Geral

Juízes de Mato Grosso do Sul recebem do CNJ aeronaves apreendidas do tráfico de drogas

As aeronaves, vindas do programa Espaço Livre Aeroportos, servirão para uso compartilhado entre Poder Judiciário e Secretarias de Segurança Pública

Arquivo Publicado em 30/07/2012, às 18h40

None
725363888.jpg

As aeronaves, vindas do programa Espaço Livre Aeroportos, servirão para uso compartilhado entre Poder Judiciário e Secretarias de Segurança Pública

O presidente do TRE-MS (Tribunal Regional Eleitoral de Mato Grosso do Sul), desembargador Josué de Oliveira, e o juiz auxiliar da presidência do TJ-MS (Tribunal de Justiça do Estado), Carlos Alberto Garcete Almeida, participaram nesta segunda-feira (30) da entrega de aeronaves em Brasília. Os aviões fazem parte do programa Espaço Livre Aeroportos e tem como objetivo dar destinação as aeronaves apreendidas do tráfico de drogas.

A corregedora do CNJ (Conselho Nacional de Justiça), ministra Eliana Calmon, entregou a 16 aviões de pequeno porte – sendo 13 do tráfico de drogas – a 11 Estados. Mato Grosso do Sul recebeu três aeronaves sendo um Baron 55 (prefixo PT-KPG), um Cessna 206 (prefixo PP-JHC) e um Baron 58 UTI (prefixo PR-FPG).

Esta última, com Unidade de Tratamento Intensivo, é do projeto Samu Aeromédico, em parceria com o Ministério da Saúde. De acordo com o juiz auxiliar da Corregedoria do CNJ, Marlos Melek, a aeronave do SUS deve começar a funcionar a partir de 25 de agosto e é um projeto piloto para todo o Brasil.

“Creio que nós estamos fazendo muito mais do que colocar bens que eram do crime organizado a serviço da Justiça; nós estamos também inaugurando uma nova forma de gestão, onde o Poder Judiciário, se mostra proativo e unido a outros órgãos federais para combater o crime organizado”, afirmou a corregedora.

O presidente do TJ-MT (Tribunal de Justiça do Mato Grosso), desembargador Rubens Oliveira Santos Filho, foi o porta-voz dos Tribunais brasileiros. Para ele, as aeronaves trarão mais celeridade às operações de combate ao crime e também às inspeções das Corregedorias de Justiça. “Uma grama de ação vale mais do que uma tonelada de teoria”, afirmou, citando o filósofo alemão Friedrich Engels.

Jornal Midiamax