Geral

Brasil sofre com erros, mas bate Itália e soma 5ª vitória no vôlei feminino

A Seleção Brasileira feminina de vôlei conquistou neste sábado sua quinta vitória em cinco jogos pelo Grand Prix 2012. Jogando pela segunda rodada do Grupo E da competição, as comandadas de José Roberto Guimarães voltaram a enfrentar a irregularidade no começo da partida, mas derrotaram a Itália por 3 sets a 2 (parciais de 26/24, […]

Arquivo Publicado em 17/06/2012, às 01h31

None

A Seleção Brasileira feminina de vôlei conquistou neste sábado sua quinta vitória em cinco jogos pelo Grand Prix 2012. Jogando pela segunda rodada do Grupo E da competição, as comandadas de José Roberto Guimarães voltaram a enfrentar a irregularidade no começo da partida, mas derrotaram a Itália por 3 sets a 2 (parciais de 26/24, 14/25, 25/15, 24/26 e 16/14) e mantiveram a invencibilidade na competição.

O principal destaque do Brasil foi a oposto Sheilla, com 19 pontos, seguidos dos 15 de Thaisa. Pela Itália, destaque para Francesca Piccinini, com 25 pontos.

Com o resultado, o Brasil chega a 12 pontos no torneio – foram seis pontos três vitórias por 3 sets a 2 da primeira semana, e outros seis pelas vitórias por placares mais elásticos nos jogos deste fim de semana, no Ginásio Adib Moysés Dib, em São Bernardo do Campo. Na véspera, as brasileiras passaram pela Alemanha também por 3 sets a 1.

O time voltará a entrar em quadra neste domingo, às 13h15 (de Brasília), para enfrentar os Estados Unidos. As americanas lideram a competição com 15 pontos, com cinco vitórias em cinco jogos – todas valeram três pontos, já que nenhuma aconteceu pelo apertado placar de 3 sets a 2. Assim, mesmo se vencer sua terceira partida no ABC Paulista, o Brasil não assume a liderança em virtude do critério de sets average.

A quinta vitória americana veio neste sábado, na preliminar do jogo entre Brasil e Itália: 3 sets a 0 sobre a Alemanha, com parciais de 25/23, 25/23 e 25/17. Neste domingo, às 15h15, italianas e alemãs se enfrentam e encerram o Grupo E. A partida também acontece em São Bernardo do Campo.

O jogo

O Brasil entrou em quadra com Fabiana, Paula Pequeno, Thaísa, Jaqueline, Fabi (líbero) e Fabíola, enquanto a Itália foi escalada sem a líbero Monica de Gennaro, com Anzanello, Rondon, Ortolani, Piccinini, Bosetti e Folie. E a exemplo do que aconteceu na véspera, diante da Alemanha, as comandadas de José Roberto Guimarães começaram a partida cometendo diversos erros de ataque. Até a primeira parada técnica, com 8/5 para as rivais, o time não conseguiu estar à frente do placar em nenhum momento – no máximo, empatou em 4/4. O panorama não mudou nos minutos seguintes, e a equipe de Marco Bracci chegou a fazer 12/7 em um erro de saque de Jaqueline.

As donas da casa conseguiram reagir e encostaram no placar, com 13/12 para as italianas, graças aos saques de Sheilla. Porém, as adversárias conseguiram manter o controle em momentos decisivos, como nos saques de Fabiana (17/16) e Jaqueline (20/19) que poderiam empatar a parcial. Tudo parecia perdido quando a Itália abriu 24/21, mas a entrada de Priscila para sacar na vaga de Paula Pequeno causou a reviravolta: com o serviço da camisa 25 atrapalhando a defesa italiana, o Brasil conseguiu uma improvável virada e fechou em 26/24, com Jaqueline baixando a bola na rede.

No segundo set, com Mari em quadra pelo Brasil, o equilíbrio se manteve, e a primeira parada técnica acontece quando a equipe de José Roberto Guimarães vencia por 8/7. Na segunda, porém, foi Zé Roberto quem chamou suas atletas ao banco quando o placar indicava 13/10 para a Itália. Pior: com Ortolani inspirada no saque, as italianas abriram 15/11 e deram indícios de que poderiam empatar o jogos em São Bernardo do Campo.

Assim como fez no primeiro tempo, o técnico do Brasil sacou Paula Pequeno para a entrada de Priscila. Entretanto, diante dos eficientes serviços das italianas e dos sucessivos erros de ataque, a Seleção não conseguiria repetir a virada conquistada no set anterior. Resultado: em apenas 22 minutos, a Itália fechou o segundo set em 25/14, graças a um ataque de Anzanello – no caso, o 17º ataque italiano na parcial.

O bom jogo das brasileiras só apareceu no terceiro set, quando conseguiram abrir 4/0 logo de cara. Desta vez, o saque voltou a entrar com eficiência e a defesa italiana não conseguia sucesso na recepção: com Fabíola servindo e um bloqueio duplo de Thaisa e Sheilla, o Brasil abriu 12/7, sua maior vantagem até então ao longo de toda a partida.

Com 19/12, Zé Roberto mais uma vez colocou Priscila em quadra – agora, no lugar de Fabiana, em substituição que durou pouco. Graças à eficiência de Sheilla (seis pontos) e Jaqueline, e aos 16 pontos de ataque, o Brasil conseguiu manter a vantagem confortável até o final da parcial. Assim, com um saque venenoso de Thaísa, o Brasil deu o troco e fez 2 sets a 1, com 25/15 em 22 minutos.

No quarto set, mesmo com um bom começo, o Brasil permitiu que a Itália virasse e fizesse 12/9, assustando a torcida. A Seleção reagiu e encostou, diminuindo para 12/11 em uma bola que Lucia Bosetti esperou cair fora da quadra, e que pingou dentro. Mesmo com dificuldades, as donas da casa foram atrás e conseguiram o empate, em ataque de Sheilla que desviou no bloqueio antes de ir para fora.

Com 16/16 no placar, a Seleção conseguiu marcar seu 17º ponto em uma improvável manchete de Fabi que caiu do outro lado da quadra. A Itália chegou a fazer 21/19 no placar, mas um erro de ataque de Ortolani empatou o marcador, 21/21. Mais uma parada técnica, e Thaísa virou o jogo em um bloqueio – mas empurrado pela torcida, o time levou a virada e tomou o 26/24, com novo empate.

No quinto e decisivo set, o Brasil conseguiu abrir uma vantagem segura de três pontos na primeira parada técnica: 6/3. Com 11/8 no placar, Thaísa sacou e complicou a recepção italiana, fazendo o 12º ponto do Brasil no tie-break. A facilidade, porém, caiu por terra com sucessivos erros de recepção do Brasil, que levaram o jogo ao empate por 13/13.

No fim, Sheilla ainda errou um ataque fácil, cortando na fita e deixando a Itália a um ponto da vitória: 14/13. Mas o Brasil virou, 15/14, com um ataque italiano para fora; aí, em belo rali, Paula Pequeno atacou pela direita e conquistou a vitória: 16/14.')’>>A Seleção Brasileira feminina de vôlei conquistou neste sábado sua quinta vitória em cinco jogos pelo Grand Prix 2012. Jogando pela segunda rodada do Grupo E da competição, as comandadas de José Roberto Guimarães voltaram a enfrentar a irregularidade no começo da partida, mas derrotaram a Itália por 3 sets a 2 (parciais de 26/24, 14/25, 25/15, 24/26 e 16/14) e mantiveram a invencibilidade na competição.

O principal destaque do Brasil foi a oposto Sheilla, com 19 pontos, seguidos dos 15 de Thaisa. Pela Itália, destaque para Francesca Piccinini, com 25 pontos.

Com o resultado, o Brasil chega a 12 pontos no torneio – foram seis pontos três vitórias por 3 sets a 2 da primeira semana, e outros seis pelas vitórias por placares mais elásticos nos jogos deste fim de semana, no Ginásio Adib Moysés Dib, em São Bernardo do Campo. Na véspera, as brasileiras passaram pela Alemanha também por 3 sets a 1.

O time voltará a entrar em quadra neste domingo, às 13h15 (de Brasília), para enfrentar os Estados Unidos. As americanas lideram a competição com 15 pontos, com cinco vitórias em cinco jogos – todas valeram três pontos, já que nenhuma aconteceu pelo apertado placar de 3 sets a 2. Assim, mesmo se vencer sua terceira partida no ABC Paulista, o Brasil não assume a liderança em virtude do critério de sets average.

A quinta vitória americana veio neste sábado, na preliminar do jogo entre Brasil e Itália: 3 sets a 0 sobre a Alemanha, com parciais de 25/23, 25/23 e 25/17. Neste domingo, às 15h15, italianas e alemãs se enfrentam e encerram o Grupo E. A partida também acontece em São Bernardo do Campo.

O jogo

O Brasil entrou em quadra com Fabiana, Paula Pequeno, Thaísa, Jaqueline, Fabi (líbero) e Fabíola, enquanto a Itália foi escalada sem a líbero Monica de Gennaro, com Anzanello, Rondon, Ortolani, Piccinini, Bosetti e Folie. E a exemplo do que aconteceu na véspera, diante da Alemanha, as comandadas de José Roberto Guimarães começaram a partida cometendo diversos erros de ataque. Até a primeira parada técnica, com 8/5 para as rivais, o time não conseguiu estar à frente do placar em nenhum momento – no máximo, empatou em 4/4. O panorama não mudou nos minutos seguintes, e a equipe de Marco Bracci chegou a fazer 12/7 em um erro de saque de Jaqueline.

As donas da casa conseguiram reagir e encostaram no placar, com 13/12 para as italianas, graças aos saques de Sheilla. Porém, as adversárias conseguiram manter o controle em momentos decisivos, como nos saques de Fabiana (17/16) e Jaqueline (20/19) que poderiam empatar a parcial. Tudo parecia perdido quando a Itália abriu 24/21, mas a entrada de Priscila para sacar na vaga de Paula Pequeno causou a reviravolta: com o serviço da camisa 25 atrapalhando a defesa italiana, o Brasil conseguiu uma improvável virada e fechou em 26/24, com Jaqueline baixando a bola na rede.

No segundo set, com Mari em quadra pelo Brasil, o equilíbrio se manteve, e a primeira parada técnica acontece quando a equipe de José Roberto Guimarães vencia por 8/7. Na segunda, porém, foi Zé Roberto quem chamou suas atletas ao banco quando o placar indicava 13/10 para a Itália. Pior: com Ortolani inspirada no saque, as italianas abriram 15/11 e deram indícios de que poderiam empatar o jogos em São Bernardo do Campo.

Assim como fez no primeiro tempo, o técnico do Brasil sacou Paula Pequeno para a entrada de Priscila. Entretanto, diante dos eficientes serviços das italianas e dos sucessivos erros de ataque, a Seleção não conseguiria repetir a virada conquistada no set anterior. Resultado: em apenas 22 minutos, a Itália fechou o segundo set em 25/14, graças a um ataque de Anzanello – no caso, o 17º ataque italiano na parcial.

O bom jogo das brasileiras só apareceu no terceiro set, quando conseguiram abrir 4/0 logo de cara. Desta vez, o saque voltou a entrar com eficiência e a defesa italiana não conseguia sucesso na recepção: com Fabíola servindo e um bloqueio duplo de Thaisa e Sheilla, o Brasil abriu 12/7, sua maior vantagem até então ao longo de toda a partida.

Com 19/12, Zé Roberto mais uma vez colocou Priscila em quadra – agora, no lugar de Fabiana, em substituição que durou pouco. Graças à eficiência de Sheilla (seis pontos) e Jaqueline, e aos 16 pontos de ataque, o Brasil conseguiu manter a vantagem confortável até o final da parcial. Assim, com um saque venenoso de Thaísa, o Brasil deu o troco e fez 2 sets a 1, com 25/15 em 22 minutos.

No quarto set, mesmo com um bom começo, o Brasil permitiu que a Itália virasse e fizesse 12/9, assustando a torcida. A Seleção reagiu e encostou, diminuindo para 12/11 em uma bola que Lucia Bosetti esperou cair fora da quadra, e que pingou dentro. Mesmo com dificuldades, as donas da casa foram atrás e conseguiram o empate, em ataque de Sheilla que desviou no bloqueio antes de ir para fora.

Com 16/16 no placar, a Seleção conseguiu marcar seu 17º ponto em uma improvável manchete de Fabi que caiu do outro lado da quadra. A Itália chegou a fazer 21/19 no placar, mas um erro de ataque de Ortolani empatou o marcador, 21/21. Mais uma parada técnica, e Thaísa virou o jogo em um bloqueio – mas empurrado pela torcida, o time levou a virada e tomou o 26/24, com novo empate.

No quinto e decisivo set, o Brasil conseguiu abrir uma vantagem segura de três pontos na primeira parada técnica: 6/3. Com 11/8 no placar, Thaísa sacou e complicou a recepção italiana, fazendo o 12º ponto do Brasil no tie-break. A facilidade, porém, caiu por terra com sucessivos erros de recepção do Brasil, que levaram o jogo ao empate por 13/13.

No fim, Sheilla ainda errou um ataque fácil, cortando na fita e deixando a Itália a um ponto da vitória: 14/13. Mas o Brasil virou, 15/14, com um ataque italiano para fora; aí, em belo rali, Paula Pequeno atacou pela direita e conquistou a vitória: 16/14.

>O principal destaque do Brasil foi a oposto Sheilla, com 19 pontos, seguidos dos 15 de Thaisa. Pela Itália, destaque para Francesca Piccinini, com 25 pontos.
A Seleção Brasileira feminina de vôlei conquistou neste sábado sua quinta vitória em cinco jogos pelo Grand Prix 2012. Jogando pela segunda rodada do Grupo E da competição, as comandadas de José Roberto Guimarães voltaram a enfrentar a irregularidade no começo da partida, mas derrotaram a Itália por 3 sets a 2 (parciais de 26/24, 14/25, 25/15, 24/26 e 16/14) e mantiveram a invencibilidade na competição.

O principal destaque do Brasil foi a oposto Sheilla, com 19 pontos, seguidos dos 15 de Thaisa. Pela Itália, destaque para Francesca Piccinini, com 25 pontos.

Com o resultado, o Brasil chega a 12 pontos no torneio – foram seis pontos três vitórias por 3 sets a 2 da primeira semana, e outros seis pelas vitórias por placares mais elásticos nos jogos deste fim de semana, no Ginásio Adib Moysés Dib, em São Bernardo do Campo. Na véspera, as brasileiras passaram pela Alemanha também por 3 sets a 1.

O time voltará a entrar em quadra neste domingo, às 13h15 (de Brasília), para enfrentar os Estados Unidos. As americanas lideram a competição com 15 pontos, com cinco vitórias em cinco jogos – todas valeram três pontos, já que nenhuma aconteceu pelo apertado placar de 3 sets a 2. Assim, mesmo se vencer sua terceira partida no ABC Paulista, o Brasil não assume a liderança em virtude do critério de sets average.

A quinta vitória americana veio neste sábado, na preliminar do jogo entre Brasil e Itália: 3 sets a 0 sobre a Alemanha, com parciais de 25/23, 25/23 e 25/17. Neste domingo, às 15h15, italianas e alemãs se enfrentam e encerram o Grupo E. A partida também acontece em São Bernardo do Campo.

O jogo

O Brasil entrou em quadra com Fabiana, Paula Pequeno, Thaísa, Jaqueline, Fabi (líbero) e Fabíola, enquanto a Itália foi escalada sem a líbero Monica de Gennaro, com Anzanello, Rondon, Ortolani, Piccinini, Bosetti e Folie. E a exemplo do que aconteceu na véspera, diante da Alemanha, as comandadas de José Roberto Guimarães começaram a partida cometendo diversos erros de ataque. Até a primeira parada técnica, com 8/5 para as rivais, o time não conseguiu estar à frente do placar em nenhum momento – no máximo, empatou em 4/4. O panorama não mudou nos minutos seguintes, e a equipe de Marco Bracci chegou a fazer 12/7 em um erro de saque de Jaqueline.

As donas da casa conseguiram reagir e encostaram no placar, com 13/12 para as italianas, graças aos saques de Sheilla. Porém, as adversárias conseguiram manter o controle em momentos decisivos, como nos saques de Fabiana (17/16) e Jaqueline (20/19) que poderiam empatar a parcial. Tudo parecia perdido quando a Itália abriu 24/21, mas a entrada de Priscila para sacar na vaga de Paula Pequeno causou a reviravolta: com o serviço da camisa 25 atrapalhando a defesa italiana, o Brasil conseguiu uma improvável virada e fechou em 26/24, com Jaqueline baixando a bola na rede.

No segundo set, com Mari em quadra pelo Brasil, o equilíbrio se manteve, e a primeira parada técnica acontece quando a equipe de José Roberto Guimarães vencia por 8/7. Na segunda, porém, foi Zé Roberto quem chamou suas atletas ao banco quando o placar indicava 13/10 para a Itália. Pior: com Ortolani inspirada no saque, as italianas abriram 15/11 e deram indícios de que poderiam empatar o jogos em São Bernardo do Campo.

Assim como fez no primeiro tempo, o técnico do Brasil sacou Paula Pequeno para a entrada de Priscila. Entretanto, diante dos eficientes serviços das italianas e dos sucessivos erros de ataque, a Seleção não conseguiria repetir a virada conquistada no set anterior. Resultado: em apenas 22 minutos, a Itália fechou o segundo set em 25/14, graças a um ataque de Anzanello – no caso, o 17º ataque italiano na parcial.

O bom jogo das brasileiras só apareceu no terceiro set, quando conseguiram abrir 4/0 logo de cara. Desta vez, o saque voltou a entrar com eficiência e a defesa italiana não conseguia sucesso na recepção: com Fabíola servindo e um bloqueio duplo de Thaisa e Sheilla, o Brasil abriu 12/7, sua maior vantagem até então ao longo de toda a partida.

Com 19/12, Zé Roberto mais uma vez colocou Priscila em quadra – agora, no lugar de Fabiana, em substituição que durou pouco. Graças à eficiência de Sheilla (seis pontos) e Jaqueline, e aos 16 pontos de ataque, o Brasil conseguiu manter a vantagem confortável até o final da parcial. Assim, com um saque venenoso de Thaísa, o Brasil deu o troco e fez 2 sets a 1, com 25/15 em 22 minutos.

No quarto set, mesmo com um bom começo, o Brasil permitiu que a Itália virasse e fizesse 12/9, assustando a torcida. A Seleção reagiu e encostou, diminuindo para 12/11 em uma bola que Lucia Bosetti esperou cair fora da quadra, e que pingou dentro. Mesmo com dificuldades, as donas da casa foram atrás e conseguiram o empate, em ataque de Sheilla que desviou no bloqueio antes de ir para fora.

Com 16/16 no placar, a Seleção conseguiu marcar seu 17º ponto em uma improvável manchete de Fabi que caiu do outro lado da quadra. A Itália chegou a fazer 21/19 no placar, mas um erro de ataque de Ortolani empatou o marcador, 21/21. Mais uma parada técnica, e Thaísa virou o jogo em um bloqueio – mas empurrado pela torcida, o time levou a virada e tomou o 26/24, com novo empate.

No quinto e decisivo set, o Brasil conseguiu abrir uma vantagem segura de três pontos na primeira parada técnica: 6/3. Com 11/8 no placar, Thaísa sacou e complicou a recepção italiana, fazendo o 12º ponto do Brasil no tie-break. A facilidade, porém, caiu por terra com sucessivos erros de recepção do Brasil, que levaram o jogo ao empate por 13/13.

No fim, Sheilla ainda errou um ataque fácil, cortando na fita e deixando a Itália a um ponto da vitória: 14/13. Mas o Brasil virou, 15/14, com um ataque italiano para fora; aí, em belo rali, Paula Pequeno atacou pela direita e conquistou a vitória: 16/14.')’>>A Seleção Brasileira feminina de vôlei conquistou neste sábado sua quinta vitória em cinco jogos pelo Grand Prix 2012. Jogando pela segunda rodada do Grupo E da competição, as comandadas de José Roberto Guimarães voltaram a enfrentar a irregularidade no começo da partida, mas derrotaram a Itália por 3 sets a 2 (parciais de 26/24, 14/25, 25/15, 24/26 e 16/14) e mantiveram a invencibilidade na competição.

O principal destaque do Brasil foi a oposto Sheilla, com 19 pontos, seguidos dos 15 de Thaisa. Pela Itália, destaque para Francesca Piccinini, com 25 pontos.

Com o resultado, o Brasil chega a 12 pontos no torneio – foram seis pontos três vitórias por 3 sets a 2 da primeira semana, e outros seis pelas vitórias por placares mais elásticos nos jogos deste fim de semana, no Ginásio Adib Moysés Dib, em São Bernardo do Campo. Na véspera, as brasileiras passaram pela Alemanha também por 3 sets a 1.

O time voltará a entrar em quadra neste domingo, às 13h15 (de Brasília), para enfrentar os Estados Unidos. As americanas lideram a competição com 15 pontos, com cinco vitórias em cinco jogos – todas valeram três pontos, já que nenhuma aconteceu pelo apertado placar de 3 sets a 2. Assim, mesmo se vencer sua terceira partida no ABC Paulista, o Brasil não assume a liderança em virtude do critério de sets average.

A quinta vitória americana veio neste sábado, na preliminar do jogo entre Brasil e Itália: 3 sets a 0 sobre a Alemanha, com parciais de 25/23, 25/23 e 25/17. Neste domingo, às 15h15, italianas e alemãs se enfrentam e encerram o Grupo E. A partida também acontece em São Bernardo do Campo.

O jogo

O Brasil entrou em quadra com Fabiana, Paula Pequeno, Thaísa, Jaqueline, Fabi (líbero) e Fabíola, enquanto a Itália foi escalada sem a líbero Monica de Gennaro, com Anzanello, Rondon, Ortolani, Piccinini, Bosetti e Folie. E a exemplo do que aconteceu na véspera, diante da Alemanha, as comandadas de José Roberto Guimarães começaram a partida cometendo diversos erros de ataque. Até a primeira parada técnica, com 8/5 para as rivais, o time não conseguiu estar à frente do placar em nenhum momento – no máximo, empatou em 4/4. O panorama não mudou nos minutos seguintes, e a equipe de Marco Bracci chegou a fazer 12/7 em um erro de saque de Jaqueline.

As donas da casa conseguiram reagir e encostaram no placar, com 13/12 para as italianas, graças aos saques de Sheilla. Porém, as adversárias conseguiram manter o controle em momentos decisivos, como nos saques de Fabiana (17/16) e Jaqueline (20/19) que poderiam empatar a parcial. Tudo parecia perdido quando a Itália abriu 24/21, mas a entrada de Priscila para sacar na vaga de Paula Pequeno causou a reviravolta: com o serviço da camisa 25 atrapalhando a defesa italiana, o Brasil conseguiu uma improvável virada e fechou em 26/24, com Jaqueline baixando a bola na rede.

No segundo set, com Mari em quadra pelo Brasil, o equilíbrio se manteve, e a primeira parada técnica acontece quando a equipe de José Roberto Guimarães vencia por 8/7. Na segunda, porém, foi Zé Roberto quem chamou suas atletas ao banco quando o placar indicava 13/10 para a Itália. Pior: com Ortolani inspirada no saque, as italianas abriram 15/11 e deram indícios de que poderiam empatar o jogos em São Bernardo do Campo.

Assim como fez no primeiro tempo, o técnico do Brasil sacou Paula Pequeno para a entrada de Priscila. Entretanto, diante dos eficientes serviços das italianas e dos sucessivos erros de ataque, a Seleção não conseguiria repetir a virada conquistada no set anterior. Resultado: em apenas 22 minutos, a Itália fechou o segundo set em 25/14, graças a um ataque de Anzanello – no caso, o 17º ataque italiano na parcial.

O bom jogo das brasileiras só apareceu no terceiro set, quando conseguiram abrir 4/0 logo de cara. Desta vez, o saque voltou a entrar com eficiência e a defesa italiana não conseguia sucesso na recepção: com Fabíola servindo e um bloqueio duplo de Thaisa e Sheilla, o Brasil abriu 12/7, sua maior vantagem até então ao longo de toda a partida.

Com 19/12, Zé Roberto mais uma vez colocou Priscila em quadra – agora, no lugar de Fabiana, em substituição que durou pouco. Graças à eficiência de Sheilla (seis pontos) e Jaqueline, e aos 16 pontos de ataque, o Brasil conseguiu manter a vantagem confortável até o final da parcial. Assim, com um saque venenoso de Thaísa, o Brasil deu o troco e fez 2 sets a 1, com 25/15 em 22 minutos.

No quarto set, mesmo com um bom começo, o Brasil permitiu que a Itália virasse e fizesse 12/9, assustando a torcida. A Seleção reagiu e encostou, diminuindo para 12/11 em uma bola que Lucia Bosetti esperou cair fora da quadra, e que pingou dentro. Mesmo com dificuldades, as donas da casa foram atrás e conseguiram o empate, em ataque de Sheilla que desviou no bloqueio antes de ir para fora.

Com 16/16 no placar, a Seleção conseguiu marcar seu 17º ponto em uma improvável manchete de Fabi que caiu do outro lado da quadra. A Itália chegou a fazer 21/19 no placar, mas um erro de ataque de Ortolani empatou o marcador, 21/21. Mais uma parada técnica, e Thaísa virou o jogo em um bloqueio – mas empurrado pela torcida, o time levou a virada e tomou o 26/24, com novo empate.

No quinto e decisivo set, o Brasil conseguiu abrir uma vantagem segura de três pontos na primeira parada técnica: 6/3. Com 11/8 no placar, Thaísa sacou e complicou a recepção italiana, fazendo o 12º ponto do Brasil no tie-break. A facilidade, porém, caiu por terra com sucessivos erros de recepção do Brasil, que levaram o jogo ao empate por 13/13.

No fim, Sheilla ainda errou um ataque fácil, cortando na fita e deixando a Itália a um ponto da vitória: 14/13. Mas o Brasil virou, 15/14, com um ataque italiano para fora; aí, em belo rali, Paula Pequeno atacou pela direita e conquistou a vitória: 16/14.

>O time voltará a entrar em quadra neste domingo, às 13h15 (de Brasília), para enfrentar os Estados Unidos. As americanas lideram a competição com 15 pontos, com cinco vitórias em cinco jogos – todas valeram três pontos, já que nenhuma aconteceu pelo apertado placar de 3 sets a 2. Assim, mesmo se vencer sua terceira partida no ABC Paulista, o Brasil não assume a liderança em virtude do critério de sets average.
A Seleção Brasileira feminina de vôlei conquistou neste sábado sua quinta vitória em cinco jogos pelo Grand Prix 2012. Jogando pela segunda rodada do Grupo E da competição, as comandadas de José Roberto Guimarães voltaram a enfrentar a irregularidade no começo da partida, mas derrotaram a Itália por 3 sets a 2 (parciais de 26/24, 14/25, 25/15, 24/26 e 16/14) e mantiveram a invencibilidade na competição.

O principal destaque do Brasil foi a oposto Sheilla, com 19 pontos, seguidos dos 15 de Thaisa. Pela Itália, destaque para Francesca Piccinini, com 25 pontos.

Com o resultado, o Brasil chega a 12 pontos no torneio – foram seis pontos três vitórias por 3 sets a 2 da primeira semana, e outros seis pelas vitórias por placares mais elásticos nos jogos deste fim de semana, no Ginásio Adib Moysés Dib, em São Bernardo do Campo. Na véspera, as brasileiras passaram pela Alemanha também por 3 sets a 1.

O time voltará a entrar em quadra neste domingo, às 13h15 (de Brasília), para enfrentar os Estados Unidos. As americanas lideram a competição com 15 pontos, com cinco vitórias em cinco jogos – todas valeram três pontos, já que nenhuma aconteceu pelo apertado placar de 3 sets a 2. Assim, mesmo se vencer sua terceira partida no ABC Paulista, o Brasil não assume a liderança em virtude do critério de sets average.

A quinta vitória americana veio neste sábado, na preliminar do jogo entre Brasil e Itália: 3 sets a 0 sobre a Alemanha, com parciais de 25/23, 25/23 e 25/17. Neste domingo, às 15h15, italianas e alemãs se enfrentam e encerram o Grupo E. A partida também acontece em São Bernardo do Campo.

O jogo

O Brasil entrou em quadra com Fabiana, Paula Pequeno, Thaísa, Jaqueline, Fabi (líbero) e Fabíola, enquanto a Itália foi escalada sem a líbero Monica de Gennaro, com Anzanello, Rondon, Ortolani, Piccinini, Bosetti e Folie. E a exemplo do que aconteceu na véspera, diante da Alemanha, as comandadas de José Roberto Guimarães começaram a partida cometendo diversos erros de ataque. Até a primeira parada técnica, com 8/5 para as rivais, o time não conseguiu estar à frente do placar em nenhum momento – no máximo, empatou em 4/4. O panorama não mudou nos minutos seguintes, e a equipe de Marco Bracci chegou a fazer 12/7 em um erro de saque de Jaqueline.

As donas da casa conseguiram reagir e encostaram no placar, com 13/12 para as italianas, graças aos saques de Sheilla. Porém, as adversárias conseguiram manter o controle em momentos decisivos, como nos saques de Fabiana (17/16) e Jaqueline (20/19) que poderiam empatar a parcial. Tudo parecia perdido quando a Itália abriu 24/21, mas a entrada de Priscila para sacar na vaga de Paula Pequeno causou a reviravolta: com o serviço da camisa 25 atrapalhando a defesa italiana, o Brasil conseguiu uma improvável virada e fechou em 26/24, com Jaqueline baixando a bola na rede.

No segundo set, com Mari em quadra pelo Brasil, o equilíbrio se manteve, e a primeira parada técnica acontece quando a equipe de José Roberto Guimarães vencia por 8/7. Na segunda, porém, foi Zé Roberto quem chamou suas atletas ao banco quando o placar indicava 13/10 para a Itália. Pior: com Ortolani inspirada no saque, as italianas abriram 15/11 e deram indícios de que poderiam empatar o jogos em São Bernardo do Campo.

Assim como fez no primeiro tempo, o técnico do Brasil sacou Paula Pequeno para a entrada de Priscila. Entretanto, diante dos eficientes serviços das italianas e dos sucessivos erros de ataque, a Seleção não conseguiria repetir a virada conquistada no set anterior. Resultado: em apenas 22 minutos, a Itália fechou o segundo set em 25/14, graças a um ataque de Anzanello – no caso, o 17º ataque italiano na parcial.

O bom jogo das brasileiras só apareceu no terceiro set, quando conseguiram abrir 4/0 logo de cara. Desta vez, o saque voltou a entrar com eficiência e a defesa italiana não conseguia sucesso na recepção: com Fabíola servindo e um bloqueio duplo de Thaisa e Sheilla, o Brasil abriu 12/7, sua maior vantagem até então ao longo de toda a partida.

Com 19/12, Zé Roberto mais uma vez colocou Priscila em quadra – agora, no lugar de Fabiana, em substituição que durou pouco. Graças à eficiência de Sheilla (seis pontos) e Jaqueline, e aos 16 pontos de ataque, o Brasil conseguiu manter a vantagem confortável até o final da parcial. Assim, com um saque venenoso de Thaísa, o Brasil deu o troco e fez 2 sets a 1, com 25/15 em 22 minutos.

No quarto set, mesmo com um bom começo, o Brasil permitiu que a Itália virasse e fizesse 12/9, assustando a torcida. A Seleção reagiu e encostou, diminuindo para 12/11 em uma bola que Lucia Bosetti esperou cair fora da quadra, e que pingou dentro. Mesmo com dificuldades, as donas da casa foram atrás e conseguiram o empate, em ataque de Sheilla que desviou no bloqueio antes de ir para fora.

Com 16/16 no placar, a Seleção conseguiu marcar seu 17º ponto em uma improvável manchete de Fabi que caiu do outro lado da quadra. A Itália chegou a fazer 21/19 no placar, mas um erro de ataque de Ortolani empatou o marcador, 21/21. Mais uma parada técnica, e Thaísa virou o jogo em um bloqueio – mas empurrado pela torcida, o time levou a virada e tomou o 26/24, com novo empate.

No quinto e decisivo set, o Brasil conseguiu abrir uma vantagem segura de três pontos na primeira parada técnica: 6/3. Com 11/8 no placar, Thaísa sacou e complicou a recepção italiana, fazendo o 12º ponto do Brasil no tie-break. A facilidade, porém, caiu por terra com sucessivos erros de recepção do Brasil, que levaram o jogo ao empate por 13/13.

No fim, Sheilla ainda errou um ataque fácil, cortando na fita e deixando a Itália a um ponto da vitória: 14/13. Mas o Brasil virou, 15/14, com um ataque italiano para fora; aí, em belo rali, Paula Pequeno atacou pela direita e conquistou a vitória: 16/14.')’>>A Seleção Brasileira feminina de vôlei conquistou neste sábado sua quinta vitória em cinco jogos pelo Grand Prix 2012. Jogando pela segunda rodada do Grupo E da competição, as comandadas de José Roberto Guimarães voltaram a enfrentar a irregularidade no começo da partida, mas derrotaram a Itália por 3 sets a 2 (parciais de 26/24, 14/25, 25/15, 24/26 e 16/14) e mantiveram a invencibilidade na competição.

O principal destaque do Brasil foi a oposto Sheilla, com 19 pontos, seguidos dos 15 de Thaisa. Pela Itália, destaque para Francesca Piccinini, com 25 pontos.

Com o resultado, o Brasil chega a 12 pontos no torneio – foram seis pontos três vitórias por 3 sets a 2 da primeira semana, e outros seis pelas vitórias por placares mais elásticos nos jogos deste fim de semana, no Ginásio Adib Moysés Dib, em São Bernardo do Campo. Na véspera, as brasileiras passaram pela Alemanha também por 3 sets a 1.

O time voltará a entrar em quadra neste domingo, às 13h15 (de Brasília), para enfrentar os Estados Unidos. As americanas lideram a competição com 15 pontos, com cinco vitórias em cinco jogos – todas valeram três pontos, já que nenhuma aconteceu pelo apertado placar de 3 sets a 2. Assim, mesmo se vencer sua terceira partida no ABC Paulista, o Brasil não assume a liderança em virtude do critério de sets average.

A quinta vitória americana veio neste sábado, na preliminar do jogo entre Brasil e Itália: 3 sets a 0 sobre a Alemanha, com parciais de 25/23, 25/23 e 25/17. Neste domingo, às 15h15, italianas e alemãs se enfrentam e encerram o Grupo E. A partida também acontece em São Bernardo do Campo.

O jogo

O Brasil entrou em quadra com Fabiana, Paula Pequeno, Thaísa, Jaqueline, Fabi (líbero) e Fabíola, enquanto a Itália foi escalada sem a líbero Monica de Gennaro, com Anzanello, Rondon, Ortolani, Piccinini, Bosetti e Folie. E a exemplo do que aconteceu na véspera, diante da Alemanha, as comandadas de José Roberto Guimarães começaram a partida cometendo diversos erros de ataque. Até a primeira parada técnica, com 8/5 para as rivais, o time não conseguiu estar à frente do placar em nenhum momento – no máximo, empatou em 4/4. O panorama não mudou nos minutos seguintes, e a equipe de Marco Bracci chegou a fazer 12/7 em um erro de saque de Jaqueline.

As donas da casa conseguiram reagir e encostaram no placar, com 13/12 para as italianas, graças aos saques de Sheilla. Porém, as adversárias conseguiram manter o controle em momentos decisivos, como nos saques de Fabiana (17/16) e Jaqueline (20/19) que poderiam empatar a parcial. Tudo parecia perdido quando a Itália abriu 24/21, mas a entrada de Priscila para sacar na vaga de Paula Pequeno causou a reviravolta: com o serviço da camisa 25 atrapalhando a defesa italiana, o Brasil conseguiu uma improvável virada e fechou em 26/24, com Jaqueline baixando a bola na rede.

No segundo set, com Mari em quadra pelo Brasil, o equilíbrio se manteve, e a primeira parada técnica acontece quando a equipe de José Roberto Guimarães vencia por 8/7. Na segunda, porém, foi Zé Roberto quem chamou suas atletas ao banco quando o placar indicava 13/10 para a Itália. Pior: com Ortolani inspirada no saque, as italianas abriram 15/11 e deram indícios de que poderiam empatar o jogos em São Bernardo do Campo.

Assim como fez no primeiro tempo, o técnico do Brasil sacou Paula Pequeno para a entrada de Priscila. Entretanto, diante dos eficientes serviços das italianas e dos sucessivos erros de ataque, a Seleção não conseguiria repetir a virada conquistada no set anterior. Resultado: em apenas 22 minutos, a Itália fechou o segundo set em 25/14, graças a um ataque de Anzanello – no caso, o 17º ataque italiano na parcial.

O bom jogo das brasileiras só apareceu no terceiro set, quando conseguiram abrir 4/0 logo de cara. Desta vez, o saque voltou a entrar com eficiência e a defesa italiana não conseguia sucesso na recepção: com Fabíola servindo e um bloqueio duplo de Thaisa e Sheilla, o Brasil abriu 12/7, sua maior vantagem até então ao longo de toda a partida.

Com 19/12, Zé Roberto mais uma vez colocou Priscila em quadra – agora, no lugar de Fabiana, em substituição que durou pouco. Graças à eficiência de Sheilla (seis pontos) e Jaqueline, e aos 16 pontos de ataque, o Brasil conseguiu manter a vantagem confortável até o final da parcial. Assim, com um saque venenoso de Thaísa, o Brasil deu o troco e fez 2 sets a 1, com 25/15 em 22 minutos.

No quarto set, mesmo com um bom começo, o Brasil permitiu que a Itália virasse e fizesse 12/9, assustando a torcida. A Seleção reagiu e encostou, diminuindo para 12/11 em uma bola que Lucia Bosetti esperou cair fora da quadra, e que pingou dentro. Mesmo com dificuldades, as donas da casa foram atrás e conseguiram o empate, em ataque de Sheilla que desviou no bloqueio antes de ir para fora.

Com 16/16 no placar, a Seleção conseguiu marcar seu 17º ponto em uma improvável manchete de Fabi que caiu do outro lado da quadra. A Itália chegou a fazer 21/19 no placar, mas um erro de ataque de Ortolani empatou o marcador, 21/21. Mais uma parada técnica, e Thaísa virou o jogo em um bloqueio – mas empurrado pela torcida, o time levou a virada e tomou o 26/24, com novo empate.

No quinto e decisivo set, o Brasil conseguiu abrir uma vantagem segura de três pontos na primeira parada técnica: 6/3. Com 11/8 no placar, Thaísa sacou e complicou a recepção italiana, fazendo o 12º ponto do Brasil no tie-break. A facilidade, porém, caiu por terra com sucessivos erros de recepção do Brasil, que levaram o jogo ao empate por 13/13.

No fim, Sheilla ainda errou um ataque fácil, cortando na fita e deixando a Itália a um ponto da vitória: 14/13. Mas o Brasil virou, 15/14, com um ataque italiano para fora; aí, em belo rali, Paula Pequeno atacou pela direita e conquistou a vitória: 16/14.

>O jogo
A Seleção Brasileira feminina de vôlei conquistou neste sábado sua quinta vitória em cinco jogos pelo Grand Prix 2012. Jogando pela segunda rodada do Grupo E da competição, as comandadas de José Roberto Guimarães voltaram a enfrentar a irregularidade no começo da partida, mas derrotaram a Itália por 3 sets a 2 (parciais de 26/24, 14/25, 25/15, 24/26 e 16/14) e mantiveram a invencibilidade na competição.

O principal destaque do Brasil foi a oposto Sheilla, com 19 pontos, seguidos dos 15 de Thaisa. Pela Itália, destaque para Francesca Piccinini, com 25 pontos.

Com o resultado, o Brasil chega a 12 pontos no torneio – foram seis pontos três vitórias por 3 sets a 2 da primeira semana, e outros seis pelas vitórias por placares mais elásticos nos jogos deste fim de semana, no Ginásio Adib Moysés Dib, em São Bernardo do Campo. Na véspera, as brasileiras passaram pela Alemanha também por 3 sets a 1.

O time voltará a entrar em quadra neste domingo, às 13h15 (de Brasília), para enfrentar os Estados Unidos. As americanas lideram a competição com 15 pontos, com cinco vitórias em cinco jogos – todas valeram três pontos, já que nenhuma aconteceu pelo apertado placar de 3 sets a 2. Assim, mesmo se vencer sua terceira partida no ABC Paulista, o Brasil não assume a liderança em virtude do critério de sets average.

A quinta vitória americana veio neste sábado, na preliminar do jogo entre Brasil e Itália: 3 sets a 0 sobre a Alemanha, com parciais de 25/23, 25/23 e 25/17. Neste domingo, às 15h15, italianas e alemãs se enfrentam e encerram o Grupo E. A partida também acontece em São Bernardo do Campo.

O jogo

O Brasil entrou em quadra com Fabiana, Paula Pequeno, Thaísa, Jaqueline, Fabi (líbero) e Fabíola, enquanto a Itália foi escalada sem a líbero Monica de Gennaro, com Anzanello, Rondon, Ortolani, Piccinini, Bosetti e Folie. E a exemplo do que aconteceu na véspera, diante da Alemanha, as comandadas de José Roberto Guimarães começaram a partida cometendo diversos erros de ataque. Até a primeira parada técnica, com 8/5 para as rivais, o time não conseguiu estar à frente do placar em nenhum momento – no máximo, empatou em 4/4. O panorama não mudou nos minutos seguintes, e a equipe de Marco Bracci chegou a fazer 12/7 em um erro de saque de Jaqueline.

As donas da casa conseguiram reagir e encostaram no placar, com 13/12 para as italianas, graças aos saques de Sheilla. Porém, as adversárias conseguiram manter o controle em momentos decisivos, como nos saques de Fabiana (17/16) e Jaqueline (20/19) que poderiam empatar a parcial. Tudo parecia perdido quando a Itália abriu 24/21, mas a entrada de Priscila para sacar na vaga de Paula Pequeno causou a reviravolta: com o serviço da camisa 25 atrapalhando a defesa italiana, o Brasil conseguiu uma improvável virada e fechou em 26/24, com Jaqueline baixando a bola na rede.

No segundo set, com Mari em quadra pelo Brasil, o equilíbrio se manteve, e a primeira parada técnica acontece quando a equipe de José Roberto Guimarães vencia por 8/7. Na segunda, porém, foi Zé Roberto quem chamou suas atletas ao banco quando o placar indicava 13/10 para a Itália. Pior: com Ortolani inspirada no saque, as italianas abriram 15/11 e deram indícios de que poderiam empatar o jogos em São Bernardo do Campo.

Assim como fez no primeiro tempo, o técnico do Brasil sacou Paula Pequeno para a entrada de Priscila. Entretanto, diante dos eficientes serviços das italianas e dos sucessivos erros de ataque, a Seleção não conseguiria repetir a virada conquistada no set anterior. Resultado: em apenas 22 minutos, a Itália fechou o segundo set em 25/14, graças a um ataque de Anzanello – no caso, o 17º ataque italiano na parcial.

O bom jogo das brasileiras só apareceu no terceiro set, quando conseguiram abrir 4/0 logo de cara. Desta vez, o saque voltou a entrar com eficiência e a defesa italiana não conseguia sucesso na recepção: com Fabíola servindo e um bloqueio duplo de Thaisa e Sheilla, o Brasil abriu 12/7, sua maior vantagem até então ao longo de toda a partida.

Com 19/12, Zé Roberto mais uma vez colocou Priscila em quadra – agora, no lugar de Fabiana, em substituição que durou pouco. Graças à eficiência de Sheilla (seis pontos) e Jaqueline, e aos 16 pontos de ataque, o Brasil conseguiu manter a vantagem confortável até o final da parcial. Assim, com um saque venenoso de Thaísa, o Brasil deu o troco e fez 2 sets a 1, com 25/15 em 22 minutos.

No quarto set, mesmo com um bom começo, o Brasil permitiu que a Itália virasse e fizesse 12/9, assustando a torcida. A Seleção reagiu e encostou, diminuindo para 12/11 em uma bola que Lucia Bosetti esperou cair fora da quadra, e que pingou dentro. Mesmo com dificuldades, as donas da casa foram atrás e conseguiram o empate, em ataque de Sheilla que desviou no bloqueio antes de ir para fora.

Com 16/16 no placar, a Seleção conseguiu marcar seu 17º ponto em uma improvável manchete de Fabi que caiu do outro lado da quadra. A Itália chegou a fazer 21/19 no placar, mas um erro de ataque de Ortolani empatou o marcador, 21/21. Mais uma parada técnica, e Thaísa virou o jogo em um bloqueio – mas empurrado pela torcida, o time levou a virada e tomou o 26/24, com novo empate.

No quinto e decisivo set, o Brasil conseguiu abrir uma vantagem segura de três pontos na primeira parada técnica: 6/3. Com 11/8 no placar, Thaísa sacou e complicou a recepção italiana, fazendo o 12º ponto do Brasil no tie-break. A facilidade, porém, caiu por terra com sucessivos erros de recepção do Brasil, que levaram o jogo ao empate por 13/13.

No fim, Sheilla ainda errou um ataque fácil, cortando na fita e deixando a Itália a um ponto da vitória: 14/13. Mas o Brasil virou, 15/14, com um ataque italiano para fora; aí, em belo rali, Paula Pequeno atacou pela direita e conquistou a vitória: 16/14.')’>>A Seleção Brasileira feminina de vôlei conquistou neste sábado sua quinta vitória em cinco jogos pelo Grand Prix 2012. Jogando pela segunda rodada do Grupo E da competição, as comandadas de José Roberto Guimarães voltaram a enfrentar a irregularidade no começo da partida, mas derrotaram a Itália por 3 sets a 2 (parciais de 26/24, 14/25, 25/15, 24/26 e 16/14) e mantiveram a invencibilidade na competição.

O principal destaque do Brasil foi a oposto Sheilla, com 19 pontos, seguidos dos 15 de Thaisa. Pela Itália, destaque para Francesca Piccinini, com 25 pontos.

Com o resultado, o Brasil chega a 12 pontos no torneio – foram seis pontos três vitórias por 3 sets a 2 da primeira semana, e outros seis pelas vitórias por placares mais elásticos nos jogos deste fim de semana, no Ginásio Adib Moysés Dib, em São Bernardo do Campo. Na véspera, as brasileiras passaram pela Alemanha também por 3 sets a 1.

O time voltará a entrar em quadra neste domingo, às 13h15 (de Brasília), para enfrentar os Estados Unidos. As americanas lideram a competição com 15 pontos, com cinco vitórias em cinco jogos – todas valeram três pontos, já que nenhuma aconteceu pelo apertado placar de 3 sets a 2. Assim, mesmo se vencer sua terceira partida no ABC Paulista, o Brasil não assume a liderança em virtude do critério de sets average.

A quinta vitória americana veio neste sábado, na preliminar do jogo entre Brasil e Itália: 3 sets a 0 sobre a Alemanha, com parciais de 25/23, 25/23 e 25/17. Neste domingo, às 15h15, italianas e alemãs se enfrentam e encerram o Grupo E. A partida também acontece em São Bernardo do Campo.

O jogo

O Brasil entrou em quadra com Fabiana, Paula Pequeno, Thaísa, Jaqueline, Fabi (líbero) e Fabíola, enquanto a Itália foi escalada sem a líbero Monica de Gennaro, com Anzanello, Rondon, Ortolani, Piccinini, Bosetti e Folie. E a exemplo do que aconteceu na véspera, diante da Alemanha, as comandadas de José Roberto Guimarães começaram a partida cometendo diversos erros de ataque. Até a primeira parada técnica, com 8/5 para as rivais, o time não conseguiu estar à frente do placar em nenhum momento – no máximo, empatou em 4/4. O panorama não mudou nos minutos seguintes, e a equipe de Marco Bracci chegou a fazer 12/7 em um erro de saque de Jaqueline.

As donas da casa conseguiram reagir e encostaram no placar, com 13/12 para as italianas, graças aos saques de Sheilla. Porém, as adversárias conseguiram manter o controle em momentos decisivos, como nos saques de Fabiana (17/16) e Jaqueline (20/19) que poderiam empatar a parcial. Tudo parecia perdido quando a Itália abriu 24/21, mas a entrada de Priscila para sacar na vaga de Paula Pequeno causou a reviravolta: com o serviço da camisa 25 atrapalhando a defesa italiana, o Brasil conseguiu uma improvável virada e fechou em 26/24, com Jaqueline baixando a bola na rede.

No segundo set, com Mari em quadra pelo Brasil, o equilíbrio se manteve, e a primeira parada técnica acontece quando a equipe de José Roberto Guimarães vencia por 8/7. Na segunda, porém, foi Zé Roberto quem chamou suas atletas ao banco quando o placar indicava 13/10 para a Itália. Pior: com Ortolani inspirada no saque, as italianas abriram 15/11 e deram indícios de que poderiam empatar o jogos em São Bernardo do Campo.

Assim como fez no primeiro tempo, o técnico do Brasil sacou Paula Pequeno para a entrada de Priscila. Entretanto, diante dos eficientes serviços das italianas e dos sucessivos erros de ataque, a Seleção não conseguiria repetir a virada conquistada no set anterior. Resultado: em apenas 22 minutos, a Itália fechou o segundo set em 25/14, graças a um ataque de Anzanello – no caso, o 17º ataque italiano na parcial.

O bom jogo das brasileiras só apareceu no terceiro set, quando conseguiram abrir 4/0 logo de cara. Desta vez, o saque voltou a entrar com eficiência e a defesa italiana não conseguia sucesso na recepção: com Fabíola servindo e um bloqueio duplo de Thaisa e Sheilla, o Brasil abriu 12/7, sua maior vantagem até então ao longo de toda a partida.

Com 19/12, Zé Roberto mais uma vez colocou Priscila em quadra – agora, no lugar de Fabiana, em substituição que durou pouco. Graças à eficiência de Sheilla (seis pontos) e Jaqueline, e aos 16 pontos de ataque, o Brasil conseguiu manter a vantagem confortável até o final da parcial. Assim, com um saque venenoso de Thaísa, o Brasil deu o troco e fez 2 sets a 1, com 25/15 em 22 minutos.

No quarto set, mesmo com um bom começo, o Brasil permitiu que a Itália virasse e fizesse 12/9, assustando a torcida. A Seleção reagiu e encostou, diminuindo para 12/11 em uma bola que Lucia Bosetti esperou cair fora da quadra, e que pingou dentro. Mesmo com dificuldades, as donas da casa foram atrás e conseguiram o empate, em ataque de Sheilla que desviou no bloqueio antes de ir para fora.

Com 16/16 no placar, a Seleção conseguiu marcar seu 17º ponto em uma improvável manchete de Fabi que caiu do outro lado da quadra. A Itália chegou a fazer 21/19 no placar, mas um erro de ataque de Ortolani empatou o marcador, 21/21. Mais uma parada técnica, e Thaísa virou o jogo em um bloqueio – mas empurrado pela torcida, o time levou a virada e tomou o 26/24, com novo empate.

No quinto e decisivo set, o Brasil conseguiu abrir uma vantagem segura de três pontos na primeira parada técnica: 6/3. Com 11/8 no placar, Thaísa sacou e complicou a recepção italiana, fazendo o 12º ponto do Brasil no tie-break. A facilidade, porém, caiu por terra com sucessivos erros de recepção do Brasil, que levaram o jogo ao empate por 13/13.

No fim, Sheilla ainda errou um ataque fácil, cortando na fita e deixando a Itália a um ponto da vitória: 14/13. Mas o Brasil virou, 15/14, com um ataque italiano para fora; aí, em belo rali, Paula Pequeno atacou pela direita e conquistou a vitória: 16/14.

>As donas da casa conseguiram reagir e encostaram no placar, com 13/12 para as italianas, graças aos saques de Sheilla. Porém, as adversárias conseguiram manter o controle em momentos decisivos, como nos saques de Fabiana (17/16) e Jaqueline (20/19) que poderiam empatar a parcial. Tudo parecia perdido quando a Itália abriu 24/21, mas a entrada de Priscila para sacar na vaga de Paula Pequeno causou a reviravolta: com o serviço da camisa 25 atrapalhando a defesa italiana, o Brasil conseguiu uma improvável virada e fechou em 26/24, com Jaqueline baixando a bola na rede.
A Seleção Brasileira feminina de vôlei conquistou neste sábado sua quinta vitória em cinco jogos pelo Grand Prix 2012. Jogando pela segunda rodada do Grupo E da competição, as comandadas de José Roberto Guimarães voltaram a enfrentar a irregularidade no começo da partida, mas derrotaram a Itália por 3 sets a 2 (parciais de 26/24, 14/25, 25/15, 24/26 e 16/14) e mantiveram a invencibilidade na competição.

O principal destaque do Brasil foi a oposto Sheilla, com 19 pontos, seguidos dos 15 de Thaisa. Pela Itália, destaque para Francesca Piccinini, com 25 pontos.

Com o resultado, o Brasil chega a 12 pontos no torneio – foram seis pontos três vitórias por 3 sets a 2 da primeira semana, e outros seis pelas vitórias por placares mais elásticos nos jogos deste fim de semana, no Ginásio Adib Moysés Dib, em São Bernardo do Campo. Na véspera, as brasileiras passaram pela Alemanha também por 3 sets a 1.

O time voltará a entrar em quadra neste domingo, às 13h15 (de Brasília), para enfrentar os Estados Unidos. As americanas lideram a competição com 15 pontos, com cinco vitórias em cinco jogos – todas valeram três pontos, já que nenhuma aconteceu pelo apertado placar de 3 sets a 2. Assim, mesmo se vencer sua terceira partida no ABC Paulista, o Brasil não assume a liderança em virtude do critério de sets average.

A quinta vitória americana veio neste sábado, na preliminar do jogo entre Brasil e Itália: 3 sets a 0 sobre a Alemanha, com parciais de 25/23, 25/23 e 25/17. Neste domingo, às 15h15, italianas e alemãs se enfrentam e encerram o Grupo E. A partida também acontece em São Bernardo do Campo.

O jogo

O Brasil entrou em quadra com Fabiana, Paula Pequeno, Thaísa, Jaqueline, Fabi (líbero) e Fabíola, enquanto a Itália foi escalada sem a líbero Monica de Gennaro, com Anzanello, Rondon, Ortolani, Piccinini, Bosetti e Folie. E a exemplo do que aconteceu na véspera, diante da Alemanha, as comandadas de José Roberto Guimarães começaram a partida cometendo diversos erros de ataque. Até a primeira parada técnica, com 8/5 para as rivais, o time não conseguiu estar à frente do placar em nenhum momento – no máximo, empatou em 4/4. O panorama não mudou nos minutos seguintes, e a equipe de Marco Bracci chegou a fazer 12/7 em um erro de saque de Jaqueline.

As donas da casa conseguiram reagir e encostaram no placar, com 13/12 para as italianas, graças aos saques de Sheilla. Porém, as adversárias conseguiram manter o controle em momentos decisivos, como nos saques de Fabiana (17/16) e Jaqueline (20/19) que poderiam empatar a parcial. Tudo parecia perdido quando a Itália abriu 24/21, mas a entrada de Priscila para sacar na vaga de Paula Pequeno causou a reviravolta: com o serviço da camisa 25 atrapalhando a defesa italiana, o Brasil conseguiu uma improvável virada e fechou em 26/24, com Jaqueline baixando a bola na rede.

No segundo set, com Mari em quadra pelo Brasil, o equilíbrio se manteve, e a primeira parada técnica acontece quando a equipe de José Roberto Guimarães vencia por 8/7. Na segunda, porém, foi Zé Roberto quem chamou suas atletas ao banco quando o placar indicava 13/10 para a Itália. Pior: com Ortolani inspirada no saque, as italianas abriram 15/11 e deram indícios de que poderiam empatar o jogos em São Bernardo do Campo.

Assim como fez no primeiro tempo, o técnico do Brasil sacou Paula Pequeno para a entrada de Priscila. Entretanto, diante dos eficientes serviços das italianas e dos sucessivos erros de ataque, a Seleção não conseguiria repetir a virada conquistada no set anterior. Resultado: em apenas 22 minutos, a Itália fechou o segundo set em 25/14, graças a um ataque de Anzanello – no caso, o 17º ataque italiano na parcial.

O bom jogo das brasileiras só apareceu no terceiro set, quando conseguiram abrir 4/0 logo de cara. Desta vez, o saque voltou a entrar com eficiência e a defesa italiana não conseguia sucesso na recepção: com Fabíola servindo e um bloqueio duplo de Thaisa e Sheilla, o Brasil abriu 12/7, sua maior vantagem até então ao longo de toda a partida.

Com 19/12, Zé Roberto mais uma vez colocou Priscila em quadra – agora, no lugar de Fabiana, em substituição que durou pouco. Graças à eficiência de Sheilla (seis pontos) e Jaqueline, e aos 16 pontos de ataque, o Brasil conseguiu manter a vantagem confortável até o final da parcial. Assim, com um saque venenoso de Thaísa, o Brasil deu o troco e fez 2 sets a 1, com 25/15 em 22 minutos.

No quarto set, mesmo com um bom começo, o Brasil permitiu que a Itália virasse e fizesse 12/9, assustando a torcida. A Seleção reagiu e encostou, diminuindo para 12/11 em uma bola que Lucia Bosetti esperou cair fora da quadra, e que pingou dentro. Mesmo com dificuldades, as donas da casa foram atrás e conseguiram o empate, em ataque de Sheilla que desviou no bloqueio antes de ir para fora.

Com 16/16 no placar, a Seleção conseguiu marcar seu 17º ponto em uma improvável manchete de Fabi que caiu do outro lado da quadra. A Itália chegou a fazer 21/19 no placar, mas um erro de ataque de Ortolani empatou o marcador, 21/21. Mais uma parada técnica, e Thaísa virou o jogo em um bloqueio – mas empurrado pela torcida, o time levou a virada e tomou o 26/24, com novo empate.

No quinto e decisivo set, o Brasil conseguiu abrir uma vantagem segura de três pontos na primeira parada técnica: 6/3. Com 11/8 no placar, Thaísa sacou e complicou a recepção italiana, fazendo o 12º ponto do Brasil no tie-break. A facilidade, porém, caiu por terra com sucessivos erros de recepção do Brasil, que levaram o jogo ao empate por 13/13.

No fim, Sheilla ainda errou um ataque fácil, cortando na fita e deixando a Itália a um ponto da vitória: 14/13. Mas o Brasil virou, 15/14, com um ataque italiano para fora; aí, em belo rali, Paula Pequeno atacou pela direita e conquistou a vitória: 16/14.')’>>A Seleção Brasileira feminina de vôlei conquistou neste sábado sua quinta vitória em cinco jogos pelo Grand Prix 2012. Jogando pela segunda rodada do Grupo E da competição, as comandadas de José Roberto Guimarães voltaram a enfrentar a irregularidade no começo da partida, mas derrotaram a Itália por 3 sets a 2 (parciais de 26/24, 14/25, 25/15, 24/26 e 16/14) e mantiveram a invencibilidade na competição.

O principal destaque do Brasil foi a oposto Sheilla, com 19 pontos, seguidos dos 15 de Thaisa. Pela Itália, destaque para Francesca Piccinini, com 25 pontos.

Com o resultado, o Brasil chega a 12 pontos no torneio – foram seis pontos três vitórias por 3 sets a 2 da primeira semana, e outros seis pelas vitórias por placares mais elásticos nos jogos deste fim de semana, no Ginásio Adib Moysés Dib, em São Bernardo do Campo. Na véspera, as brasileiras passaram pela Alemanha também por 3 sets a 1.

O time voltará a entrar em quadra neste domingo, às 13h15 (de Brasília), para enfrentar os Estados Unidos. As americanas lideram a competição com 15 pontos, com cinco vitórias em cinco jogos – todas valeram três pontos, já que nenhuma aconteceu pelo apertado placar de 3 sets a 2. Assim, mesmo se vencer sua terceira partida no ABC Paulista, o Brasil não assume a liderança em virtude do critério de sets average.

A quinta vitória americana veio neste sábado, na preliminar do jogo entre Brasil e Itália: 3 sets a 0 sobre a Alemanha, com parciais de 25/23, 25/23 e 25/17. Neste domingo, às 15h15, italianas e alemãs se enfrentam e encerram o Grupo E. A partida também acontece em São Bernardo do Campo.

O jogo

O Brasil entrou em quadra com Fabiana, Paula Pequeno, Thaísa, Jaqueline, Fabi (líbero) e Fabíola, enquanto a Itália foi escalada sem a líbero Monica de Gennaro, com Anzanello, Rondon, Ortolani, Piccinini, Bosetti e Folie. E a exemplo do que aconteceu na véspera, diante da Alemanha, as comandadas de José Roberto Guimarães começaram a partida cometendo diversos erros de ataque. Até a primeira parada técnica, com 8/5 para as rivais, o time não conseguiu estar à frente do placar em nenhum momento – no máximo, empatou em 4/4. O panorama não mudou nos minutos seguintes, e a equipe de Marco Bracci chegou a fazer 12/7 em um erro de saque de Jaqueline.

As donas da casa conseguiram reagir e encostaram no placar, com 13/12 para as italianas, graças aos saques de Sheilla. Porém, as adversárias conseguiram manter o controle em momentos decisivos, como nos saques de Fabiana (17/16) e Jaqueline (20/19) que poderiam empatar a parcial. Tudo parecia perdido quando a Itália abriu 24/21, mas a entrada de Priscila para sacar na vaga de Paula Pequeno causou a reviravolta: com o serviço da camisa 25 atrapalhando a defesa italiana, o Brasil conseguiu uma improvável virada e fechou em 26/24, com Jaqueline baixando a bola na rede.

No segundo set, com Mari em quadra pelo Brasil, o equilíbrio se manteve, e a primeira parada técnica acontece quando a equipe de José Roberto Guimarães vencia por 8/7. Na segunda, porém, foi Zé Roberto quem chamou suas atletas ao banco quando o placar indicava 13/10 para a Itália. Pior: com Ortolani inspirada no saque, as italianas abriram 15/11 e deram indícios de que poderiam empatar o jogos em São Bernardo do Campo.

Assim como fez no primeiro tempo, o técnico do Brasil sacou Paula Pequeno para a entrada de Priscila. Entretanto, diante dos eficientes serviços das italianas e dos sucessivos erros de ataque, a Seleção não conseguiria repetir a virada conquistada no set anterior. Resultado: em apenas 22 minutos, a Itália fechou o segundo set em 25/14, graças a um ataque de Anzanello – no caso, o 17º ataque italiano na parcial.

O bom jogo das brasileiras só apareceu no terceiro set, quando conseguiram abrir 4/0 logo de cara. Desta vez, o saque voltou a entrar com eficiência e a defesa italiana não conseguia sucesso na recepção: com Fabíola servindo e um bloqueio duplo de Thaisa e Sheilla, o Brasil abriu 12/7, sua maior vantagem até então ao longo de toda a partida.

Com 19/12, Zé Roberto mais uma vez colocou Priscila em quadra – agora, no lugar de Fabiana, em substituição que durou pouco. Graças à eficiência de Sheilla (seis pontos) e Jaqueline, e aos 16 pontos de ataque, o Brasil conseguiu manter a vantagem confortável até o final da parcial. Assim, com um saque venenoso de Thaísa, o Brasil deu o troco e fez 2 sets a 1, com 25/15 em 22 minutos.

No quarto set, mesmo com um bom começo, o Brasil permitiu que a Itália virasse e fizesse 12/9, assustando a torcida. A Seleção reagiu e encostou, diminuindo para 12/11 em uma bola que Lucia Bosetti esperou cair fora da quadra, e que pingou dentro. Mesmo com dificuldades, as donas da casa foram atrás e conseguiram o empate, em ataque de Sheilla que desviou no bloqueio antes de ir para fora.

Com 16/16 no placar, a Seleção conseguiu marcar seu 17º ponto em uma improvável manchete de Fabi que caiu do outro lado da quadra. A Itália chegou a fazer 21/19 no placar, mas um erro de ataque de Ortolani empatou o marcador, 21/21. Mais uma parada técnica, e Thaísa virou o jogo em um bloqueio – mas empurrado pela torcida, o time levou a virada e tomou o 26/24, com novo empate.

No quinto e decisivo set, o Brasil conseguiu abrir uma vantagem segura de três pontos na primeira parada técnica: 6/3. Com 11/8 no placar, Thaísa sacou e complicou a recepção italiana, fazendo o 12º ponto do Brasil no tie-break. A facilidade, porém, caiu por terra com sucessivos erros de recepção do Brasil, que levaram o jogo ao empate por 13/13.

No fim, Sheilla ainda errou um ataque fácil, cortando na fita e deixando a Itália a um ponto da vitória: 14/13. Mas o Brasil virou, 15/14, com um ataque italiano para fora; aí, em belo rali, Paula Pequeno atacou pela direita e conquistou a vitória: 16/14.

>Assim como fez no primeiro tempo, o técnico do Brasil sacou Paula Pequeno para a entrada de Priscila. Entretanto, diante dos eficientes serviços das italianas e dos sucessivos erros de ataque, a Seleção não conseguiria repetir a virada conquistada no set anterior. Resultado: em apenas 22 minutos, a Itália fechou o segundo set em 25/14, graças a um ataque de Anzanello – no caso, o 17º ataque italiano na parcial.
A Seleção Brasileira feminina de vôlei conquistou neste sábado sua quinta vitória em cinco jogos pelo Grand Prix 2012. Jogando pela segunda rodada do Grupo E da competição, as comandadas de José Roberto Guimarães voltaram a enfrentar a irregularidade no começo da partida, mas derrotaram a Itália por 3 sets a 2 (parciais de 26/24, 14/25, 25/15, 24/26 e 16/14) e mantiveram a invencibilidade na competição.

O principal destaque do Brasil foi a oposto Sheilla, com 19 pontos, seguidos dos 15 de Thaisa. Pela Itália, destaque para Francesca Piccinini, com 25 pontos.

Com o resultado, o Brasil chega a 12 pontos no torneio – foram seis pontos três vitórias por 3 sets a 2 da primeira semana, e outros seis pelas vitórias por placares mais elásticos nos jogos deste fim de semana, no Ginásio Adib Moysés Dib, em São Bernardo do Campo. Na véspera, as brasileiras passaram pela Alemanha também por 3 sets a 1.

O time voltará a entrar em quadra neste domingo, às 13h15 (de Brasília), para enfrentar os Estados Unidos. As americanas lideram a competição com 15 pontos, com cinco vitórias em cinco jogos – todas valeram três pontos, já que nenhuma aconteceu pelo apertado placar de 3 sets a 2. Assim, mesmo se vencer sua terceira partida no ABC Paulista, o Brasil não assume a liderança em virtude do critério de sets average.

A quinta vitória americana veio neste sábado, na preliminar do jogo entre Brasil e Itália: 3 sets a 0 sobre a Alemanha, com parciais de 25/23, 25/23 e 25/17. Neste domingo, às 15h15, italianas e alemãs se enfrentam e encerram o Grupo E. A partida também acontece em São Bernardo do Campo.

O jogo

O Brasil entrou em quadra com Fabiana, Paula Pequeno, Thaísa, Jaqueline, Fabi (líbero) e Fabíola, enquanto a Itália foi escalada sem a líbero Monica de Gennaro, com Anzanello, Rondon, Ortolani, Piccinini, Bosetti e Folie. E a exemplo do que aconteceu na véspera, diante da Alemanha, as comandadas de José Roberto Guimarães começaram a partida cometendo diversos erros de ataque. Até a primeira parada técnica, com 8/5 para as rivais, o time não conseguiu estar à frente do placar em nenhum momento – no máximo, empatou em 4/4. O panorama não mudou nos minutos seguintes, e a equipe de Marco Bracci chegou a fazer 12/7 em um erro de saque de Jaqueline.

As donas da casa conseguiram reagir e encostaram no placar, com 13/12 para as italianas, graças aos saques de Sheilla. Porém, as adversárias conseguiram manter o controle em momentos decisivos, como nos saques de Fabiana (17/16) e Jaqueline (20/19) que poderiam empatar a parcial. Tudo parecia perdido quando a Itália abriu 24/21, mas a entrada de Priscila para sacar na vaga de Paula Pequeno causou a reviravolta: com o serviço da camisa 25 atrapalhando a defesa italiana, o Brasil conseguiu uma improvável virada e fechou em 26/24, com Jaqueline baixando a bola na rede.

No segundo set, com Mari em quadra pelo Brasil, o equilíbrio se manteve, e a primeira parada técnica acontece quando a equipe de José Roberto Guimarães vencia por 8/7. Na segunda, porém, foi Zé Roberto quem chamou suas atletas ao banco quando o placar indicava 13/10 para a Itália. Pior: com Ortolani inspirada no saque, as italianas abriram 15/11 e deram indícios de que poderiam empatar o jogos em São Bernardo do Campo.

Assim como fez no primeiro tempo, o técnico do Brasil sacou Paula Pequeno para a entrada de Priscila. Entretanto, diante dos eficientes serviços das italianas e dos sucessivos erros de ataque, a Seleção não conseguiria repetir a virada conquistada no set anterior. Resultado: em apenas 22 minutos, a Itália fechou o segundo set em 25/14, graças a um ataque de Anzanello – no caso, o 17º ataque italiano na parcial.

O bom jogo das brasileiras só apareceu no terceiro set, quando conseguiram abrir 4/0 logo de cara. Desta vez, o saque voltou a entrar com eficiência e a defesa italiana não conseguia sucesso na recepção: com Fabíola servindo e um bloqueio duplo de Thaisa e Sheilla, o Brasil abriu 12/7, sua maior vantagem até então ao longo de toda a partida.

Com 19/12, Zé Roberto mais uma vez colocou Priscila em quadra – agora, no lugar de Fabiana, em substituição que durou pouco. Graças à eficiência de Sheilla (seis pontos) e Jaqueline, e aos 16 pontos de ataque, o Brasil conseguiu manter a vantagem confortável até o final da parcial. Assim, com um saque venenoso de Thaísa, o Brasil deu o troco e fez 2 sets a 1, com 25/15 em 22 minutos.

No quarto set, mesmo com um bom começo, o Brasil permitiu que a Itália virasse e fizesse 12/9, assustando a torcida. A Seleção reagiu e encostou, diminuindo para 12/11 em uma bola que Lucia Bosetti esperou cair fora da quadra, e que pingou dentro. Mesmo com dificuldades, as donas da casa foram atrás e conseguiram o empate, em ataque de Sheilla que desviou no bloqueio antes de ir para fora.

Com 16/16 no placar, a Seleção conseguiu marcar seu 17º ponto em uma improvável manchete de Fabi que caiu do outro lado da quadra. A Itália chegou a fazer 21/19 no placar, mas um erro de ataque de Ortolani empatou o marcador, 21/21. Mais uma parada técnica, e Thaísa virou o jogo em um bloqueio – mas empurrado pela torcida, o time levou a virada e tomou o 26/24, com novo empate.

No quinto e decisivo set, o Brasil conseguiu abrir uma vantagem segura de três pontos na primeira parada técnica: 6/3. Com 11/8 no placar, Thaísa sacou e complicou a recepção italiana, fazendo o 12º ponto do Brasil no tie-break. A facilidade, porém, caiu por terra com sucessivos erros de recepção do Brasil, que levaram o jogo ao empate por 13/13.

No fim, Sheilla ainda errou um ataque fácil, cortando na fita e deixando a Itália a um ponto da vitória: 14/13. Mas o Brasil virou, 15/14, com um ataque italiano para fora; aí, em belo rali, Paula Pequeno atacou pela direita e conquistou a vitória: 16/14.')’>>A Seleção Brasileira feminina de vôlei conquistou neste sábado sua quinta vitória em cinco jogos pelo Grand Prix 2012. Jogando pela segunda rodada do Grupo E da competição, as comandadas de José Roberto Guimarães voltaram a enfrentar a irregularidade no começo da partida, mas derrotaram a Itália por 3 sets a 2 (parciais de 26/24, 14/25, 25/15, 24/26 e 16/14) e mantiveram a invencibilidade na competição.

O principal destaque do Brasil foi a oposto Sheilla, com 19 pontos, seguidos dos 15 de Thaisa. Pela Itália, destaque para Francesca Piccinini, com 25 pontos.

Com o resultado, o Brasil chega a 12 pontos no torneio – foram seis pontos três vitórias por 3 sets a 2 da primeira semana, e outros seis pelas vitórias por placares mais elásticos nos jogos deste fim de semana, no Ginásio Adib Moysés Dib, em São Bernardo do Campo. Na véspera, as brasileiras passaram pela Alemanha também por 3 sets a 1.

O time voltará a entrar em quadra neste domingo, às 13h15 (de Brasília), para enfrentar os Estados Unidos. As americanas lideram a competição com 15 pontos, com cinco vitórias em cinco jogos – todas valeram três pontos, já que nenhuma aconteceu pelo apertado placar de 3 sets a 2. Assim, mesmo se vencer sua terceira partida no ABC Paulista, o Brasil não assume a liderança em virtude do critério de sets average.

A quinta vitória americana veio neste sábado, na preliminar do jogo entre Brasil e Itália: 3 sets a 0 sobre a Alemanha, com parciais de 25/23, 25/23 e 25/17. Neste domingo, às 15h15, italianas e alemãs se enfrentam e encerram o Grupo E. A partida também acontece em São Bernardo do Campo.

O jogo

O Brasil entrou em quadra com Fabiana, Paula Pequeno, Thaísa, Jaqueline, Fabi (líbero) e Fabíola, enquanto a Itália foi escalada sem a líbero Monica de Gennaro, com Anzanello, Rondon, Ortolani, Piccinini, Bosetti e Folie. E a exemplo do que aconteceu na véspera, diante da Alemanha, as comandadas de José Roberto Guimarães começaram a partida cometendo diversos erros de ataque. Até a primeira parada técnica, com 8/5 para as rivais, o time não conseguiu estar à frente do placar em nenhum momento – no máximo, empatou em 4/4. O panorama não mudou nos minutos seguintes, e a equipe de Marco Bracci chegou a fazer 12/7 em um erro de saque de Jaqueline.

As donas da casa conseguiram reagir e encostaram no placar, com 13/12 para as italianas, graças aos saques de Sheilla. Porém, as adversárias conseguiram manter o controle em momentos decisivos, como nos saques de Fabiana (17/16) e Jaqueline (20/19) que poderiam empatar a parcial. Tudo parecia perdido quando a Itália abriu 24/21, mas a entrada de Priscila para sacar na vaga de Paula Pequeno causou a reviravolta: com o serviço da camisa 25 atrapalhando a defesa italiana, o Brasil conseguiu uma improvável virada e fechou em 26/24, com Jaqueline baixando a bola na rede.

No segundo set, com Mari em quadra pelo Brasil, o equilíbrio se manteve, e a primeira parada técnica acontece quando a equipe de José Roberto Guimarães vencia por 8/7. Na segunda, porém, foi Zé Roberto quem chamou suas atletas ao banco quando o placar indicava 13/10 para a Itália. Pior: com Ortolani inspirada no saque, as italianas abriram 15/11 e deram indícios de que poderiam empatar o jogos em São Bernardo do Campo.

Assim como fez no primeiro tempo, o técnico do Brasil sacou Paula Pequeno para a entrada de Priscila. Entretanto, diante dos eficientes serviços das italianas e dos sucessivos erros de ataque, a Seleção não conseguiria repetir a virada conquistada no set anterior. Resultado: em apenas 22 minutos, a Itália fechou o segundo set em 25/14, graças a um ataque de Anzanello – no caso, o 17º ataque italiano na parcial.

O bom jogo das brasileiras só apareceu no terceiro set, quando conseguiram abrir 4/0 logo de cara. Desta vez, o saque voltou a entrar com eficiência e a defesa italiana não conseguia sucesso na recepção: com Fabíola servindo e um bloqueio duplo de Thaisa e Sheilla, o Brasil abriu 12/7, sua maior vantagem até então ao longo de toda a partida.

Com 19/12, Zé Roberto mais uma vez colocou Priscila em quadra – agora, no lugar de Fabiana, em substituição que durou pouco. Graças à eficiência de Sheilla (seis pontos) e Jaqueline, e aos 16 pontos de ataque, o Brasil conseguiu manter a vantagem confortável até o final da parcial. Assim, com um saque venenoso de Thaísa, o Brasil deu o troco e fez 2 sets a 1, com 25/15 em 22 minutos.

No quarto set, mesmo com um bom começo, o Brasil permitiu que a Itália virasse e fizesse 12/9, assustando a torcida. A Seleção reagiu e encostou, diminuindo para 12/11 em uma bola que Lucia Bosetti esperou cair fora da quadra, e que pingou dentro. Mesmo com dificuldades, as donas da casa foram atrás e conseguiram o empate, em ataque de Sheilla que desviou no bloqueio antes de ir para fora.

Com 16/16 no placar, a Seleção conseguiu marcar seu 17º ponto em uma improvável manchete de Fabi que caiu do outro lado da quadra. A Itália chegou a fazer 21/19 no placar, mas um erro de ataque de Ortolani empatou o marcador, 21/21. Mais uma parada técnica, e Thaísa virou o jogo em um bloqueio – mas empurrado pela torcida, o time levou a virada e tomou o 26/24, com novo empate.

No quinto e decisivo set, o Brasil conseguiu abrir uma vantagem segura de três pontos na primeira parada técnica: 6/3. Com 11/8 no placar, Thaísa sacou e complicou a recepção italiana, fazendo o 12º ponto do Brasil no tie-break. A facilidade, porém, caiu por terra com sucessivos erros de recepção do Brasil, que levaram o jogo ao empate por 13/13.

No fim, Sheilla ainda errou um ataque fácil, cortando na fita e deixando a Itália a um ponto da vitória: 14/13. Mas o Brasil virou, 15/14, com um ataque italiano para fora; aí, em belo rali, Paula Pequeno atacou pela direita e conquistou a vitória: 16/14.

>Com 19/12, Zé Roberto mais uma vez colocou Priscila em quadra – agora, no lugar de Fabiana, em substituição que durou pouco. Graças à eficiência de Sheilla (seis pontos) e Jaqueline, e aos 16 pontos de ataque, o Brasil conseguiu manter a vantagem confortável até o final da parcial. Assim, com um saque venenoso de Thaísa, o Brasil deu o troco e fez 2 sets a 1, com 25/15 em 22 minutos.
A Seleção Brasileira feminina de vôlei conquistou neste sábado sua quinta vitória em cinco jogos pelo Grand Prix 2012. Jogando pela segunda rodada do Grupo E da competição, as comandadas de José Roberto Guimarães voltaram a enfrentar a irregularidade no começo da partida, mas derrotaram a Itália por 3 sets a 2 (parciais de 26/24, 14/25, 25/15, 24/26 e 16/14) e mantiveram a invencibilidade na competição.

O principal destaque do Brasil foi a oposto Sheilla, com 19 pontos, seguidos dos 15 de Thaisa. Pela Itália, destaque para Francesca Piccinini, com 25 pontos.

Com o resultado, o Brasil chega a 12 pontos no torneio – foram seis pontos três vitórias por 3 sets a 2 da primeira semana, e outros seis pelas vitórias por placares mais elásticos nos jogos deste fim de semana, no Ginásio Adib Moysés Dib, em São Bernardo do Campo. Na véspera, as brasileiras passaram pela Alemanha também por 3 sets a 1.

O time voltará a entrar em quadra neste domingo, às 13h15 (de Brasília), para enfrentar os Estados Unidos. As americanas lideram a competição com 15 pontos, com cinco vitórias em cinco jogos – todas valeram três pontos, já que nenhuma aconteceu pelo apertado placar de 3 sets a 2. Assim, mesmo se vencer sua terceira partida no ABC Paulista, o Brasil não assume a liderança em virtude do critério de sets average.

A quinta vitória americana veio neste sábado, na preliminar do jogo entre Brasil e Itália: 3 sets a 0 sobre a Alemanha, com parciais de 25/23, 25/23 e 25/17. Neste domingo, às 15h15, italianas e alemãs se enfrentam e encerram o Grupo E. A partida também acontece em São Bernardo do Campo.

O jogo

O Brasil entrou em quadra com Fabiana, Paula Pequeno, Thaísa, Jaqueline, Fabi (líbero) e Fabíola, enquanto a Itália foi escalada sem a líbero Monica de Gennaro, com Anzanello, Rondon, Ortolani, Piccinini, Bosetti e Folie. E a exemplo do que aconteceu na véspera, diante da Alemanha, as comandadas de José Roberto Guimarães começaram a partida cometendo diversos erros de ataque. Até a primeira parada técnica, com 8/5 para as rivais, o time não conseguiu estar à frente do placar em nenhum momento – no máximo, empatou em 4/4. O panorama não mudou nos minutos seguintes, e a equipe de Marco Bracci chegou a fazer 12/7 em um erro de saque de Jaqueline.

As donas da casa conseguiram reagir e encostaram no placar, com 13/12 para as italianas, graças aos saques de Sheilla. Porém, as adversárias conseguiram manter o controle em momentos decisivos, como nos saques de Fabiana (17/16) e Jaqueline (20/19) que poderiam empatar a parcial. Tudo parecia perdido quando a Itália abriu 24/21, mas a entrada de Priscila para sacar na vaga de Paula Pequeno causou a reviravolta: com o serviço da camisa 25 atrapalhando a defesa italiana, o Brasil conseguiu uma improvável virada e fechou em 26/24, com Jaqueline baixando a bola na rede.

No segundo set, com Mari em quadra pelo Brasil, o equilíbrio se manteve, e a primeira parada técnica acontece quando a equipe de José Roberto Guimarães vencia por 8/7. Na segunda, porém, foi Zé Roberto quem chamou suas atletas ao banco quando o placar indicava 13/10 para a Itália. Pior: com Ortolani inspirada no saque, as italianas abriram 15/11 e deram indícios de que poderiam empatar o jogos em São Bernardo do Campo.

Assim como fez no primeiro tempo, o técnico do Brasil sacou Paula Pequeno para a entrada de Priscila. Entretanto, diante dos eficientes serviços das italianas e dos sucessivos erros de ataque, a Seleção não conseguiria repetir a virada conquistada no set anterior. Resultado: em apenas 22 minutos, a Itália fechou o segundo set em 25/14, graças a um ataque de Anzanello – no caso, o 17º ataque italiano na parcial.

O bom jogo das brasileiras só apareceu no terceiro set, quando conseguiram abrir 4/0 logo de cara. Desta vez, o saque voltou a entrar com eficiência e a defesa italiana não conseguia sucesso na recepção: com Fabíola servindo e um bloqueio duplo de Thaisa e Sheilla, o Brasil abriu 12/7, sua maior vantagem até então ao longo de toda a partida.

Com 19/12, Zé Roberto mais uma vez colocou Priscila em quadra – agora, no lugar de Fabiana, em substituição que durou pouco. Graças à eficiência de Sheilla (seis pontos) e Jaqueline, e aos 16 pontos de ataque, o Brasil conseguiu manter a vantagem confortável até o final da parcial. Assim, com um saque venenoso de Thaísa, o Brasil deu o troco e fez 2 sets a 1, com 25/15 em 22 minutos.

No quarto set, mesmo com um bom começo, o Brasil permitiu que a Itália virasse e fizesse 12/9, assustando a torcida. A Seleção reagiu e encostou, diminuindo para 12/11 em uma bola que Lucia Bosetti esperou cair fora da quadra, e que pingou dentro. Mesmo com dificuldades, as donas da casa foram atrás e conseguiram o empate, em ataque de Sheilla que desviou no bloqueio antes de ir para fora.

Com 16/16 no placar, a Seleção conseguiu marcar seu 17º ponto em uma improvável manchete de Fabi que caiu do outro lado da quadra. A Itália chegou a fazer 21/19 no placar, mas um erro de ataque de Ortolani empatou o marcador, 21/21. Mais uma parada técnica, e Thaísa virou o jogo em um bloqueio – mas empurrado pela torcida, o time levou a virada e tomou o 26/24, com novo empate.

No quinto e decisivo set, o Brasil conseguiu abrir uma vantagem segura de três pontos na primeira parada técnica: 6/3. Com 11/8 no placar, Thaísa sacou e complicou a recepção italiana, fazendo o 12º ponto do Brasil no tie-break. A facilidade, porém, caiu por terra com sucessivos erros de recepção do Brasil, que levaram o jogo ao empate por 13/13.

No fim, Sheilla ainda errou um ataque fácil, cortando na fita e deixando a Itália a um ponto da vitória: 14/13. Mas o Brasil virou, 15/14, com um ataque italiano para fora; aí, em belo rali, Paula Pequeno atacou pela direita e conquistou a vitória: 16/14.')’>>A Seleção Brasileira feminina de vôlei conquistou neste sábado sua quinta vitória em cinco jogos pelo Grand Prix 2012. Jogando pela segunda rodada do Grupo E da competição, as comandadas de José Roberto Guimarães voltaram a enfrentar a irregularidade no começo da partida, mas derrotaram a Itália por 3 sets a 2 (parciais de 26/24, 14/25, 25/15, 24/26 e 16/14) e mantiveram a invencibilidade na competição.

O principal destaque do Brasil foi a oposto Sheilla, com 19 pontos, seguidos dos 15 de Thaisa. Pela Itália, destaque para Francesca Piccinini, com 25 pontos.

Com o resultado, o Brasil chega a 12 pontos no torneio – foram seis pontos três vitórias por 3 sets a 2 da primeira semana, e outros seis pelas vitórias por placares mais elásticos nos jogos deste fim de semana, no Ginásio Adib Moysés Dib, em São Bernardo do Campo. Na véspera, as brasileiras passaram pela Alemanha também por 3 sets a 1.

O time voltará a entrar em quadra neste domingo, às 13h15 (de Brasília), para enfrentar os Estados Unidos. As americanas lideram a competição com 15 pontos, com cinco vitórias em cinco jogos – todas valeram três pontos, já que nenhuma aconteceu pelo apertado placar de 3 sets a 2. Assim, mesmo se vencer sua terceira partida no ABC Paulista, o Brasil não assume a liderança em virtude do critério de sets average.

A quinta vitória americana veio neste sábado, na preliminar do jogo entre Brasil e Itália: 3 sets a 0 sobre a Alemanha, com parciais de 25/23, 25/23 e 25/17. Neste domingo, às 15h15, italianas e alemãs se enfrentam e encerram o Grupo E. A partida também acontece em São Bernardo do Campo.

O jogo

O Brasil entrou em quadra com Fabiana, Paula Pequeno, Thaísa, Jaqueline, Fabi (líbero) e Fabíola, enquanto a Itália foi escalada sem a líbero Monica de Gennaro, com Anzanello, Rondon, Ortolani, Piccinini, Bosetti e Folie. E a exemplo do que aconteceu na véspera, diante da Alemanha, as comandadas de José Roberto Guimarães começaram a partida cometendo diversos erros de ataque. Até a primeira parada técnica, com 8/5 para as rivais, o time não conseguiu estar à frente do placar em nenhum momento – no máximo, empatou em 4/4. O panorama não mudou nos minutos seguintes, e a equipe de Marco Bracci chegou a fazer 12/7 em um erro de saque de Jaqueline.

As donas da casa conseguiram reagir e encostaram no placar, com 13/12 para as italianas, graças aos saques de Sheilla. Porém, as adversárias conseguiram manter o controle em momentos decisivos, como nos saques de Fabiana (17/16) e Jaqueline (20/19) que poderiam empatar a parcial. Tudo parecia perdido quando a Itália abriu 24/21, mas a entrada de Priscila para sacar na vaga de Paula Pequeno causou a reviravolta: com o serviço da camisa 25 atrapalhando a defesa italiana, o Brasil conseguiu uma improvável virada e fechou em 26/24, com Jaqueline baixando a bola na rede.

No segundo set, com Mari em quadra pelo Brasil, o equilíbrio se manteve, e a primeira parada técnica acontece quando a equipe de José Roberto Guimarães vencia por 8/7. Na segunda, porém, foi Zé Roberto quem chamou suas atletas ao banco quando o placar indicava 13/10 para a Itália. Pior: com Ortolani inspirada no saque, as italianas abriram 15/11 e deram indícios de que poderiam empatar o jogos em São Bernardo do Campo.

Assim como fez no primeiro tempo, o técnico do Brasil sacou Paula Pequeno para a entrada de Priscila. Entretanto, diante dos eficientes serviços das italianas e dos sucessivos erros de ataque, a Seleção não conseguiria repetir a virada conquistada no set anterior. Resultado: em apenas 22 minutos, a Itália fechou o segundo set em 25/14, graças a um ataque de Anzanello – no caso, o 17º ataque italiano na parcial.

O bom jogo das brasileiras só apareceu no terceiro set, quando conseguiram abrir 4/0 logo de cara. Desta vez, o saque voltou a entrar com eficiência e a defesa italiana não conseguia sucesso na recepção: com Fabíola servindo e um bloqueio duplo de Thaisa e Sheilla, o Brasil abriu 12/7, sua maior vantagem até então ao longo de toda a partida.

Com 19/12, Zé Roberto mais uma vez colocou Priscila em quadra – agora, no lugar de Fabiana, em substituição que durou pouco. Graças à eficiência de Sheilla (seis pontos) e Jaqueline, e aos 16 pontos de ataque, o Brasil conseguiu manter a vantagem confortável até o final da parcial. Assim, com um saque venenoso de Thaísa, o Brasil deu o troco e fez 2 sets a 1, com 25/15 em 22 minutos.

No quarto set, mesmo com um bom começo, o Brasil permitiu que a Itália virasse e fizesse 12/9, assustando a torcida. A Seleção reagiu e encostou, diminuindo para 12/11 em uma bola que Lucia Bosetti esperou cair fora da quadra, e que pingou dentro. Mesmo com dificuldades, as donas da casa foram atrás e conseguiram o empate, em ataque de Sheilla que desviou no bloqueio antes de ir para fora.

Com 16/16 no placar, a Seleção conseguiu marcar seu 17º ponto em uma improvável manchete de Fabi que caiu do outro lado da quadra. A Itália chegou a fazer 21/19 no placar, mas um erro de ataque de Ortolani empatou o marcador, 21/21. Mais uma parada técnica, e Thaísa virou o jogo em um bloqueio – mas empurrado pela torcida, o time levou a virada e tomou o 26/24, com novo empate.

No quinto e decisivo set, o Brasil conseguiu abrir uma vantagem segura de três pontos na primeira parada técnica: 6/3. Com 11/8 no placar, Thaísa sacou e complicou a recepção italiana, fazendo o 12º ponto do Brasil no tie-break. A facilidade, porém, caiu por terra com sucessivos erros de recepção do Brasil, que levaram o jogo ao empate por 13/13.

No fim, Sheilla ainda errou um ataque fácil, cortando na fita e deixando a Itália a um ponto da vitória: 14/13. Mas o Brasil virou, 15/14, com um ataque italiano para fora; aí, em belo rali, Paula Pequeno atacou pela direita e conquistou a vitória: 16/14.

>Com 16/16 no placar, a Seleção conseguiu marcar seu 17º ponto em uma improvável manchete de Fabi que caiu do outro lado da quadra. A Itália chegou a fazer 21/19 no placar, mas um erro de ataque de Ortolani empatou o marcador, 21/21. Mais uma parada técnica, e Thaísa virou o jogo em um bloqueio – mas empurrado pela torcida, o time levou a virada e tomou o 26/24, com novo empate.
A Seleção Brasileira feminina de vôlei conquistou neste sábado sua quinta vitória em cinco jogos pelo Grand Prix 2012. Jogando pela segunda rodada do Grupo E da competição, as comandadas de José Roberto Guimarães voltaram a enfrentar a irregularidade no começo da partida, mas derrotaram a Itália por 3 sets a 2 (parciais de 26/24, 14/25, 25/15, 24/26 e 16/14) e mantiveram a invencibilidade na competição.

O principal destaque do Brasil foi a oposto Sheilla, com 19 pontos, seguidos dos 15 de Thaisa. Pela Itália, destaque para Francesca Piccinini, com 25 pontos.

Com o resultado, o Brasil chega a 12 pontos no torneio – foram seis pontos três vitórias por 3 sets a 2 da primeira semana, e outros seis pelas vitórias por placares mais elásticos nos jogos deste fim de semana, no Ginásio Adib Moysés Dib, em São Bernardo do Campo. Na véspera, as brasileiras passaram pela Alemanha também por 3 sets a 1.

O time voltará a entrar em quadra neste domingo, às 13h15 (de Brasília), para enfrentar os Estados Unidos. As americanas lideram a competição com 15 pontos, com cinco vitórias em cinco jogos – todas valeram três pontos, já que nenhuma aconteceu pelo apertado placar de 3 sets a 2. Assim, mesmo se vencer sua terceira partida no ABC Paulista, o Brasil não assume a liderança em virtude do critério de sets average.

A quinta vitória americana veio neste sábado, na preliminar do jogo entre Brasil e Itália: 3 sets a 0 sobre a Alemanha, com parciais de 25/23, 25/23 e 25/17. Neste domingo, às 15h15, italianas e alemãs se enfrentam e encerram o Grupo E. A partida também acontece em São Bernardo do Campo.

O jogo

O Brasil entrou em quadra com Fabiana, Paula Pequeno, Thaísa, Jaqueline, Fabi (líbero) e Fabíola, enquanto a Itália foi escalada sem a líbero Monica de Gennaro, com Anzanello, Rondon, Ortolani, Piccinini, Bosetti e Folie. E a exemplo do que aconteceu na véspera, diante da Alemanha, as comandadas de José Roberto Guimarães começaram a partida cometendo diversos erros de ataque. Até a primeira parada técnica, com 8/5 para as rivais, o time não conseguiu estar à frente do placar em nenhum momento – no máximo, empatou em 4/4. O panorama não mudou nos minutos seguintes, e a equipe de Marco Bracci chegou a fazer 12/7 em um erro de saque de Jaqueline.

As donas da casa conseguiram reagir e encostaram no placar, com 13/12 para as italianas, graças aos saques de Sheilla. Porém, as adversárias conseguiram manter o controle em momentos decisivos, como nos saques de Fabiana (17/16) e Jaqueline (20/19) que poderiam empatar a parcial. Tudo parecia perdido quando a Itália abriu 24/21, mas a entrada de Priscila para sacar na vaga de Paula Pequeno causou a reviravolta: com o serviço da camisa 25 atrapalhando a defesa italiana, o Brasil conseguiu uma improvável virada e fechou em 26/24, com Jaqueline baixando a bola na rede.

No segundo set, com Mari em quadra pelo Brasil, o equilíbrio se manteve, e a primeira parada técnica acontece quando a equipe de José Roberto Guimarães vencia por 8/7. Na segunda, porém, foi Zé Roberto quem chamou suas atletas ao banco quando o placar indicava 13/10 para a Itália. Pior: com Ortolani inspirada no saque, as italianas abriram 15/11 e deram indícios de que poderiam empatar o jogos em São Bernardo do Campo.

Assim como fez no primeiro tempo, o técnico do Brasil sacou Paula Pequeno para a entrada de Priscila. Entretanto, diante dos eficientes serviços das italianas e dos sucessivos erros de ataque, a Seleção não conseguiria repetir a virada conquistada no set anterior. Resultado: em apenas 22 minutos, a Itália fechou o segundo set em 25/14, graças a um ataque de Anzanello – no caso, o 17º ataque italiano na parcial.

O bom jogo das brasileiras só apareceu no terceiro set, quando conseguiram abrir 4/0 logo de cara. Desta vez, o saque voltou a entrar com eficiência e a defesa italiana não conseguia sucesso na recepção: com Fabíola servindo e um bloqueio duplo de Thaisa e Sheilla, o Brasil abriu 12/7, sua maior vantagem até então ao longo de toda a partida.

Com 19/12, Zé Roberto mais uma vez colocou Priscila em quadra – agora, no lugar de Fabiana, em substituição que durou pouco. Graças à eficiência de Sheilla (seis pontos) e Jaqueline, e aos 16 pontos de ataque, o Brasil conseguiu manter a vantagem confortável até o final da parcial. Assim, com um saque venenoso de Thaísa, o Brasil deu o troco e fez 2 sets a 1, com 25/15 em 22 minutos.

No quarto set, mesmo com um bom começo, o Brasil permitiu que a Itália virasse e fizesse 12/9, assustando a torcida. A Seleção reagiu e encostou, diminuindo para 12/11 em uma bola que Lucia Bosetti esperou cair fora da quadra, e que pingou dentro. Mesmo com dificuldades, as donas da casa foram atrás e conseguiram o empate, em ataque de Sheilla que desviou no bloqueio antes de ir para fora.

Com 16/16 no placar, a Seleção conseguiu marcar seu 17º ponto em uma improvável manchete de Fabi que caiu do outro lado da quadra. A Itália chegou a fazer 21/19 no placar, mas um erro de ataque de Ortolani empatou o marcador, 21/21. Mais uma parada técnica, e Thaísa virou o jogo em um bloqueio – mas empurrado pela torcida, o time levou a virada e tomou o 26/24, com novo empate.

No quinto e decisivo set, o Brasil conseguiu abrir uma vantagem segura de três pontos na primeira parada técnica: 6/3. Com 11/8 no placar, Thaísa sacou e complicou a recepção italiana, fazendo o 12º ponto do Brasil no tie-break. A facilidade, porém, caiu por terra com sucessivos erros de recepção do Brasil, que levaram o jogo ao empate por 13/13.

No fim, Sheilla ainda errou um ataque fácil, cortando na fita e deixando a Itália a um ponto da vitória: 14/13. Mas o Brasil virou, 15/14, com um ataque italiano para fora; aí, em belo rali, Paula Pequeno atacou pela direita e conquistou a vitória: 16/14.')’>>A Seleção Brasileira feminina de vôlei conquistou neste sábado sua quinta vitória em cinco jogos pelo Grand Prix 2012. Jogando pela segunda rodada do Grupo E da competição, as comandadas de José Roberto Guimarães voltaram a enfrentar a irregularidade no começo da partida, mas derrotaram a Itália por 3 sets a 2 (parciais de 26/24, 14/25, 25/15, 24/26 e 16/14) e mantiveram a invencibilidade na competição.

O principal destaque do Brasil foi a oposto Sheilla, com 19 pontos, seguidos dos 15 de Thaisa. Pela Itália, destaque para Francesca Piccinini, com 25 pontos.

Com o resultado, o Brasil chega a 12 pontos no torneio – foram seis pontos três vitórias por 3 sets a 2 da primeira semana, e outros seis pelas vitórias por placares mais elásticos nos jogos deste fim de semana, no Ginásio Adib Moysés Dib, em São Bernardo do Campo. Na véspera, as brasileiras passaram pela Alemanha também por 3 sets a 1.

O time voltará a entrar em quadra neste domingo, às 13h15 (de Brasília), para enfrentar os Estados Unidos. As americanas lideram a competição com 15 pontos, com cinco vitórias em cinco jogos – todas valeram três pontos, já que nenhuma aconteceu pelo apertado placar de 3 sets a 2. Assim, mesmo se vencer sua terceira partida no ABC Paulista, o Brasil não assume a liderança em virtude do critério de sets average.

A quinta vitória americana veio neste sábado, na preliminar do jogo entre Brasil e Itália: 3 sets a 0 sobre a Alemanha, com parciais de 25/23, 25/23 e 25/17. Neste domingo, às 15h15, italianas e alemãs se enfrentam e encerram o Grupo E. A partida também acontece em São Bernardo do Campo.

O jogo

O Brasil entrou em quadra com Fabiana, Paula Pequeno, Thaísa, Jaqueline, Fabi (líbero) e Fabíola, enquanto a Itália foi escalada sem a líbero Monica de Gennaro, com Anzanello, Rondon, Ortolani, Piccinini, Bosetti e Folie. E a exemplo do que aconteceu na véspera, diante da Alemanha, as comandadas de José Roberto Guimarães começaram a partida cometendo diversos erros de ataque. Até a primeira parada técnica, com 8/5 para as rivais, o time não conseguiu estar à frente do placar em nenhum momento – no máximo, empatou em 4/4. O panorama não mudou nos minutos seguintes, e a equipe de Marco Bracci chegou a fazer 12/7 em um erro de saque de Jaqueline.

As donas da casa conseguiram reagir e encostaram no placar, com 13/12 para as italianas, graças aos saques de Sheilla. Porém, as adversárias conseguiram manter o controle em momentos decisivos, como nos saques de Fabiana (17/16) e Jaqueline (20/19) que poderiam empatar a parcial. Tudo parecia perdido quando a Itália abriu 24/21, mas a entrada de Priscila para sacar na vaga de Paula Pequeno causou a reviravolta: com o serviço da camisa 25 atrapalhando a defesa italiana, o Brasil conseguiu uma improvável virada e fechou em 26/24, com Jaqueline baixando a bola na rede.

No segundo set, com Mari em quadra pelo Brasil, o equilíbrio se manteve, e a primeira parada técnica acontece quando a equipe de José Roberto Guimarães vencia por 8/7. Na segunda, porém, foi Zé Roberto quem chamou suas atletas ao banco quando o placar indicava 13/10 para a Itália. Pior: com Ortolani inspirada no saque, as italianas abriram 15/11 e deram indícios de que poderiam empatar o jogos em São Bernardo do Campo.

Assim como fez no primeiro tempo, o técnico do Brasil sacou Paula Pequeno para a entrada de Priscila. Entretanto, diante dos eficientes serviços das italianas e dos sucessivos erros de ataque, a Seleção não conseguiria repetir a virada conquistada no set anterior. Resultado: em apenas 22 minutos, a Itália fechou o segundo set em 25/14, graças a um ataque de Anzanello – no caso, o 17º ataque italiano na parcial.

O bom jogo das brasileiras só apareceu no terceiro set, quando conseguiram abrir 4/0 logo de cara. Desta vez, o saque voltou a entrar com eficiência e a defesa italiana não conseguia sucesso na recepção: com Fabíola servindo e um bloqueio duplo de Thaisa e Sheilla, o Brasil abriu 12/7, sua maior vantagem até então ao longo de toda a partida.

Com 19/12, Zé Roberto mais uma vez colocou Priscila em quadra – agora, no lugar de Fabiana, em substituição que durou pouco. Graças à eficiência de Sheilla (seis pontos) e Jaqueline, e aos 16 pontos de ataque, o Brasil conseguiu manter a vantagem confortável até o final da parcial. Assim, com um saque venenoso de Thaísa, o Brasil deu o troco e fez 2 sets a 1, com 25/15 em 22 minutos.

No quarto set, mesmo com um bom começo, o Brasil permitiu que a Itália virasse e fizesse 12/9, assustando a torcida. A Seleção reagiu e encostou, diminuindo para 12/11 em uma bola que Lucia Bosetti esperou cair fora da quadra, e que pingou dentro. Mesmo com dificuldades, as donas da casa foram atrás e conseguiram o empate, em ataque de Sheilla que desviou no bloqueio antes de ir para fora.

Com 16/16 no placar, a Seleção conseguiu marcar seu 17º ponto em uma improvável manchete de Fabi que caiu do outro lado da quadra. A Itália chegou a fazer 21/19 no placar, mas um erro de ataque de Ortolani empatou o marcador, 21/21. Mais uma parada técnica, e Thaísa virou o jogo em um bloqueio – mas empurrado pela torcida, o time levou a virada e tomou o 26/24, com novo empate.

No quinto e decisivo set, o Brasil conseguiu abrir uma vantagem segura de três pontos na primeira parada técnica: 6/3. Com 11/8 no placar, Thaísa sacou e complicou a recepção italiana, fazendo o 12º ponto do Brasil no tie-break. A facilidade, porém, caiu por terra com sucessivos erros de recepção do Brasil, que levaram o jogo ao empate por 13/13.

No fim, Sheilla ainda errou um ataque fácil, cortando na fita e deixando a Itália a um ponto da vitória: 14/13. Mas o Brasil virou, 15/14, com um ataque italiano para fora; aí, em belo rali, Paula Pequeno atacou pela direita e conquistou a vitória: 16/14.

>No fim, Sheilla ainda errou um ataque fácil, cortando na fita e deixando a Itália a um ponto da vitória: 14/13. Mas o Brasil virou, 15/14, com um ataque italiano para fora; aí, em belo rali, Paula Pequeno atacou pela direita e conquistou a vitória: 16/14.

Jornal Midiamax