Geral

Hamilton segura Raikkonen e vence GP da Hungria de ponta a ponta

Absoluto em todo o fim de semana no circuito de Hungaroring, Lewis Hamilton confirmou seu favoritismo com uma prova irretocável e venceu o GP da Hungria neste domingo. Pole position, o inglês da McLaren precisou resistir ao assédio de Kimi Raikkonen, que havia largado em quinto, fez grande prova e pressionou nas voltas finais. O […]

Arquivo Publicado em 29/07/2012, às 13h03

None

Absoluto em todo o fim de semana no circuito de Hungaroring, Lewis Hamilton confirmou seu favoritismo com uma prova irretocável e venceu o GP da Hungria neste domingo. Pole position, o inglês da McLaren precisou resistir ao assédio de Kimi Raikkonen, que havia largado em quinto, fez grande prova e pressionou nas voltas finais. O finlandês da Lotus acabou mesmo em segundo, logo à frente de Romain Grosjean, também da Lotus.


Em dia de outra boa prova de Bruno Senna, que terminou em sétimo, o GP da Hungria teve ainda Romain Grosjean em terceiro com a Lotus, Sebastian Vettel em quarto com a Red Bull e Fernando Alonso, o líder do Mundial, em quinto. O espanhol da Ferrari, no dia de seu 31º aniversário, ainda ampliou a vantagem sobre o vice-líder Mark Webber, o oitavo.


Com o resultado, Alonso pula para 164 pontos na liderança do Mundial de Pilotos, e ainda abre vantagem de mais seis pontos na classificação. A diferença para o segundo colocado, Mark Webber, agora é de 40 pontos. O atual campeão Vettel é o terceiro com 124. Felipe Massa 14ª colocação, com 25, e Bruno Senna na 15ª, com 24.


O grande salto do fim de semana, ainda assim, foi evidentemente de Lewis Hamilton. O vencedor da Hungria saltou a 117 pontos, ultrapassou o próprio Kimi Raikkonen na classificação. Agora em quarto, ele pode sonhar com o bicampeonato mundial.


Fundamental para encaminhar as posições dos pilotos em uma prova de poucas ultrapassagens, a largada na Hungria foi adiada na hora H por um motivo não divulgado. Pouco antes de a luz verde acender, o amarelo apareceu para indicar algum problema. Com isso, os carros tiveram de dar mais uma volta de apresentação e aí sim largar para 69 voltas – e não mais 70.


Michael Schumacher, aliás, deu mais uma mostra de que não consegue ser competitivo e brilhante como em outros tempos. Assim que a luz amarela se acendeu, ele desligou o motor. Com a 17ª posição no grid, acumulou punição por exceder o limite de velocidade nos boxes e deixou a prova nos minutos finais por problemas no carro.


O grande nome da largada, por outro lado, foi Mark Webber. O vice-líder do Mundial levou sua Red Bull da 11ª para a sétima posição e deu início ao que seria uma grande corrida de recuperação em Hungaroring. Ele chegou a ocupar a quinta posição e pressionar Fernando Alonso. No fim, terminou em oitavo.


Felipe Massa teve mais um fim de semana sem conseguir chegar ao pódio, onde não sobe desde 2010. Sétimo lugar na largada, foi ultrapassado por Webber e fez praticamente toda a prova na nona colocação. Bem diferente foi o domingo de Bruno Senna, que se mostrou superior ao piloto da Ferrari.


Após realizar seu melhor treino da temporada e largar na nona colocação, Bruno fez uma prova consistente com a Williams e chegou perto de repetir seu melhor desempenho também em provas – foi sexto na Malásia. Na última parte, ele deixou Mark Webber para trás, resistiu ao assédio do australiano e acabou em sétimo.


A F1 agora terá uma longa pausa. A próxima corrida acontece no dia 2 de setembro, no circuito de Spa-Francorchamps, na Bélgica.

Jornal Midiamax