Geral

CSN é multada em R$ 11,5 mi por descumprir medidas contra poluição

A Companhia Siderúrgica Nacional (CSN) foi multada em R$ 11,5 milhões nesta quarta-feira por descumprimento de um termo de ajustamento de conduta (TAC) firmado com a Secretaria Estadual do Ambiente (SEA) do Rio de Janeiro. Entre os pontos que a siderúrgica deixou de cumprir estão medidas de controle de poluição atmosférica, de prevenção a vazamentos […]

Arquivo Publicado em 19/12/2012, às 23h55

None

A Companhia Siderúrgica Nacional (CSN) foi multada em R$ 11,5 milhões nesta quarta-feira por descumprimento de um termo de ajustamento de conduta (TAC) firmado com a Secretaria Estadual do Ambiente (SEA) do Rio de Janeiro. Entre os pontos que a siderúrgica deixou de cumprir estão medidas de controle de poluição atmosférica, de prevenção a vazamentos de material tóxico e de descontaminação de águas subterrâneas.

No total, o secretário de Estado do Ambiente do Rio, Carlos Minc, disse que a companhia deixou de cumprir 17 pontos importantes, de 114 que fazem parte do TAC ajustado. Ele listou os principais pontos que não foram atendidos, com atrasos que chegam a mais de um ano sobre o prazo combinado. A empresa fica no município de Volta Redonda, no sul do Estado.

“Eles tinham que descontaminar uma série de áreas que estão poluindo e contaminando águas subterrâneas. Deveriam ter instalado uma série de dutos e equipamentos para reduzir a emissão do pó vermelho, formado por partículas de ferro e outros metais que prejudicam a saúde e os pulmões da população de Volta Redonda. Tinham também que instalar tanques de emergência para impedir que, em caso de acidente, produtos perigosos alcancem o Rio Paraíba do Sul, como já aconteceu em 2009”, detalhou Minc.

O secretário frisou que a empresa já é reincidente em crimes ambientais e criticou o fato de a usina não estar cumprindo os prazos acordados no TAC. “A CSN já é cliente. Já foi multada ao longo desses anos muitas vezes, em milhões de reais. Agora pisaram na bola e tomaram R$ 11,5 milhões em multa. Isso para nós é intolerável e daí esta multa, para saber que nós não estamos brincando. Que tomem juízo e cumpram os prazos, conforme eles mesmos assinaram”, disse Minc.

A CSN tem dez dias para pagar ou recorrer da multa, que será revertida para o Fundo Estadual de Conservação Ambiental e Desenvolvimento Urbano (Fecam). A empresa disse que não se pronunciaria sobre a questão.

Jornal Midiamax