Geral

PM alerta para distribuição de notas falsas no comércio de Coxim

Nesta quinta-feira (07), a Polícia Militar foi acionada para recolher duas notas falsas, de R$ 20,00, no comércio de Coxim, região norte de Mato Grosso do Sul. O fato despertou a preocupação da polícia, que pede para os comerciantes tomarem todos os cuidados necessários para evitar prejuízos, principalmente neste mês, quando o volume de dinheiro […]

Arquivo Publicado em 07/12/2012, às 13h00

None
1445582469.jpg

Nesta quinta-feira (07), a Polícia Militar foi acionada para recolher duas notas falsas, de R$ 20,00, no comércio de Coxim, região norte de Mato Grosso do Sul.


O fato despertou a preocupação da polícia, que pede para os comerciantes tomarem todos os cuidados necessários para evitar prejuízos, principalmente neste mês, quando o volume de dinheiro no comércio é maior por conta das festividades de fim de ano.


O comerciante Genar Pereira de Oliveira, de 60 anos, que foi vítima duas vezes da mesma pessoa, um homem moreno claro, trajando bermuda e camiseta de listras azuis.


No período da manhã o homem foi até sua garaparia e comprou um refrigerante, pagando com uma nota de R$ 20,00.


À tarde o falsário retornou e pediu outro refrigerante, também pagou com nota de R$ 20,00. Em ambas às vezes, o comerciante devolveu o troco de R$ 17,50, com prejuízo de R$ 35,00, além dos dois refrigerantes.


Alerta – A Polícia Militar alerta que neste período os falsários e estelionatários intensificam suas atividades. Todo cuidado é pouco. Ao pegar notas é sempre bom verificar os itens de segurança, na nota de R$ 20,00 existem mais de 10 itens de segurança, entre faixa holográfica, marca d’água, fibras coloridas, fundos especiais, impressão em alto relevo, imagem latente, marca tátil, entre outras.


O comerciante deve acionar a polícia ao perceber que pode ser vítima de um golpe. O ideal seria manter o falsário no comércio até a chegada da Polícia Militar, mas, se não conseguir, o comerciante também pode monitorar o mesmo, desde que isso não coloque em risco a integridade física do comerciante, funcionários e clientes que possam estar no estabelecimento.

Jornal Midiamax