Geral

Empresário aposta em vídeo game como atrativo para festa infantil

Um novo atrativo chega para disputar espaço no mercado das festas infantis. Ao lado de cama elástica, piscina de bolinha e palhaços, o vídeo game tem preferência garantida no gosto da garotada e até mesmo dos pais. O empresário Rudson Bogarim, 28 anos, há um ano investiu na aposta e garante que o resultado foi […]

Arquivo Publicado em 21/01/2012, às 20h05

None
612474413.jpg

Um novo atrativo chega para disputar espaço no mercado das festas infantis. Ao lado de cama elástica, piscina de bolinha e palhaços, o vídeo game tem preferência garantida no gosto da garotada e até mesmo dos pais. O empresário Rudson Bogarim, 28 anos, há um ano investiu na aposta e garante que o resultado foi positivo.


Ele começou com os brinquedos convencionais e, com o mercado competitivo, foi preciso inovar e buscar algo diferente para agregar aos eventos. Foi então que o empresário inseriu o vídeo game em seu cardápio. “Levo uma variedade de modelo, jogo e acessório”, conta Rudson.


A estrutura oferece um verdadeiro paraíso para quem gosta dos games de última geração. Além de oferecer Playstation 2, Playstation 3, Nintendo Wii e Xbox Kinect, a empresa leva até a TV de LCD. Os acessórios como Guitarra, Raquetes, Volantes, também ficam por conta do contratado.


Rudson conta que ele não é o único no mercado campo-grandense, mas que a concorrência ainda é pequena. “Sei de mais duas empresas que também oferecem esse tipo de serviço”, diz. Apesar do sucesso de contratos fechados, o empresário não acredita que seja o fim dos brinquedos tradicionais. “Acho que é algo que agrega, não chega para tirar o lugar de cama elástica, por exemplo”.


Para Jussara Duarte da Silva, psicóloga especialista em atendimento infantil, o novo integrante das festas não chega a ser um problema, desde que seja usado com moderação. “Não há como fugir da realidade, estamos no século XXI e na era eletrônica, mas é preciso ter bom senso e colocar limite nas crianças”, pontua.


Ela aconselha aos pais que controlem o tempo que a criança fica em frente ao vídeo game e também alerta sobre os tipos de jogos que são expostos. “Não é legal colocar games violentos para as crianças jogarem, para não estimular a violência”, diz Jussara.


A psicóloga diz ainda que o alerta vale para o dia-a-dia também. “A criança tem que saber que ela tem outras coisas para fazer, brincar, interagir com outras crianças e gastar energia é necessário”, conclui.

Jornal Midiamax