Geral

Chulapa sugere média de 40 gols a Luis Fabiano para ser superado

O contrato de Luis Fabiano com o São Paulo acaba em 13 de março de 2015 e, até lá, já pode ser o maior artilheiro da história do clube. A aposta é do atual dono da marca, Serginho Chulapa, mas vem com um aviso: é necessário balançar as redes ao menos 35 vezes nas próximas […]

Arquivo Publicado em 02/01/2012, às 20h32

None
O contrato de Luis Fabiano com o São Paulo acaba em 13 de março de 2015 e, até lá, já pode ser o maior artilheiro da história do clube. A aposta é do atual dono da marca, Serginho Chulapa, mas vem com um aviso: é necessário balançar as redes ao menos 35 vezes nas próximas três temporadas para fazer os 117 gols necessários para superá-lo.
“Se ele conseguir uma média entre 35 e 40 gols por ano, é capaz de me passar”, opinou Serginho Chulapa, dono de 242 gols pelo Tricolor paulista durante sua passagem entre 1973 e 1982, quando conquistou o Campeonato Paulista três vezes (1975, 1980 e 1981) e o Brasileiro em 1977.
Para atingir a marca de maior goleador com a camisa são-paulina, Chulapa foi artilheiro de três competições: os Paulistas de 1975 (22 gols) e 1977 (32 gols) e o Brasileiro de 1982 (20 gols).
Já Luis Fabiano, atualmente com 125 gols e em décimo lugar na lista de artilheiros do Tricolor – a dois de Raí -, contou com bons momentos em suas primeiras passagens pelo clube. Foi artilheiro da Copa dos Campeões de 2001 (sete gols), do Brasileiro de 2002 (19 gols), do Paulista de 2003 (oito gols) e da Libertadores de 2004 (oito gols).
Mas o que faz Serginho Chulapa crer na possibilidade de ser superado pelo atual dono da camisa 9 é o seu desempenho no fim de 2011, com seis gols em suas últimas quatro partidas – fez dois gols nos duelos contra Avaí, América-MG e um time repleto de reservas do Santos na reta final do Brasileiro.
“Ele tem tudo para me passar, ainda mais agora, que voltou à fase boa”, opinou Chulapa, alegando não ter nenhum problema em perder o posto que ocupa há quase 30 anos. “Torço para que isso aconteça. Recorde foi feito para ser quebrado”, completou.
Jornal Midiamax