Geral

Governo aceita negociar corte de ponto somente se greve for suspensa

A Secretaria-Geral da Presidência informou nesta terça-feira que o governo vai condicionar eventual reconsideração do ponto cortado de servidores públicos federais em greve a uma disposição dos grevistas de suspender o movimento temporariamente até que o governo apresente, em meados de agosto, proposta para as reivindicações de reajustes salarias. O ministro Gilberto Carvalho te...

Arquivo Publicado em 24/07/2012, às 23h56

None

A Secretaria-Geral da Presidência informou nesta terça-feira que o governo vai condicionar eventual reconsideração do ponto cortado de servidores públicos federais em greve a uma disposição dos grevistas de suspender o movimento temporariamente até que o governo apresente, em meados de agosto, proposta para as reivindicações de reajustes salarias.


O ministro Gilberto Carvalho tentará nos próximos dias agendar uma reunião entre representantes dos grevistas e o Ministério do Planejamento para discutir essa possibilidade, mas o governo entende que é um direito – “e até um dever” – cortar o ponto dos servidores em greve.


Em reunião com o ministro na tarde desta terça-feira, representantes dos grevistas relataram ao governo que foram detectados 12 dias de ponto cortados que seriam descontados na folha de julho referentes a dias parados em junho. Carvalho relatou aos sindicalistas que considera a greve “precipitada”.


Gilberto Carvalho recebeu representantes do Sindicato dos Servidores Públicos Federais no Distrito Federal (Sindsep-DF), da Central Única dos Trabalhadores (CUT), da Federação Nacional dos Sindicatos dos Trabalhadores em Saúde, Trabalho, Previdência e Assistência Social (Fenasps) e da Confederação dos Trabalhadores no Serviço Público Federal (Condsef).


Os trabalhadores foram recebidos pelo ministro no fim da tarde desta terça-feira após promoverem um “buzinaço” na frente do Palácio do Planalto, como protesto contra o corte da folha de ponto e a falta de uma proposta do governo para as categorias em greve.

Jornal Midiamax