Geral

Após briga, Tigre não volta para 2º tempo e São Paulo é campeão

O adeus de Lucas ao São Paulo foi bem-sucedido, mas nem de longe foi do jeito que ele esperava. Diante de um Estádio do Morumbi abarrotado, o camisa 7 fez um dos gols da vitória do São Paulo sobre o Tigre por 2 a 0, que assegurou ao time paulista a conquista da Copa Sul-Americana […]

Arquivo Publicado em 13/12/2012, às 01h49

None
1577967360.jpg

O adeus de Lucas ao São Paulo foi bem-sucedido, mas nem de longe foi do jeito que ele esperava. Diante de um Estádio do Morumbi abarrotado, o camisa 7 fez um dos gols da vitória do São Paulo sobre o Tigre por 2 a 0, que assegurou ao time paulista a conquista da Copa Sul-Americana de 2012. Reforço do Paris Saint-Germain a partir de 2013, Lucas ajudou a encerrar o jejum de taças da equipe em uma partida que terminou após o primeiro tempo, em meio a uma confusão generalizada.

O motivo do inesperado fim da partida no intervalo foi pouco nobre: o confronto desta quarta-feira foi suspenso antes do segundo tempo. O time argentino alegou falta de segurança e se recusou a voltar ao gramado para o segundo tempo.

O problema aconteceu no apito final do primeiro tempo, após uma confusão entre Lucas (São Paulo) e Orban (Tigre). O são-paulino, que havia levado uma cotovelada no nariz durante o jogo, respondeu ao adversário e mostrou o algodão ensanguentado que trazia para estancar o corte. O gesto irritou os atletas da equipe visitante. Wellington (São Paulo), Ferreira e Díaz (Tigre) logo se juntaram à discussão, dando início à confusão generalizada.

No ponto mais quente da briga, Paulo Miranda gesticulou e levou uma trombada de Díaz – ambos foram expulsos na volta do árbitro Enrique Osses ao gramado, quando se iniciaria a etapa final da partida. No momento, o São Paulo já vencia por 2 a 0, com gols de Lucas e Osvaldo.

O técnico do Tigre, Néstor Gorosito, afirmou que não pretendia voltar ao gramado. Através de seu Twitter, o Tigre alegou que seus jogadores foram agredidos por policias. Boatos deram conta de que os jogadores da equipe visitante ameaçaram trocar seus uniformes para ir embora, reclamando até mesmo da presença de armas de fogo no vestiário. Por fim, Enrique Osses declarou o fim do jogo antes do segundo tempo.

Sem contar com o suspenso Luís Fabiano para a partida, o São Paulo – que não levantava uma taça desde o Campeonato Brasileiro de 2008 – teve poucas dificuldades para mostrar sua superioridade técnica desde o começo do jogo. Apesar do jogo muitas vezes ríspido do Tigre, a equipe de Ney Franco se valeu de seu posicionamento ofensivo e dominou a defesa adversária, graças a boas atuações do trio Lucas, Willian José e Osvaldo.

Apesar da festa que a torcida fez nas arquibancadas, o jogo em campo começou longe de ser bonito, com marcação forte e poucas chances de gol. O Tigre teve sua primeira oportunidade aos 14min do primeiro tempo, Botta dominou na entrada da área, fintou a marcação e chutou, mandando por cima do gol de Rogério Ceni.

No entanto, o protagonista da noite logo deixou sua marca. Aos 22min, Willian José recebeu em profundidade pela direita, driblou a marcação na área e tocou para Jadson – o meia foi travado, e a bola sobrou para Lucas empurrar para o gol. Na comemoração, o camisa 7 se ajoelhou, bateu no peito e beijou o escudo da camisa.

E não demorou para que saísse o segundo gol: aos 27min, após jogada de Lucas com Willian José, Osvaldo recebeu na ponta direita e tocou por cima de Albil na saída do goleiro. Aí, com desvantagem no placar, o Tigre passou a exagerar na marcação, com direito a cotovelada do Orban no rosto de Lucas, esquentando o clima do jogo. Nas arquibancadas, os são-paulinos gritavam “olé” para a troca de passes do time.

O clima quente do primeiro tempo, como era de se esperar, virou briga no intervalo. Na saída do gramado, Lucas mostrou a Orban o algodão ensanguentado que levava no nariz, irritando seus companheiros. A partir daí, os jogadores dos dois lados começaram a trocar farpas, e demoraram a deixar o gramado para os vestiários. Na volta, a arbitragem oficializou as expulsões de Paulo Miranda e Díaz. Depois de cerca de 30 minutos de jogo paralisado, o árbitro Enrique Osses decidiu encerrar o jogo.

Jornal Midiamax