Geral

Palmeiras supera ausência de um camisa 9 e vence o Bragantino por 2 a 1 na estreia

Em tarde inspirada de Valdivia, o Palmeiras superou a ausência de um camisa 9 e venceu o Bragantino por 2 a 1, fora de casa, na tarde deste domingo. Coube a Maikon Leite sair do banco e marcar o gol da vitória aos 39min. Leandro Amaro abriu o placar e Wellington, em cobrança de pênalti, […]

Arquivo Publicado em 22/01/2012, às 21h26

None
360195254.jpg

Em tarde inspirada de Valdivia, o Palmeiras superou a ausência de um camisa 9 e venceu o Bragantino por 2 a 1, fora de casa, na tarde deste domingo. Coube a Maikon Leite sair do banco e marcar o gol da vitória aos 39min. Leandro Amaro abriu o placar e Wellington, em cobrança de pênalti, balançou as redes para o time do interior.


Sem Luiz Felipe Scolari, que cumpriu suspensão, Flávio Murtosa comandou a equipe. O auxiliar demorou para mexer na equipe. Maikon Leite entrou somente aos 37min do segundo tempo e dois minutos depois fez de cabeça o gol salvador.


Valdivia foi o principal nome da partida. Deixou Ricardo Bueno na cara do gol duas vezes, porém o centroavante mostrou que não tem condições de ser titular. Dos pés do chileno surgiu a assistência para Maikon Leite garantir os três pontos.


O primeiro gol do Verdão na edição de 2012 do Estadual ocorreu logo aos 6min. Assunção cruzou na área, a defesa do Braga vacilou e o zagueiro Leandro Amaro cabeceou no canto, sem chances de defesa para Rafael Santos.


A bola aérea funcionou para os dois lados. Foi também a principal arma do Bragantino. Aos 25min, Bruno realizou boa defesa após cabeçada de Astorga.


Atrás no placar, os donos da casa passaram a ter mais volume de jogo, enquanto o time da capital explorou os contragolpes. E foram dos palmeirenses as melhores jogadas ofensivas, principalmente as que iniciaram nos pés de Valdivia. Porém, faltou precisão no arremate final.


“Estamos ganhando, é manter a calma e continuar jogando. Estou bem, estou bem, mas tem que melhorar”, comentou o meia chileno, no intervalo.


“Pelo domínio de bola e de jogo, dá para fazer os gols no segundo tempo. O empate seria justo. Está 1 a 0 para eles numa bobeira nossa, bateram rápido e estávamos desguarnecidos”, observou o capitão Astorga.


O panorama do confronto pouco mudou na volta para o segundo tempo. Aos 14min, Cicinho cometeu um pênalti infantil, quase em cima da linha lateral da área. Wellington bateu bem e igualou o placar.


Na sequência, Valdivia deixou Ricardo Bueno na cara do gol, porém o camisa 9 mandou por cima do gol, para irritação dos palmeirenses.


Aos 20min, mais um lance de perigo com origem nos pés de Assunção. Em cobrança de falta, o volante jogou a bola na área e Valdivia cabecou. Rafael Santos voou para espalmar.


Quando tudo dava a crer que o time de Palestra Itália conquistaria apenas um ponto, a defesa do Braga deu bobeira, Valdivia se livrou da marcação e mandou a bola na cabeça de Maikon Leite, que só teve o trabalho de concluir para o gol vazio.


Jornal Midiamax