Geral

Guarda Municipal passa a garantir segurança de agentes do CCZ em Corumbá

A Secretaria de Saúde de Corumbá foi obrigada a pedir apoio da Guarda Municipal para garantir a segurança dos agentes de endemia que trabalham realizando ações de combate à dengue. A medida foi tomada porque na tarde de domingo (22), um grupo de motociclistas impediu, mediante ameaças, que funcionários do Centro de Controle de Zoonoses […]

Arquivo Publicado em 24/04/2012, às 14h40

None

A Secretaria de Saúde de Corumbá foi obrigada a pedir apoio da Guarda Municipal para garantir a segurança dos agentes de endemia que trabalham realizando ações de combate à dengue. A medida foi tomada porque na tarde de domingo (22), um grupo de motociclistas impediu, mediante ameaças, que funcionários do Centro de Controle de Zoonoses (CCZ) fizessem a borrifação do veneno contra o mosquito Aedes aegypti.


O problema ocorreu no bairro Popular Velha. O boletim de ocorrência (2703/2012), registrado na Delegacia de Polícia Civil, relata que e vítima estava no carro de borrifação quando os motoqueiros se aproximaram dele. Armado com revólver, um dos integrantes do grupo ordenou que o serviço fosse imediatamente interrompido. “Vaza com esse troço daqui, senão eu vou atirar”, ameaçou o rapaz armado.


A gerente de Vigilância em Saúde, Viviane Ametlla, disse que a ideia inicial é que a Guarda Municipal acompanhe todas as ações dos agentes de endemias a partir de agora. “É para garantir a segurança destes profissionais. A ideia é que a Guarda nos acompanhe em todos os locais”, afirmou. Viviane destacou que o incidente ocorrido no último domingo compromete o trabalho de combate à dengue. “O serviço de borrifação, numa situação, dessa fica incompleto. Você faz a ação numa parte do bairro Popular Velha, como foi nesse caso, e no outro não pode fazer. Isso compromete”, afirmou a gerente de Vigilância em Saúde da Prefeitura de Corumbá.


Segundo ela a região que teve os servidores ameaçados e impedidos de trabalhar apresenta um quadro delicado no que tange à infestação do mosquito transmissor da doença. “Estamos com uma alta incidência de infestação na região e com grande número de notificações de casos. Isto nos obrigou a realizar um trabalho mais intensivo no bairro como está acontecendo em outros locais, para conter o avanço da dengue. Infelizmente, este grupo agiu dessa forma, ameaçando a equipe e impedindo que o trabalho tivesse sequência. E não foi somente neste local. Os funcionários também foram apedrejados por pessoas que se encontravam em bares da região”, revelou.


“Não podemos concordar com atos de vandalismo como este que ocorreu no domingo. O que está em jogo é a saúde da população e não vamos parar nossos serviços.Infelizmente, para que nossas equipes não corram mais riscos, estamos recorrendo à Guarda Municipal para garantir a segurança dos servidores”, lamentou Viviane.


Comandante da Guarda Municipal, o tenente-coronel da Polícia Militar, Ubiratan de Oliveira Bueno, informou que a corporação dará, daqui para frente, todo apoio necessário para que as ações de combate à dengue sejam realizadas com total segurança pelos agentes de endemias. A iniciativa quer evitar novos casos de ameaça a servidores e possíveis situações de agressão aos funcionários e danos ao patrimônio público.


“Vamos acompanhar as ações do CCZ para que possam fazer o trabalho sem riscos. É uma questão de saúde pública e de interesse para a população. Se houver a necessidade os guardas municipais estão orientados e podem fazer a detenção e encaminhamento para a Delegacia de Polícia Civil”, disse o tenente-coronel ao informar que na segunda-feira (23), os agentes de endemia já contaram com apoio da Guarda Municipal.


Notificações da doença se aproximam de mil


Corumbá fechou a última semana registrando 920 casos notificados de dengue. Os números dizem respeito à semana epidemiológica 16 e até sexta-feira, 20 de abril, somente naquele período a cidade havia contabilizado 293 novas notificações. O município já promove o Levantamento de Índices por Amostragem (LIA) para avaliar os resultados das ações nos bairros que apresentaram maiores incidências de infestação do mosquito Aedes aegypti, transmissor da doença.


Viviane Ametlla, gerente de Vigilância em Saúde de Corumbá, explicou que – em linhas gerais – o LIA difere do Levantamento de Índice Rápido de Infestação de Aedes aegypti (LIRAa) apenas no fato de trabalhar todo o quarteirão do bairro, por amostragem. No caso do LIRAa, a ações são realizadas por quarteirões sorteados. Os números serão conhecidos ainda esta semana.


O último LIRAa apontou incidência de 10,4% de infestação predial e as equipes atuam de forma mais intensa em locais com maiores incidências da doença, inclusive com a borrifação de larvicidas.


O trabalho acontece principalmente nos bairros Aeroporto e Popular Nova, como também na área central, principais responsáveis pelo grande número de notificações da dengue. Além disso, os agentes estão visitando os imóveis, eliminando focos, fazendo tratamento e conversando com os moradores, orientando-os para manter seus imóveis limpos e livres do vírus.

Jornal Midiamax