Geral

Jovens brasilienses que cumprem medidas socioeducativas ganham prêmio de rádio no México

Adolescentes de Brasília que cumprem medidas socioeducativas ficaram em terceiro lugar no Concurso da 9º Bienal Internacional do Rádio, que ocorreu no México nos dias 5 e 6 de outubro. Com o programa Liberdade É Oportunidade, os jovens mostraram seus posicionamentos sobre a aplicação das medidas socioeducativas, a ressocialização e a forma como a mídia […]

Arquivo Publicado em 13/10/2012, às 17h08

None

Adolescentes de Brasília que cumprem medidas socioeducativas ficaram em terceiro lugar no Concurso da 9º Bienal Internacional do Rádio, que ocorreu no México nos dias 5 e 6 de outubro. Com o programa Liberdade É Oportunidade, os jovens mostraram seus posicionamentos sobre a aplicação das medidas socioeducativas, a ressocialização e a forma como a mídia apresenta os atos infracionais.

A produção do programa de rádio faz parte do Projeto Onda, do Instituto de Estudos Socioeconômicos (Inesc), que trabalha com alunos da rede pública de ensino. A coordenadora do projeto, Márcia Hora Acioli, contou que o programa chegou à Unidade de Internação do Plano Piloto [antigo de Centro de Atendimento Juvenil Especializado, o Caje], por uma necessidade de atender aos alunos que estão internados. “Nós escolhemos trabalhar também com o Caje porque ali é uma escola. Sentimos que o projeto poderia contribuir de alguma forma”, disse em entrevista à Agência Brasil.

Os internos participaram de oficinas de produção, aulas de locução e redação. Cerca de 20 alunos, entre internos e não internos, participaram do programa. “Procuramos trabalhar com esses alunos para que eles tivessem perspectivas diferentes na produção, queríamos que houvesse uma troca de experiência durante o projeto”, destacou Márcia.

Segundo a coordenadora, a escolha do tema abordado no programa foi feita pelos próprios internos. “Era uma queixa deles. O programa fala de como é distribuição das oficinas dentro do Caje e eles queriam dizer que acham preconceituosa a forma como a mídia se refere a eles.”

Os internos concorreram na categoria Programa de Jovens para Jovens, única na qual não era obrigatória a divulgação do material em rádios ou na internet. Nessa categoria, obras amadoras foram os destaques. O primeiro lugar ficou com o programa A Democratização dos Meios de Comunicação no México, de Marcía de Carmen Santiago. O segundo lugar foi para As Realizações do México para os 200 Anos, de Emanuel Tapia Bedoll. O primeiro e o segundo colocado são produções mexicanas.

Os brasilienses receberam como prêmio 30 mil pesos, o equivalente a R$ 4.740, além de um certificado de participação. O valor do prêmio será investido no projeto.

Jornal Midiamax