Geral

Deficientes visuais terão aplicativo para uso do transporte coletivo em Campo Grande

Com o aplicativo, o usuário vai poder saber o horário dos ônibus e ainda ser informado por quais pontos o veículo está passando

Arquivo Publicado em 29/08/2012, às 17h23

None
260663994.jpg

Com o aplicativo, o usuário vai poder saber o horário dos ônibus e ainda ser informado por quais pontos o veículo está passando

A Prefeitura lança nesta quinta-feira, 30, um aplicativo que facilitará o acesso (no interior do ônibus) para usuários com deficiência visual. O sistema vai permitir a consulta de itinerário e horário dos ônibus por meio do aplicativo gratuito.

O aplicativo foi desenvolvido após mapeamento dos pontos e dos ônibus utilizados pelos integrantes do Ismac (Instituto Sul Matogrossense para Cegos Florivaldo Vargas). Com ele, o usuário vai poder saber o horário dos ônibus e ainda ser informado por quais pontos está o veículo está passando.

De acordo com o diretor de transportes da Agetran, Luiz Carlos Alencar, todos os usuários do transporte público poderão ter acesso ao sistema de informação integrada até o final de 2012. Este sistema permitirá que o passageiro saiba quanto tempo o ônibus levará para passar e qual linha pegar para se deslocar ao seu destino.

Acessibilidade

Até 2014 todos os veículos que compõem a frota deverão estar adaptados para o acesso de pessoas com deficiência física.

Segundo Alencar, em Campo Grande, dos 530 ônibus em circulação, 476 estão de acordo com a norma 15.570 da ABNT, que dá especificações técnicas para a fabricação de veículos para transporte coletivo de passageiros.

Algumas cidades do país utilizam uma rampa que eleva o piso no nível da entrada do veículo, “porém isso não é viável pela questão da manutenção. Em dias de chuva, por exemplo, o grande volume de água que passa na beira das calçadas atrapalha a entrada do cadeirante.”, explica o diretor.

Para ele, o modelo adotado por Campo Grande é o mais viável, por questões de manutenção.

Abrigos

Atualmente a Capital conta com 1.900 pontos de ônibus com abrigos. Conforme a Agetran, a cidade possui 3.500 pontos, porém em 15% destes locais, o ponto não cabe na calçada tornando inviável sua colocação. “Não há exigência legal para a colocação dos abrigos e, ainda assim, não é possível a instalação de cerca de 400 pontos por a calçada não contar com espaço suficiente.”, aponta Alencar.

Corredores

A prefeitura enviou ao Ministério das Cidades um projeto de construção de um corredor exclusivo para ônibus em total de 55 quilômetros de extensão. O corredor exigirá a adaptação do calçamento e iluminação exclusiva. O projeto está em fase de avaliação.

O prefeito deve assinar ainda esse ano uma ordem de execução do serviço, porém não há prazo para início das obras.

Passe

Conforme a Agetran, do total de passageiros que utilizam o transporte coletivo diariamente, 35% compram o passe de forma isolada.

As regiões mais carentes de pontos de venda são a saída para Três Lagoas e do bairro São Francisco. “O motorista deve levar o passageiro até um local de venda do passe e aguardá-lo para continuar a viagem.”.

Um acordo com o Ministério Público determina que até o dia 10 de outubro as 177 linhas deverão estar com folders ou cartazes afixados em ônibus coletivos, em local de fácil visualização dos usuários, contendo informações sobre os locais de venda dos cartões e bilhetes eletrônicos, sob as penas da cláusula sétima do TAC, ou seja, o usuário não pode ser impedido de embarcar e ser transportado por dificuldade na aquisição do bilhete eletrônico.

Jornal Midiamax