Geral

Morre a atriz Regina Dourado, aos 59 anos

A atriz baiana Regina Dourado, 59, que estava internada no Hospital Português desde sábado, 20, morreu às 11h20 deste sábado, 27, em decorrência de complicações de um câncer. O corpo da atriz será cremado neste domingo, 28, no Cemitério Jardim da Saudade, em Salvador. O horário ainda não foi informado. De acordo com o irmão, […]

Arquivo Publicado em 27/10/2012, às 15h46

None
1728602393.jpg

A atriz baiana Regina Dourado, 59, que estava internada no Hospital Português desde sábado, 20, morreu às 11h20 deste sábado, 27, em decorrência de complicações de um câncer. O corpo da atriz será cremado neste domingo, 28, no Cemitério Jardim da Saudade, em Salvador. O horário ainda não foi informado.


De acordo com o irmão, o músico e fotógrafo, Oscar Dourado, o estado de saúde de Regina se agravou depois que foi diagnosticada a metástase (quando as células cancerosas se disseminam pela corrente sanguínea e formam colônias em outros locais).


“Regina há tempos vem batalhando contra o câncer que, infelizmente desta vez, atingiu a medula óssea”, afirmou o irmão, abalado. Em 2010, a mãe da atriz , também chamada Regina, de 92 anos, morreu enquanto estava internada no Hospital Roberto Santos.


O embate de Regina com a doença não é de hoje. Em 2003, a intérprete se submeteu a intervenção cirúrgica para a retirada do primeiro nódulo na mama direita. O tumor foi extirpado, mas novo tumor apareceria.


No início de 2010, no mesmo hospital, Regina retirou um câncer na mama esquerda. Sessões de quimioterapia e radioterapia foram enfrentadas corajosamente pela intérprete, que trabalhou pela última vez como a personagem Maria (Mãe de Deus), este ano, no espetáculo A Paixão de Cristo, direção de Paulo Dourado (irmão de Regina).


Na ocasião declarou:” É maravilhoso fazer, principalmente depois da reação popular do ano passado, da multidão que foi à Concha Acústica. É importante para a família, para a cultura espiritual”.


Trajetória – Regina Dourado, nascida em 22 de agosto de 1953 atuou no cinema, TV e teatro. Aos 15 anos iniciou no teatro na Companhia Baiana de Comédia, uma companhia de repertório em Salvador. Na adolescência passa a lecionar dança e ainda, sem atingir a maioridade, presenta um programa de televisão, na época exibido na TV Aratu, que nesta época era da Rede Globo.


No Rio de Janeiro, faz sua estréia na TV Globo em 1978, no especial “Quincas Berro D’água”, ao lado de Paulo Gracindo. Pai Herói foi a sua primeira novela na Globo.


Seguiram-se outras novelas e minisséries da emisssora, a exemplo de Pão Pão, Beijo Beijo, Tropicaliente, Renascer, Anjo Mau, O Rei do Gado, Explode Coração e América . Na Record, entre outras, participou das novelas Bicho do Mato e Caminhos do Coração. Já na Bandeirantes fez ” Cavalo Amarelo” e ” Rosa Baiana.


No Cinema, a intérprete trabalhou nos filmes Baiano Fantasma, de Denoy de Oliveira ao lado de José Dumont, “Espelho d’Água – Uma Viagem no Rio São Francisco,” de Marcis Vinicius Cezar, “Tigipió – Uma questão de Amor e honra”, de Pedro Jorge de Castro, “Corisco & Dada”, de Rosemberg Cariry e “Corpo em Delito”, de Nuno Cesar de Abreu e ” No Coração dos Deuses” de Geraldo Moraes, entre outros.


Versátil, trabalhou , nos musicais “Vidigal, Memórias de Um Sargento de Milícias”, do Millôr Fernandes, no Rio de Janeiro, e “Tratado Geral da Fofoca”, de José Angelo Gaiarça, em São Paulo. Com o irmão e diretor Paulo Dourado, além de A Pa ixão de Cristo, Regina atuou em outro espetáculo épico: Rei Brasil.

Jornal Midiamax