Geral

Investigação sobre execução de dono de jornal eletrônico começa com matérias polêmicas

No local, a perícia encontrou cápsulas de munições ponto 45. Um dos tiros entrou próximo da região da costela e provavelmente atravessou o tórax

Arquivo Publicado em 22/11/2012, às 10h32

None
953358360.jpg

No local, a perícia encontrou cápsulas de munições ponto 45. Um dos tiros entrou próximo da região da costela e provavelmente atravessou o tórax

As matérias polêmicas envolvendo diversos tipos de denúncias policiais e políticas feitas pelo dono de jornal eletrônico de Campo Grande pode ser a principal relação com o seu assassinato, de acordo com informações da polícia civil.


A execução aconteceu nesta quarta-feira (21), por volta das 22h30, em Campo Grande, na rua Cláudia, bairro Giocondo Orsi, quando Eduardo Carvalho estava chegando em casa. Conhecido como Carvalhinho, ele morreu no local, após o atentado.


Informações preliminares apontam que ele sofreu cerca de cinco disparos de arma de fogo, conforme as perfurações encontradas em seu corpo. No local, a perícia encontrou cápsulas de munições ponto 45. Um dos tiros entrou próximo da região da costela e provavelmente atravessou o tórax.


A polícia contou que Carvalho e sua esposa chegavam à residência em um veículo Fusion. Enquanto ela estacionava o carro na garagem, ele desceu e foi guardar a moto. Ele foi alvejado por um homem que seguia na garupa de uma motocicleta.


Ao ouvir os disparos, sua mulher voltou para a rua, tendo encontrado o marido já caído no chão, perdendo muito sangue. Ela chegou a tentar atirar nos bandidos com arma do marido, que é legalizada, mas não conseguiu porque estava travada. A suspeita é que eles voltaram porque queriam pegar o carregador do revólver, que tem impressões digitais e pode contribuir com a solução do caso.


Conforme o delegado plantonista da Depac (Delegacia de Pronto Atendimento Comunitário) Centro, Divino Furtado de Mendonça, tudo indica que o crime tenha relação com sua profissão, já que ele atuava como jornalista e as investigações devem partir deste princípio.


“Todo mundo sabe que o site de notícias era polêmico, com matérias até mesmo sensacionalistas. Ele fazia revelações e denúncias, provavelmente, a linha de investigação partirá deste princípio”, destacou o delegado. No momento, o site de notícias faz uma homenagem ao dono. “ Luto pela morte do editor do UH News Eduardo Carvalho”, é a frase estampada hoje.


Apesar da sua residência não possuir câmeras de segurança, a polícia irá investigar uma câmera localizada na casa ao lado e procura por outras que possam contribuir com as investigações, como o trajeto dos assassinos e a forma como a execução aconteceu.


Suspeitas de ataques de facções criminosas


Além de empresário, Carvalho era policial militar aposentado. Recentemente, um colega policial mandou uma mensagem em rede social para ele tomar cuidado, pois a facção criminosa do PCC (Primeiro Comando da Capital) poderia realizar atentados contra policiais do Estado.


Com os constantes ataques em São Paulo e Santa Catarina muitos já cogitaram a hipótes de possível ataque de facções criminosas daqui do estado. Mas o Delegado Mendonça informou que até o momento, não há indícios sobre esta questão.


De acordo com o delegado, a principal linha a ser analisada é se o crime tem relação com alguma reportagem que foi publicada recentemente, ou que estaria sendo feita. O crime será investigado pela 3ª Delegacia de Polícia.

Jornal Midiamax