Geral

Caminhões formam fila na distribuidora de combustível e gasolina já falta nos postos

Diretor de comunicação do Sinpetro, Marcos Vilalba, ressaltou que a Petrobras está enfrentando um problema em sua logística e que é momentâneo

Arquivo Publicado em 24/07/2012, às 13h19

None
1152640337.jpg

Diretor de comunicação do Sinpetro, Marcos Vilalba, ressaltou que a Petrobras está enfrentando um problema em sua logística e que é momentâneo

Com informações desencontradas, cerca de 35 caminhões-tanque aguardam o carregamento na distribuidora de combustíveis BR Petrobrásna desde às 5h desta terça-feira (24), em Campo Grande, na saída para Aquidauana.


São caminhões de 15 e 45 mil litros que realizam o transporte de combustível para os postos do Estado.


Em Mato Grosso do Sul, duas empresas fazem o transporte de combustível. E, segundo um funcionário da J. Jardim, que preferiu não se identificar, ninguém sabe o que está acontecendo e que a distribuidora BR não repassa nenhuma informação. “Ficamos sabendo que houve um descarrilhamento na região de Bauru (SP) e que os trens não estão podendo transitar”, disse, sem ter muita certeza da informação que recebeu.


De acordo com o gerente administrativo da empresa, o problema está ocorrendo há duas semanas e os postos estavam comprando gasolina em pouca quantidade, além de utilizar as suas reservas. “Ontem (23) se agravou porque as reservas acabaram e não tinha combustível para comprar”.


O funcionário ressaltou que postos na rua Brilhante, Rui Barbosa, no bairro Jardim Autonomista e outros estão avisando aos clientes desde o início da manhã que acabou a gasolina.


Segundo ele, um assessor da Petrobras está percorrendo os postos de Campo Grande e vendo onde não tem gasolina para repartir igual de forma que ninguém fique sem combustível para vender.


Prejuízos


Também sem querer se identificar, um empresário contou que ficou das 4h30 às 15h para conseguir comprar 15 mil litros de gasolina, que distribuiu em três postos. “Mas sei que até o final do dia já terá acabado”, avaliou.


O empresário destacou que está sendo uma luta diária para conseguir a gasolina e que o etanol e o diesel estão com o fornecimento normal. “Estamos tendo prejuízo de pelo menos R$ 2 mil por dia”. E acrescentou: “Temos que passar o dia aqui em frente à distribuidora a disposição deles para a chegada dos combustíveis”.


Em um posto de combustível com a bandeira BR, localizado na rua Brilhante, os frentistas confirmaram que não tem gasolina e até retiraram a placa com o valor do produto.


Segundo o frentista, até às 10h, ele já tinha recebido 13 clientes, sendo que eles reclamaram bastante dizendo que haviam passado em outros postos e que a situação era a mesma.


O gerente do posto, Wilian Bandeira dos Santos, 26 anos, está preocupado em perder antigos clientes. “Muita gente não quer abasteceu com etanol e é o que temos desde ontem à noite para quem tem carro Flex principalmente”.


Santos ressaltou que a situação está dando prejuízo ao posto. “Por dia deixamos de vender 3 mil litros de gasolina comum, 2 mil litros de aditivada e mil  litros de diesel”.


O posto ainda tem etanol no estoque e está orientando os clientes para que se dirijam aos locais que acreditam ainda ter o combustível.


Marta Rocha Pereira, 53 anos, disse que todos os dias abastece com gasolina. “É a primeira vez que uso etanol, mas tive que abastecer para não fica a pé”.


Interior


Além de Campo Grande, Dourados, Chapadão do Sul e Fátima do Sul começam a enfrentar problemas no abastecimento.


Em Dourados o problema tem sido caracterizado pela greve dos caminhoneiros, segundo fornecedores da região.


O MUBC (Movimento União Brasil Caminhoneiro anunciou que uma greve do transporte rodoviário estaria prevista para quarta-feira (25), mas ainda há sindicatos e organizações de caminhoneiros contrários à paralisação.


Logística


De acordo com o diretor de comunicação do Sinpetro, Marcos Vilalba, a Petrobras está enfrenta um problema em sua logística. “É momentâneo e até quinta-feira deve estar resolvido”.


Vilalba ressaltou que está sendo fracionada a distribuição de forma que não haja colapso. “A Petrobras é responsável por mais ou menos 70% da revenda hoje, com isso impacta no resto e a venda dos outros cresce momentaneamente”.


O diretor enfocou que o etanol é uma alternativa e que em muitos postos ainda há gasolina “Se não encontrar em um, encontrará em outro. Os postos que estão sem devem receber entre hoje e amanhã”, informou.


Na avalição de Vilalba apenas os postos estão perdendo.


Esclarecimento


Ao contrário do que é apontado pelos empresários e trabalhadores do transporte, a empresa responsável pelo transporte ferroviário esclareceu em nota oficial que o transporte tem ocorrido normalmente.


Confira a nota na íntegra:


Nota de esclarecimento – Abastecimento postos de combustíveis
Em relação ao racionamento na distribuição de combustível (gasolina, etanol e diesel) nos postos de Campo Grande, desde o dia 20 de julho, a empresa esclarece que:
O transporte de diesel tem transcorrido normalmente, inclusive no período referido.
Atualmente o contrato da ALL com a BR Distribuidora prevê apenas o transporta de diesel, e a ALL é responsável por no máximo 40% do volume transportado para Campo Grande (MS); o restante é de responsabilidade do transporte rodoviário.

Jornal Midiamax