Geral

Federação que representa professores em greve da UFMS aceita proposta do governo

O Proifes (Federação de Sindicatos de Professores de Instituições Federais de Ensino Superior) decidiu nesta quarta-feira (25) recomendar que suas sete universidades filiadas aceitem a proposta apresentada pelo governo ontem (24). No entantanto, o membro da comissão de greve da UFMS (Univerisidade Federal de Mato Grosso do Sul), Paulo Paes, as bases não foram consultadas […]

Arquivo Publicado em 25/07/2012, às 22h05

None

O Proifes (Federação de Sindicatos de Professores de Instituições Federais de Ensino Superior) decidiu nesta quarta-feira (25) recomendar que suas sete universidades filiadas aceitem a proposta apresentada pelo governo ontem (24). No entantanto, o membro da comissão de greve da UFMS (Univerisidade Federal de Mato Grosso do Sul), Paulo Paes, as bases não foram consultadas quanto a aceitação do acordo.


Segundo Paes, assembleias devevem ser realizadas com os professores em greve em Campo Grande e no interior, para decidir se o movimento acompanha a decisão da Proifes.


O maior sindicato, o Andes-SN (Sindicato Nacional dos Docentes das Instituições de Ensino Superior), que representa docentes de outras instituições, ainda analisa o plano. Estão paradas 58 federais. Por enquanto, a greve está mantida.


A diretriz do Conselho Deliberativo do Proifes recomenda, também, que a greve seja encerrada. Caso isso aconteça, podem voltar a trabalhar professores de UFRGS (Universidade Federal do Rio Grande do Sul), UFSCar (Universidade Federal de São Carlos), UFBA (Universidade Federal da Bahia), UFRB (Universidade Federal do Recôncavo Baiano), UFG (Universidade Federal de Goiás), UFMS (Universidade Federal de Mato Grosso do Sul) e UFC (Universidade Federal do Ceará), além de institutos federais no Paraná e no Rio Grande do Sul.


A nova proposta inclui reajustes que variam de 25% a 40% e a antecipação da vigência do plano de reestruturação de carreiras. A alteração fez o impacto do aumento no Orçamento subir de R$ 3,9 bilhões para R$ 4,2 bilhões até 2015.


Andes e Sinasefe


Tanto os representantes do Andes quanto os do Sinasefe (Sindicato Nacional dos Servidores Federais da Educação Básica, Profissional e Tecnológica) saíram insatisfeitos da reunião com o Ministério do Planejamento. “É a mesma essência da proposta anterior, ou seja, não reestrutura a carreira”, disse à Agência Brasil a presidente do Andes, Marinalva Oliveira. (Com informações de Evelin Araujo)


Jornal Midiamax