Geral

Confusão entre rivais suspende votação por 20 minutos em seção no Coophavila

A votação na seção 301 da 44ª Zona Eleitoral na Escola Municipal Dr Eduardo Olímpio Machado, no bairro Coophavila, ficou interrompida por cerca de 20 minutos ao meio-dia. Fiscais da coligação “Novo Tempo”, do candidato a prefeito Reinaldo Azambuja (PSDB), acusaram fiscais da coligação “Mais Trabalho por Campo Grande”, do candidato governista Edson Griroto (PMDB), […]

Arquivo Publicado em 07/10/2012, às 17h37

None
314515949.jpg

A votação na seção 301 da 44ª Zona Eleitoral na Escola Municipal Dr Eduardo Olímpio Machado, no bairro Coophavila, ficou interrompida por cerca de 20 minutos ao meio-dia. Fiscais da coligação “Novo Tempo”, do candidato a prefeito Reinaldo Azambuja (PSDB), acusaram fiscais da coligação “Mais Trabalho por Campo Grande”, do candidato governista Edson Griroto (PMDB), de olhar as urnas durante a votação, coagindo o eleitor.

A interrupção dos votos gerou fila e confusão na seção. A Polícia Militar foi chamada para conter o tumulto. A presidente da seção não quis comentar o ocorrido, já alguns mesários afirmaram que tudo não passou de um mal entendido.

Os fiscais da coligação “Novo Tempo” afirmaram que vão entrar com o pedido de impugnação dos votos da seção 301, assim como a da 329, onde, segundo eles, também houve irregularidades.

Além disso, os fiscais do candidato Reinaldo Azambuja afirmaram que foram ameaçados de agressão e vão registrar boletim de ocorrência contra os mesários. De acordo com os fiscais, representantes do candidato da situação estavam posicionados em local onde era possível enxergar o voto do eleitor.

Nenhum fiscal da coligação “Mais Trabalho por Campo Grande” estava no local para comentar o ocorrido.

A juíza titular da 44ª Zona Eleitoral de Campo Grande, Eliane de Freitas Lima Vicente, foi até a escola e afirmou que não houve nenhum tipo de irregularidades, porém entre todas as seções ela inspecionou justamente as com denúncia de irregularidade. “É uma visita de rotina, não vai ser impugnado nada”, retrucou.

Jornal Midiamax