Geral

Jovens vendiam drogas e usavam ‘porrete’ para a segurança em Ladário

A Polícia Civil de Ladário, em parceria com o 6º Batalhão da Polícia Militar, encaminhou à Delegaciaseis jovens com idades entre 15 e 19 anos, sendo três adolescentes. Eles foram flagrados na Alameda Marechal Floriano, no bairro Boa Esperança, nesta quinta-feira, 26 de julho, com 19 papelotes de pasta base de cocaína, 4 aparelhos de […]

Arquivo Publicado em 27/07/2012, às 12h22

None
1127304201.bmp

A Polícia Civil de Ladário, em parceria com o 6º Batalhão da Polícia Militar, encaminhou à Delegaciaseis jovens com idades entre 15 e 19 anos, sendo três adolescentes. Eles foram flagrados na Alameda Marechal Floriano, no bairro Boa Esperança, nesta quinta-feira, 26 de julho, com 19 papelotes de pasta base de cocaína, 4 aparelhos de telefone celular, a quantia de R$ 25,00 e um “porrete” de madeira, com pedaços de prego, que era utilizado para a própria “segurança” do grupo.


De acordo com o delegado titular da delegacia ladarense, Enilton Zalla, uma equipe da Polícia Civil estava em investigação pela redondeza quando, através de uma denúncia anônima, flagrou os jovens reunidos no final da Alameda e com os papelotes de drogas. “Ao serem abordados pelos policiais, todos disseram que não estavam fazendo nada e que não vendiam drogas, porém, um adolescente de 17 anos, confessou ser o dono dos papelotes. É comum esse tipo de situação, em que o autor, maior de 18 anos, se isenta da culpa e deixa toda a responsabilidade por conta do menor de idade”, enfatizou o delegado.


“A região onde os jovens foram flagrados é conhecida por ser um ponto onde há venda de drogas. Possivelmente, eles são os famosos aviõezinhos, ou seja, eles pegam a droga na boca de pó, em pequenas quantidades, e saem para revender nas ruas. Assim, não chamam tanta atenção. O que reforça essa característica foi a quantia em dinheiro encontrada e o número de substâncias, o que comprovava que o grupo estava vendendo a droga”, salientou.


“A droga era minha, não comprei de ninguém. Comprei na Bolívia. Foi a primeira vez que fiz isso”, disse o adolescente de 17 anos, ao ser questionado sobre o envolvimento dos outros comparsas.


Na Delegacia, foi constatado que a maioria dos jovens já tinha passagens policiais por outras práticas criminais como roubo, assalto a mão armada, furto, porte de arma de fogo, disparo de arma de fogo e agressão.


“O menor que assumiu a propriedade da droga será indiciado em flagrante por tráfico de drogas e encaminhado à Unidade Educacionalde Internação (Unei). Apesar dos demais não terem assumido a participação na prática criminal, serão indiciados por tráfico e associação ao tráfico”, informou o delegado Zalla.

Jornal Midiamax