico veterinário está podendo diagnosticar de forma precoce, a gestação da vaca, já preparando o animal para a inseminação. Na manhã de quarta-feira (29), Carlos Leite Junior trabalhou 17 vacas na propriedade de José Dilson de Jesus Vieira, 36 anos. No final, detectou que oito estão em condições de receber inseminação artificial e outras nove estão prenhas, de dois a seis meses.


Dílson mora com a mãe, Izaulina Rosa de Jesus, de 76 anos, proprietária de cinco das 17 vacas, das quais, quatro em condições de passar pelo processo de inseminação. Junior entregou o diagnóstico ao produtor e orientou-o sobre como deve se proceder a partir de agora, preparando o animal para a inseminação. “O primeiro passo é separar a vaca do touro, além de cuidar da alimentação”, observou para, em seguida, lembrar que em outubro, acontece a segunda etapa, que será a inseminação articificial dos animais já previamente cadastrados.


Qualidade do rebanho


Carlos Leite Junior destacou que o programa visa a melhoria genética do rebanho e que, pela primeira vez, é desenvolvido nos assentamentos de Corumbá. “Já trabalho grandes propriedades rurais desde 2008, mas somente agora estamos iniciando nos assentamentos. Isto será muito bom para os pequenos produtores, já preparando para melhorar a produção leiteira”, observou.


O veterinário comentou que nesta primeira etapa, está sendo desenvolvido o projeto Rufião. O trabalho será concluído nesta quinta-feira. Após isto, as vacas cadastradas serão preparadas para a inseminação prevista para outubro. O sêmen utilizado na região será de reprodutores girolando.

Jornal Midiamax