Geral

Farc entregam à Cruz Vermelha dois pilotos civis na Colômbia

As Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) entregaram neste domingo, a uma comissão humanitária, dois pilotos civis de um helicóptero que aterrissou com emergência no dia 10 em um campo de futebol de uma cidade do departamento do Cauca. Os dois pilotos, Juan Carlos Álvarez e Alejandro de Jesús Ocampo, foram entregues à comissão formada […]

Arquivo Publicado em 30/07/2012, às 01h40

None

As Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) entregaram neste domingo, a uma comissão humanitária, dois pilotos civis de um helicóptero que aterrissou com emergência no dia 10 em um campo de futebol de uma cidade do departamento do Cauca.


Os dois pilotos, Juan Carlos Álvarez e Alejandro de Jesús Ocampo, foram entregues à comissão formada por dirigentes do Comitê Internacional da Cruz Vermelha (CICV) e membros da Rede de Direitos Humanos “Francisco Isaías Cifuentes”.


Álvarez e Ocampo foram detidos em 10 de julho quando o helicóptero no qual viajavam, um Bell 206 L3 teve que aterrissar com urgência em um campo de futebol da pequena cidade de El Plateado, que pertence ao município de Argelia.


“Eles estão bem. É uma grande notícia para suas famílias. Eles chegarão a Popayán (capital do Cauca) e dali se dirigirão a Medellín, sua cidade”, disse à Agência Efe em Bogotá María Cristina Rivera, porta-voz do CICV.


Mais cedo, a porta-voz do mesmo organismo no oeste do país, Erika Tovar, tinha confirmado também à Efe por telefone a entrega dos dois pilotos e tinha informado sobre seu estado de saúde.


“Os dois estão bem, nos disse a enfermeira que acompanha a missão”, contou Erika por telefone de Popayán. Os pilotos se encontrarão em Popayán com suas famílias assim que voltarem da zona rural de Argelia, acrescentou a representante.


Ambos foram, por terra com a comissão humanitária, de Argelia a Popayán, em veículos do CICV, relataram as fontes.


As Farc reconheceram na quarta-feira que Álvarez e Ocampo foram sequestrados pelo grupo insurgente após o acidente do veículo em que viajavam.


A aeronave, de propriedade da empresa privada Helifly, foi incendiada por pessoas não identificadas, enquanto seus tripulantes foram dados como desaparecidos, até que em 25 de julho as Farc confirmaram que estavam com eles.


O chefe da delegação do CICV na Colômbia, Jordi Raich, se mostrou satisfeito com o retorno dos dois pilotos: “Nos alegra ter contribuído para facilitar a reunião destas pessoas novamente com seus entes queridos”, disse Raich.


Acrescentou que “neste caso” participaram “na negociação direta com o grupo armado” e reiterou sua “disposição para continuar oferecendo” os préstimos do organismo neste e em outros tipos de ações humanitárias.


O CICV lembrou em comunicado que “proporcionou na Colômbia a libertação de 1.477 pessoas em poder de diferentes grupos armados desde 1994 e 26 pessoas neste ano”. Dessas pessoas, “mais de 750 são civis”.


O incidente do helicóptero coincidiu com um movimento de protesto dos indígenas da etnia Nasa no Cauca contra a presença das forças de segurança e das Farc em seu território nativo, grupos que os indígenas exigem que saiam de suas terras.


Desde a madrugada deste domingo foram registrados fortes confrontos entre a Polícia e facções das Farc na região montanhosa do município de Toribío.


Segundo várias autoridades, aviões da Força Aérea Colombiana (FAC) apoiam as tropas de terra que combatem os rebeldes em uma área conhecida como Chisquío.


O lugar é muito próximo da colina Berlim, onde os indígenas Nasa desalojaram os militares que comandavam algumas torres de telefonia no dia 17, mas um dia depois a Polícia retomou o controle.


O defensor público de Toribío, Juan Carlos Chamorro, explicou aos jornalistas que os combates deste domingo acontecem muito perto do perímetro urbano. Nenhuma autoridade, no entanto, informou sobre baixas ou feridos entre os militares, guerrilheiros ou civis.


Jornal Midiamax