Geral

IPI menor para automóveis é prorrogado por dois meses

O ministro da Fazenda, Guido Mantega, anunciou a prorrogação do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) para automóveis até 31 de outubro, atendendo ao pedido do setor automotivo. Segundo o ministro, os preços dos veículos ao consumidor têm caído, o que “inclusive ajuda a inflação”. O governo prorrogou também a redução do IPI para produtos da […]

Arquivo Publicado em 29/08/2012, às 21h04

None

O ministro da Fazenda, Guido Mantega, anunciou a prorrogação do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) para automóveis até 31 de outubro, atendendo ao pedido do setor automotivo. Segundo o ministro, os preços dos veículos ao consumidor têm caído, o que “inclusive ajuda a inflação”.

O governo prorrogou também a redução do IPI para produtos da chamada linha branca até o dia 31 de dezembro. Segundo o ministro, a renúncia fiscal é de R$ 361 milhões de setembro a dezembro.

Além disso, o ministro anunciou a prorrogação até o final do ano do Programa de Sustentação do Investimento (PSI) do Banco nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), com redução dos juros para a compra de bens de capital e caminhões de 5,5% para 2,5% ao ano.

Os materiais de construção também terão redução de IPI. A prorrogação da redução vale até o fim de 2013, anunciou o ministro. A renúncia fiscal em 2013, com essa medida, é estimada em R$ 1,8 bilhão. Segundo o ministro, a economia brasileira está em gradual recuperação, mas é preciso continuar dando estímulos.

Pedidos

Mantega, que já tinha prometido ouvir os setores empresariais, esteve nesta quarta-feira com o presidente da Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea), Cledorvino Belini, representantes de empresas e entidades do setor automotivo. O ministro também ouviu as reivindicações do presidente da Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos (Abimaq), Luiz Aubert Neto.

Segundo Belini, foram apresentados ao ministro os resultados do setor, que registra um aumento da média diária de vendas de 12,4 mil veículos por dia para 16,6 mil por dia. Ou seja, um crescimento de 33,4%, no período, após a redução do IPI para automóveis – uma das medidas adotadas pelo governo para enfrentar a crise internacional .

“Resultado muito bom e surpreendente. Nós mostramos ainda que a estimativa de geração diária de impostos aumentou R$ 1,7 milhões. Embora tenha ocorrido queda de R$ 20,7 milhões na média diária, a PIS/Cofins sofreu incremento de R$ 10,6 milhões, o Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) de R$ 9,5 milhões e o IPVA de R$ 2,3 milhões na mesma comparação (média diária de junho a agosto ante a média de maio)”, disse.

A Anfavea apresentou ao ministros da área econômica dados que mostram ter havido um acréscimo de 3,1 mil empregos no setor, sendo que 2,7 mil empregos foram entre junho e julho deste ano, passando de 145 mil para 147, 7 mil. Com informações da Agência Brasil

Jornal Midiamax