Geral

Após denúncia de superfaturamento de marmitex, prefeita de Três Lagoas muda licitação

Escândalo do superfaturamento de marmitex foi denunciado pelo Midiamax e prefeitura altera o sistema de licitar compras

Arquivo Publicado em 24/08/2012, às 18h18

None
1139841903.png

Escândalo do superfaturamento de marmitex foi denunciado pelo Midiamax e prefeitura altera o sistema de licitar compras

Após matéria publicada pelo Midiamax, em que servidores denunciaram contratos superfaturados sem licitação entre prefeitura de Três Lagoas e a padaria Colinos, foi aberta licitação para compra das refeições. No diário oficial dos municípios, a prefeita Márcia Moura havia publicado o cancelamento de quatro aditivos de contratos no dia 17 de agosto. Na última terça-feira (21), foi a vez da publicação do aviso de abertura de licitação.

A Secretaria de Finanças, Planejamento e Controladoria Geral publicou edital de aviso para realização de um pregão presencial, para o fornecimento de marmitex nº 9, para atender o PAB (Pronto Atendimento Básico), Samu, DOS (Departamento de Obras Públicas) e Secretaria Municipal de Administração. O edital não fala sobre fornecimento de outros produtos como cofee-break ou pão com manteiga e leite.

Tanto os servidores do PAB, quanto do Samu, denunciaram ao Midiamax no dia 10 de agosto que a comida fornecida pela Colinos era de qualidade inferior, sendo “imprópria para consumo humano”. Durante as entrevistas em Três Lagoas, a reportagem flagrou um saco com comida, jogado em frente ao Samu. No PAB, um vídeo feito pelo vereador três-lagoense, Jorge Martinho (PSD), mostra a comida que seria servida aos funcionários, azeda.

Os servidores disseram ainda que eles já haviam informado a prefeita sobre a qualidade da comida e que recentemente, quando ela foi visitar as unidades, eles teriam pedido novamente para que ela resolvesse a situação, ao que foram informados pela prefeita que pelo fato de ser ano eleitoral, somente em 2013 ela trataria sobre o assunto.

Somente para fornecimento de refeições ao PAB e ao Samu, a prefeitura havia firmado contratos sem licitação no valor de R$ 78.960,00 cada ou R$ 157.920,00 no total, pelo período de quatro meses. Tamanha era a discrepância entre o número de funcionários e a quantidade de comida que um simples cálculo aponta que com o valor seria possível comprar quase 19 mil marmitex, ao preço unitário de R$ 8,40. A reportagem apurou que a quantidade de marmitex que realmente chegava aos servidores era muito menor.

Conforme Marcos de Castro Alves, responsável pela padaria Colinos, o fornecimento das refeições vinha sendo feito por meio de carta convite – sem licitação – desde a administração da ex-prefeita Simone Tebet (PMDB), hoje vice-governadora de André Puccinelli (PMDB).

A reportagem apurou que a carteira de contratos com a padaria é bastante extensa, contemplando várias secretarias, fundo municipal de assistência social, projetos com idosos, portadores de AIDS, datas comemorativas e outros. Além do marmitex, a Colinos tem contratos com a prefeitura para fornecimento de pão, leite e margarina, lanches e refrigerantes, cofee break.

Jornal Midiamax