Geral

Animais nas ruas retratam o interior de Mato Grosso do Sul

Uma cena ainda comum percorre décadas e retrata a característica do interior de Mato Grosso do Sul: a presença de animais pelas ruas das cidades. Em Amambai, região sul do Estado, uma internauta registrou o passeio de quatro vacas no centro da cidade. Os animais perambulavam juntos, tranquilamente, e os condutores deram espaço para o […]

Arquivo Publicado em 05/10/2012, às 19h41

None
1828675964.jpg

Uma cena ainda comum percorre décadas e retrata a característica do interior de Mato Grosso do Sul: a presença de animais pelas ruas das cidades.



Em Amambai, região sul do Estado, uma internauta registrou o passeio de quatro vacas no centro da cidade. Os animais perambulavam juntos, tranquilamente, e os condutores deram espaço para o “desfile” das vacas.



Com pouco mais de 35 mil habitantes, Amambai tem na agricultura e na pecuária as suas principais fontes econômicas. Somente o rebanho de bovinos chega a 350 mil cabeças, quantidade muito superior ao da população.



Mas a presença de vacas nas ruas de Amambai não tem sido tão diplomática. E março deste ano uma mulher foi atacada pelo animal. A mulher seguia pela rua com seu filho de 2 anos quando foi surpreendida pelo ataque da vaca enfurecida, que estava amarrada próxima a uma rua movimentada.



Cleide Morales Pereira, de 26 anos, tentou defender o filho e levou a pior. Ela teve corte profundo na cabeça e hematomas nas pernas e costas ao ser pisoteada pela vaca.



PERIGO



A presença de animais nas ruas é um perigo. Em Dourados, segunda maior cidade do Estado, com 200 mil habitantes, a maior preocupação é com os carroceiros. Estimativas apontam que existem mais de 300 carroças e a maioria é utilizada no transporte de entulhos, galhos e em outros serviços.



Na região central eles pouco frequentam, mas quando percorrem as avenidas prejudicam o andamento do trânsito. Grande parte dos carroceiros são indígenas. Eles cultivam mandioca e outros alimentos nas aldeias e vão á cidade para vender.



No ano passado a prefeitura solicitou aos carroceiros para que fizessem cadastro na Secretaria Municipal de Serviços Urbanos, medida de controle dos profissionais que atuam como jardineiros na cidade.


Jornal Midiamax