Geral

Condutores de Corumbá ainda enfrentam dificuldade para abastecer veículos

Desde o início da semana, os condutores de Corumbá e Ladário estão enfrentando problemas para abastecer veículos nos postos de combustíveis. A situação se complicou na quarta-feira, quando todos os postos da cidade ficaram sem gasolina para o abastecimento e depois, faltou também o etanol. Resultado: motoristas e motociclistas têm enfrentado filas por horas, aguardando […]

Arquivo Publicado em 27/07/2012, às 22h01

None

Desde o início da semana, os condutores de Corumbá e Ladário estão enfrentando problemas para abastecer veículos nos postos de combustíveis. A situação se complicou na quarta-feira, quando todos os postos da cidade ficaram sem gasolina para o abastecimento e depois, faltou também o etanol.

Resultado: motoristas e motociclistas têm enfrentado filas por horas, aguardando a chegada dos caminhões para abastecimento das bombas. Os caminhões estão chegando à noite e ao amanhecer, já não há mais combustíveis na maioria dos postos.

Em um posto da bandeira BR Petrobras, carregamento de 10 mil litros chegou na noite de quinta-feira, 26, por volta das 22 horas e às 09 da manhã desta sexta não havia mais gasolina. “Os condutores formaram filas desde às 16 horas. Quando o combustível chegou a fila era grande, tanto que até às 09 horas quando a gasolina acabou, ainda havia fila para abastecimento. Estamos esperando outro carregamento que está saindo de Campo Grande e chegará à Corumbá por volta das 22 horas desta sexta. A nossa expectativa é que a fila de carros se forme a partir das 17 horas e só termine com o fim do nosso estoque”, explicou ao Diário o gerente do estabelecimento comercial, Valdomiro Santos.

Em outro posto de Corumbá, da bandeira Taurus, a gasolina acabou às 16 horas desta sexta. “Essa falta de combustível atrapalha muito. Ela altera a escala de serviço dos funcionários e altera a vida da população também, pois os condutores enfrentam filas, há um congestionamento na hora de abastecer e na hora de efetuar pagamento com cartão. O posto terá gasolina sábado; um caminhão chegará com 20 mil litros, mas fico condicionado aos outros postos também conseguirem carregamento, pois a quantidade que chegará um minha unidade não suporta o número de condutores de veículos em busca do produto”, ressaltou o proprietário João Luiz Ribeiro.

A falta do combustível na cidade é atribuída ao problema de transporte entre a distribuidora BR Petrobras, em Paulínia, e a distribuidora regional, em Campo Grande. A distribuidora BR Petrobras informou que o problema começaria a ser resolvido na quarta-feira (25), quando 800 mil litros de gasolina chegariam para atender a demanda de todo o Estado. Em Mato Grosso do Sul, a única região que não foi atingida é a de Três Lagoas. Agora, a empresa calcula que a situação seja normalizada na terça-feira, 31 de julho.

Condutores

Sem gasolina, muitos carros e motocicletas foram empurrados até as unidades de abastecimento pelos condutores. Samuel Arruda Lins, 38 anos, ficou sem combustível pelo segundo dia e o jeito foi empurrar a motocicleta até os postos, atrás de gasolina. “Na quinta empurrei a motocicleta até dois postos, até que tive que aguardar das 16 horas até às 23 horas quando o caminhão abasteceu o posto de gasolina e consegui encher o tanque novamente. Trabalho com a motocicleta realizando cobranças e não tenho como evitar o gasto de combustível. A situação se inverteu: agora sou eu quem transporta a moto”, brincou.

Já Waldomiro Moreira Fonseca, 63 anos, ficou mais de uma hora na fila para conseguir abastecer o veículo na tarde desta sexta-feira. “Eu vi em jornais que a cidade estava com problemas de abastecimento, porém, eu não fazia ideia de que era essa a situação. Fiquei na fila por mais de uma hora aguardando minha vez. Espero que isso se regularize, pois é um desrespeito com quem trabalha, perder tempo em fila para abastecer os veículos”, disse indignado.

Jornal Midiamax