Geral

Dourados: psicólogo acusado de vender laudos a detentos consegue liberdade provisória

O psicólogo, Ricardo de Oliveira Utuari, de 36 anos, que havia sido preso no dia 9 de outubro foi posto em liberdade provisória na tarde desta terça-feira (16/10). Ele foi preso em flagrante acusado pela prática de falsa perícia psicológica e concussão passiva (vantagem indevida). Seu advogado entrou com um pedido de liberdade provisória e […]

Arquivo Publicado em 17/10/2012, às 16h40

None

O psicólogo, Ricardo de Oliveira Utuari, de 36 anos, que havia sido preso no dia 9 de outubro foi posto em liberdade provisória na tarde desta terça-feira (16/10).



Ele foi preso em flagrante acusado pela prática de falsa perícia psicológica e concussão passiva (vantagem indevida). Seu advogado entrou com um pedido de liberdade provisória e o juiz, Dr. Francisco Vieira de Andrade Neto, concedeu.



A Polícia Civil de Dourados, através da 1ª Distrito Policial, continua investigando o caso do psicólogo, chefiada pelo delegado Rinaldo Moreira. Segundo Moreira, que também preside as investigações, mas cinco pessoas foram ouvidas, sendo que entre elas há alguns presos que estão recolhidos no PHAC (Penitenciária Harry Amorim Costa). Em depoimentos os presos, também confirmaram ter sido vítimas do psicólogo, tendo inclusive pago dinheiro exigido para que este fornecesse laudos falsos, na tentativa de se beneficiarem quanto à volta para a sociedade, saindo mais rapidamente da prisão.



Ainda segundo os presos e parentes de presos que foram ouvidos, o psicólogo sempre alegava que se não pagassem, jamais iriam sair da prisão, e que a saída deles dependiam exclusivamente dos laudos periciais.



Segundo o delegado Rinaldo Moreira, mais pessoas poderão ser ouvidas, o que incrimina ainda mais o médico, que foi preso em flagrante delito pela Polícia Civil de posse de R$ 800,00 que acabava de receber de um pai de preso.



O Inquérito policial tem o prazo até sexta-feira para ser concluído. A polícia estima que dezenas de presos perigosos foram soltos por motivo do benefício da falsa perícia praticada pelo psicólogo.


Jornal Midiamax