Geral

PAC Saúde é reivindicado a Dilma por deputado Takimoto

Em indicação enviada pela Mesa Diretora da Assembleia Legislativa à presidenta Dilma Roussef (PT), o deputado estadual George Takimoto (PSL) propôs ao governo federal a criação, para a saúde pública do País, de um programa semelhante ao Plano de Aceleração do Crescimento. De acordo com Takimoto, o PAC Saúde é viável e sua implantação se […]

Arquivo Publicado em 05/10/2012, às 13h36

None

Em indicação enviada pela Mesa Diretora da Assembleia Legislativa à presidenta Dilma Roussef (PT), o deputado estadual George Takimoto (PSL) propôs ao governo federal a criação, para a saúde pública do País, de um programa semelhante ao Plano de Aceleração do Crescimento. De acordo com Takimoto, o PAC Saúde é viável e sua implantação se faz necessária com a máxima urgência, diante do caos que toma conta do setor em todo o território nacional.


Ao justificar sua proposta, ele destacou o acerto governamental ao estabelecer o formato do PAC, com critérios de planejamento e execução que garantiram a amplitude e a eficiência do programa nos investimentos em infraestrutura. “Trata-se de programa bem sucedido, que contribuiu para aumentar os postos de trabalho, garantindo emprego e renda aos brasileiros e tornando o Brasil competitivo no ranking dos países mais desenvolvidos”, acentuou.


Para Takimoto, o quadro da saúde pública é o contraponto negativo no cenário do crescimento nacional. “Em uma visão humanista da sociedade, não se admite o padecimento de pessoas por falta de atendimento médico e hospitalar, tampouco a morte, quando inevitável, sem dignidade e sem a atenção dos serviços da saúde pública. Isso não combina com um país estruturado, industrializado, economicamente estabilizado”, argumenta.” Nossos hospitais públicos urgem por reformas, estão em sua grande maioria deteriorados pela ação do tempo, são insalubres e não comportam a demanda de pacientes. Como se não bastassem os problemas estruturais, os hospitais da rede pública, principalmente, não possuem equipamentos adequados para o atendimento à saúde da população, e os que existem estão sucateados”, acrescenta.


Takimoto observa que o atendimento da rede pública também é prejudicado por causa da falta de melhor remuneração aos profissionais e cobra a valorização salarial e trabalhista para o pessoal. Ao concluir, cita que a Emenda 29 não supriu as expectativas e “está longe de ser uma solução para os conhecidos e antigos problemas da saúde Pública”. A seu ver, só um PAC Saúde responderia com eficácia a esses desafios.

Jornal Midiamax