Geral

Médicos suspendem atendimento a clientes de plano de saúde por uma semana em MS

Quem tem consultas marcadas deve entrar em contato com a operadora do plano de saúde para remarcar ou ser ressarcido

Arquivo Publicado em 10/10/2012, às 13h25

None
742983387.jpg

Quem tem consultas marcadas deve entrar em contato com a operadora do plano de saúde para remarcar ou ser ressarcido

As consultas médicas por plano de saúde estão suspensas de hoje até o dia 17 de outubro, em Campo Grande. A paralisação é um protesto da classe que pleiteia aumento no repasse das operadoras de planos de saúde aos profissionais. Atendimentos de urgência e emergência continuam normalmente, mas quem tinha consulta marcada para os próximos dias deve procurar sua operadora para remarcar ou pedir o ressarcimento, ou entrar em contato com a Agência Nacional de Saúde (ANS).

Na manhã de hoje, representantes dos médicos se reuniram para explicar o motivo da paralisação. “Os planos de saúde aumentaram em 200% os valores, enquanto o reajuste foi de 60%. Hoje uma consulta de raio-X do seio da face o plano paga R$ 24, o preço de uma entrada de cinema. Tem consultas que o plano paga R$ 8, o valor da recarga mínima de celular. É muito baixo”, comentou Alberto Cubel Brull Júnior, vice-presidente do CRM/MS (Conselho Regional de Medicina).

No Estado, a paralisação segue até a próxima quarta-feira (17), diferente da mobilização nacional que continua até o dia 25 de outubro. De acordo com as entidades de classe, não há possibilidade de que o prazo seja prorrogado em Mato Grosso do Sul. Porém, caso não tenha negociação a paralisação pode ocorrer em nova data.

“Não dá pra continuar no patamar que está, pois esse valor baixo, e pode prejudicar os pacientes. Além disso, ainda não temos reunião marcada com as operadoras. Hoje a média por consulta é de R$ 60, mas queremos o mínimo de R$ 80”, afirmou o presidente do SinMed/MS (Sindicato dos Médicos), Marco Antônio Leite.

Atuam em Mato Grosso do Sul quatro grandes operadoras de plano de saúde: Cassems, Conserv, Funserv e Unimed. De acordo com os representantes, algumas especialidades já pensam em deixar de atender clientes de plano de saúde pelo baixo repasse. Eles afirmam que o valor é ínfimo com relação a responsabilidade do profissional e seus estudos.

Participou ainda da reunião a Amms (Associação Médica). O retorno dos atendimentos ocorre no dia 18 de outubro, no Dia do Médico, marco para a classe. As reivindicações são pelo reajuste de honorários e fim da relação anti-ética na relação médico paciente, entre outras.

Jornal Midiamax