Geral

Pastora suspeita de estelionato consegue mudar do aluguel para casa de R$ 500 mil

A pastora conheceu uma idosa de 80 anos e, em dois anos, sua vida mudou. Ela saiu de uma edícula alugada no Jardim Imperial para uma casa avaliada em mais de meio milhão de reais na Vila Célia.

Arquivo Publicado em 20/01/2012, às 12h44

None
566384885.jpg

A pastora conheceu uma idosa de 80 anos e, em dois anos, sua vida mudou. Ela saiu de uma edícula alugada no Jardim Imperial para uma casa avaliada em mais de meio milhão de reais na Vila Célia.

J. de S., de 51 anos, é pastora da Igreja Pentecostal Unidos Pela Fé, que fundou há nove anos. Neste tempo, ela saiu uma edícula alugada no bairro Jardim Imperial para uma residência no valor de R$ 535 mil, na Vila Célia, bairro nobre de Campo Grande.

A casa, com sistema de câmeras, piscina, churrasqueira e sacada seria doação de uma seguidora da seita, uma idosa de 80 anos, que além da casa, passou procurações e um veículo Corsa, para venda no nome da pastora.

De acordo com o delegado Miguel Said, da 1ª DP, a pastora será indiciada por estelionato e crime contra o idoso, de acordo com o Estatuto do Idoso, Lei 10.741/2003.

“Os irmãos estranharam ela ter vendido outros imóveis para comprar esta casa e doar a pastora. A amizade das duas é recente, de menos de três anos e elas se conheceram por meio de terceiros. Segundo a vítima, toda vez que a pastora a encontrava, dizia que havia demônios na casa dela e que precisava de ‘fazer trabalhos'”, conta o delegado.

O caso foi parar no GAECO (Grupo de Repressão ao Crime Organizado) e a partir a 1° D.P. (Delegacia de Polícia) começou as investigações. “Com poucos fiéis, ela mudava de uma lado para o outro até conhecer a vítima, na penúltima sede da sua igreja. Em depoimento, a pastora alega que não vê nada de errado em uma doação, de acordo com a sua crença religiosa”, diz o delegado.

A equipe do Midiamax foi até a residência da suspeita, mas o marido não quis conversar e disse que J. de S., está viajando e retornará na próxima semana. O local é ocupado pela pastora, marido e duas filhas. 

Matéria editada às 12h50 para acréscimo de informações

Jornal Midiamax