Geral

Motoristas de distribuidoras afirmam que nova lei prejudica entrega de combustível em MS

Via GPS (rastreador via satélite), motoristas contam que estavam sendo fiscalizados pela transportadora e que a medida era necessária para adaptar os motoristas a nova lei e assim isentar as transportadoras de multa ou até cassação da licença de funcionamento, em caso de reincidência.

Arquivo Publicado em 31/07/2012, às 15h03

None
578781943.jpg

Via GPS (rastreador via satélite), motoristas contam que estavam sendo fiscalizados pela transportadora e que a medida era necessária para adaptar os motoristas a nova lei e assim isentar as transportadoras de multa ou até cassação da licença de funcionamento, em caso de reincidência.

A partir desta terça-feira (31), já estão sendo fiscalizados os motoristas que não cumprirem a Lei Federal 12.619, que prevê o descanso de meia hora a cada quatro horas de viagem nas rodovias de todo o país. Porém, meses antes da lei entrar em vigor, motoristas de transportadoras afirmam terem sido obrigados a cumprirem a medida, o que segundo a categoria, acarretou no atraso da entrega de combustível em todo o Mato Grosso do Sul.



Via GPS (rastreador via satélite), motoristas contam que estavam sendo fiscalizados pela transportadora e que a medida era necessária para adaptar os motoristas a nova lei e assim isentar as transportadoras de multa ou até cassação da licença de funcionamento, em caso de reincidência.


“Já faz cinco meses que estávamos sendo bloqueados de andar nas rodovias. Muitos param para o descanso obrigatório e a carga chega de comboio, de Paulínia (SP) para a distribuidora BR em Campo Grande”, afirma o motorista Osmar Leandro, que trabalha há 34 anos na entrega da carga.


Com Osmar, mais 50 caminhoneiros aguardavam na fila de espera, na manhã de hoje, para entregar a carga à distribuidora, localizada na Vila Eliane, saída para Aquidauana, em Campo Grande.


“Esperamos na estrada por conta da lei e agora ficamos de plantão aqui novamente. Só para passar pela guarita e entregar o combustível demora mais de três horas”, conta o motorista Pedro Antônio, 52 anos, que trouxe hoje a Campo grande 44 mil litros.


Transportadoras temem multa, diz presidente


Em entrevista recente ao Midiamax, no dia do motorista, o presidente do Sindicato de Transporte de Cargas, Raimundo Nonato Ribeiro afirmou que, ao mesmo tempo em que a pressão existe para o motorista entregar a carga no prazo, também as transportadoras temem ser multadas.


A multa para o descumprimento da lei é de R$ 123 e cinco pontos na carteira, de acordo com o inspetor da PRF (Polícia Rodoviária Federal), Tércio Baggio.

Jornal Midiamax