Geral

Líder do PSD diz que decisão do Supremo prejudica a legenda

O líder do PSD na Câmara, deputado Guilherme Campos (SP), disse que a decisão do ministro Ayres Britto, do Supremo Tribunal Federal (STF), ao negar a liminar pedida pelo PSD, vai prejudicar a legenda, que pleiteava presidir duas comissões da Câmara. “Respeitamos essa decisão de hoje do ministro Ayres Britto, negando a liminar. Achamos que […]

Arquivo Publicado em 01/03/2012, às 00h07

None

O líder do PSD na Câmara, deputado Guilherme Campos (SP), disse que a decisão do ministro Ayres Britto, do Supremo Tribunal Federal (STF), ao negar a liminar pedida pelo PSD, vai prejudicar a legenda, que pleiteava presidir duas comissões da Câmara.


“Respeitamos essa decisão de hoje do ministro Ayres Britto, negando a liminar. Achamos que para nós é algo que nos prejudica, sem dúvida, mas o pedido de informações a presidência da Câmara dos Deputados é natural. Vimos isso com muita naturalidade”.


Segundo Guilherme Campos, o objetivo do pedido de liminar para o reconhecimento da proporcionalidade da bancada do PSD era para que não fossem instaladas as comissões técnicas da Câmara. O líder disse que se no julgamento do mérito, o STF for favorável ao pleito do partido, a composição das comissões terá que ser refeita. “Nós temos o direito de exercer nosso mandato na plenitude”.


O líder do PT, deputado Jilmar Tatto (SP), gostou da decisão do Supremo. “De nossa parte não muda nada. Se o PSD tivesse ganhado mudaria. Vamos seguir o que o STF está determinando. É um direito do PSD reivindicar”.


O líder do PPS na Câmara, deputado federal Rubens Bueno (PR), classificou como acertada a decisão. “Como o próprio ministro frisou em sua decisão, o partido não passou pelo teste das urnas e, por isso, não pode reivindicar o mesmo direito das outras legendas que tiveram a aprovação dos eleitores. O PPS defende ainda que o PSD não tenha acesso ao tempo de TV e ao fundo partidário. Primeiro precisa disputar eleição”.

Jornal Midiamax