Geral

Mercadante admite possibilidade de assumir Ministério da Educação

O ministro da Ciência, Tecnologia e Inovação, Aloizio Mercadante, começa a admitir publicamente a possibilidade de trocar de endereço na Esplanada dos Ministérios e se tornar o novo ministro da Educação, assumindo o lugar de Fernando Haddad, que deve sair do governo para ser candidato à prefeitura de São Paulo. Mercadante participou nesta quinta-feira do […]

Arquivo Publicado em 05/01/2012, às 15h12

None

O ministro da Ciência, Tecnologia e Inovação, Aloizio Mercadante, começa a admitir publicamente a possibilidade de trocar de endereço na Esplanada dos Ministérios e se tornar o novo ministro da Educação, assumindo o lugar de Fernando Haddad, que deve sair do governo para ser candidato à prefeitura de São Paulo.

Mercadante participou nesta quinta-feira do programa de rádio Bom Dia, Ministro. Ao ser perguntado sobre a eventual ida para o Ministério da Educação (MEC) e seus planos para a área, o ministro não afastou a possibilidade. “Eu tenho visto todas essas informações na imprensa, mas vamos aguardar a reforma ministerial. Eu prometo a você que, se isso acontecer, e é possível que aconteça, eu estarei aqui à disposição e nós poderemos discutir a pasta da Educação.”

Cauteloso, Mercadante lembrou que a nomeação “só vale depois que estiver no Diário Oficial” e lembrou que “quem indica ministro é a presidenta da República”. Ele fez questão de salientar ainda que a responsabilidade da agenda da Educação é do atual ministro Fernando Haddad. “Eu só falo da minha pasta que é Ciência, Tecnologia e Inovação.”

Após o programa, em conversa com os jornalistas, Mercadante falou em ¿convidar para assistir a posse¿ a professora Marinalva Imaculada Cuzin, atual coordenadora de educação de Jovens e Adultos da Fundação Municipal para Educação Comunitária (Fumec) de Campinas (SP).

Mercadante conheceu Marinalva quando lecionou na Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). Marinalva era faxineira do cursinho pré-vestibular do Diretório Central dos Estudantes (DCE) da Unicamp, em 1996, quando resolveu voltar a estudar. Ela fez graduação em pedagogia e hoje tem doutorado.

O caso dela foi citado por Mercadante durante o programa de rádio para exemplificar que há pessoas talentosas em vários estratos da sociedade, no entanto, os mais pobres não competem em igualdade de condições. Segundo ele, o programa Ciência sem Fronteiras (que concede bolsas de estudos no exterior e é executado em parceria pelas pastas de Mercadante e Haddad) reverte isso ao definir como critério a nota no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). “Agora não é só o filho de rico que vai estudar lá fora.”

Na avaliação do ministro, “existe muita sinergia entre educação, ciência e tecnologia”. Ele elogiou a atuação de Haddad no MEC e disse que para avançar no campo de ciência e tecnologia, o país “precisa investir na educação básica, desde a educação infantil, dar qualidade ao ensino, formar os professores e motivar os alunos”. Mercadante acredita que o maior desafio na educação no país é melhorar a qualidade do ensino.

Nos próximos dias, ele deverá anunciar a instalação de três mil pluviômetros manuais em comunidades mais vulneráveis à chuva e a instalação de outros três mil pluviômetros automatizados nas torres de celulares para melhorar a previsão de chuvas. A vantagem das torres é que elas já dispõem de energia e fibra ótica para transmissão de informações.

Jornal Midiamax