Geral

Evo Morales denuncia calote de empresa brasileira em fábrica de papéis boliviana

O presidente da Bolívia, Evo Morales, denunciou nesta terça-feira que uma empresa brasileira enganou o governo boliviano no projeto de instalação de uma fábrica estatal de papel (Papelbol), que agora ficará a cargo de uma corporação chinesa. “Infelizmente, uma empresa brasileira nos enganou. Estamos retomando (o projeto) e agora vamos terminá-lo com uma empresa chinesa”, […]

Arquivo Publicado em 25/12/2012, às 20h48

None

O presidente da Bolívia, Evo Morales, denunciou nesta terça-feira que uma empresa brasileira enganou o governo boliviano no projeto de instalação de uma fábrica estatal de papel (Papelbol), que agora ficará a cargo de uma corporação chinesa.



“Infelizmente, uma empresa brasileira nos enganou. Estamos retomando (o projeto) e agora vamos terminá-lo com uma empresa chinesa”, disse o presidente na cidade de Villa Tunari.



A Papelbol devia ser instalada na região do Chapare (centro), região produtora de coca e principal bastião político do presidente.



O chefe de Estado afirmou que, apesar do tropeço, “daqui a três meses” a fábrica estará pronta.



Morales não mencionou o nome da empresa brasileira questionada, a D’Andrea, que é investigada por suposto superfaturamento em um contrato com o Estado boliviano por 13 milhões de dólares para a venda de maquinaria para a fabricação do papel.



A empresa nega a acusação e denunciou que seu pedido de arbitragem foi rejeitado pelas autoridades bolivianas.



“Lamentavelmente, devemos reconhecer que por culpa das empresas temos que pagar politicamente por estes fatos”, acrescentou Morales sobre a situação.



Após a fracassada tentativa inicial, a instalação da fábrica de papel estará a cargo da empresa chinesa Vicstar.



Em seu afã de fortalecer a presença do Estado na economia, o governo do esquerdista Evo Morales impulsiona a criação de empresas estatais.


Jornal Midiamax