Geral

Anderson Silva acredita que peso vai deixá-lo lento

Escalado para lutar no UFC Rio 3 contra um adversário dos meio-pesados (até 93 kg), o campeão dos médios (até 84 kg) Anderson Silva registrou uma grande diferença em relação ao rival na pesagem oficial feita na tarde desta sexta-feira, na HSBC Arena, zona oeste do Rio de Janeiro. O brasileiro somou 91,62 kg, 1,36 […]

Arquivo Publicado em 13/10/2012, às 11h09

None

Escalado para lutar no UFC Rio 3 contra um adversário dos meio-pesados (até 93 kg), o campeão dos médios (até 84 kg) Anderson Silva registrou uma grande diferença em relação ao rival na pesagem oficial feita na tarde desta sexta-feira, na HSBC Arena, zona oeste do Rio de Janeiro. O brasileiro somou 91,62 kg, 1,36 kg abaixo de Stephan Bonnar, que, com 92,98 kg, quase atingiu o limite da categoria antes do duelo.



Anderson acredita que o peso vai deixá-lo mais lento. “Vai ser uma luta mais difícil porque não estou na minha categoria. Provavelmente, terei mais dificuldade para me esquivar e acertá-lo”, afirmou o brasileiro, que não pretende efetivar a subida de categoria, o que o colocaria no caminho de Jon Jones, em um combate com potencial para se tornar o maior da história do UFC.



O “Aranha”, contudo, teima em não aceitar o combate contra o campeão dos meio-pesados e novo fenômeno da organização. “Meu peso normal é 96, 97 kg. Mas minha categoria é até 84 kg mesmo. É como me sinto melhor e luto no auge”, garantiu.



Bonnar acredita que lutar na sua categoria é a única vantagem que terá sobre Anderson Silva no octógono. “Eu estarei na minha classe. Sei que estarei mais pesado que ele na hora da luta e isso pode fazer meus golpes pesarem mais. De qualquer forma, ele ainda vai ter uma mão rápida e pesada”, disse o americano.



O desafiante mostrou confiança durante a pesagem, contrariando comportamento de antes do evento em que disse que estava “morrendo de medo”. “Acho que todas as estrelas estão se alinhando para eu chocar o mundo. Já me considerava praticamente aposentado e surgiu uma oportunidade dessas. Não pode ser sem um sentido”, filosofou o americano.



Quando subiu ao palco, Bonnar foi pouco vaiado pelos torcedores que compareceram à HSBC Arena para a pesagem oficial – reflexo do respeito que tem mostrado pelo brasileiro. Mas bastou ele fazer uma brincadeira de que não estava ouvindo nada para a torcida se manifestar com gritos de “uh, vai morrer!”. O americano, tranquilo, se divertiu.



O único momento de maior tensão foi logo no início da pesagem, quando o iraniano Reza Madadi subiu ao palco e parecia transtornado. Seu adversário, o brasileiro Cristiano Marcello parecia mais calmo, mas fez menção de ir para cima do rival depois de ouvir umas provocações. O chefão do UFC, Dana White, interveio e separou os dois lutadores mais exaltados.


Jornal Midiamax