Geral

Pai e filho são condenados por homicídio em Mundo Novo

Sentados no banco dos réus nesta sexta-feira (2), no júri popular, em Mundo Novo, pai e filho foram condenados pelo assassinato de Henrique Mendonça, ocorrido na madrugada do dia 17 de setembro de 2010. O pai, um pintor de 48 anos, foi condenado a 17 de reclusão e o filho, de 22 anos, terá que […]

Arquivo Publicado em 03/03/2012, às 11h34

None
215737422.jpg

Sentados no banco dos réus nesta sexta-feira (2), no júri popular, em Mundo Novo, pai e filho foram condenados pelo assassinato de Henrique Mendonça, ocorrido na madrugada do dia 17 de setembro de 2010.


O pai, um pintor de 48 anos, foi condenado a 17 de reclusão e o filho, de 22 anos, terá que cumprir pena de mais 22 e mais 16 dias/multa cada um.


O advogado de defesa negou a autoria dos clientes, diante da confissão de um jovem, que está preso em Guaíra (PR). Ele assumiu durante depoimento prestado em plenário a autoria do homicídio e disse que é dono das armas encontradas na casa do pintor.


Porém, as afirmativas foram evasivas e não convenceram os jurados, que seguiram o raciocínio do representante do Ministério Público. A dupla é investigada também por outros homicídios ocorridos em Mundo Novo e que envolvem, em sua maioria, usuários de drogas.


Caso


Henrique Mendonça foi baleado na madrugada do dia 17 de setembro de 2010, em uma lanchonete na Avenida Jk, próxima a um posto de combustível. Quando a polícia e os bombeiros chegaram ao local, a vítima, que tinha sido alvejada por vários disparos de pistola nove milímetros, já tinha morrido.


Testemunhas informaram que Henrique estava tomando cervejas com alguns amigos, quando dois homens chegaram ao local de motocicleta e, sem tirar o capacete, o indivíduo que estava na garupa desceu atirando contra a vítima.


A polícia descobriu os autores e encontrou três armas no forro na casa do pintor, inclusive a pistola utilizada na execução. Ambos foram reconduzidos ao presídio de Dois Irmãos do Buriti, distante cerca de 700 quilômetros de Mundo Novo, onde já estavam presos há alguns meses, por questões de segurança.

Jornal Midiamax